Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRB

2020
Descrição
  • NATHALIA TAVARES PINHEIRO
  • Direitos Humanos e Sistema Penal: Maneiras de Pensar dos Estudantes de Direito.

  • Data: 31/08/2020
  • Mostrar Resumo
  •     As discussões sobre o enfrentamento da violência no Brasil com frequência mobilizam o conceito de Direitos Humanos, seja para deslegitimá-los, seja para reforçar sua importância. Em ambos os posicionamentos, podemos observar uma demanda por maiores e mais aflitivas punições, tanto direcionada aos “criminosos”, em geral, quanto aos violadores destes direitos. Essa pesquisa, no intuito de compreender tal anseio punitivo, tem a seguinte pergunta de partida: de que maneira os Direitos Humanos são mobilizados em sua contribuição específica nas argumentações referidas às intervenções do Sistema Penal? A ausência inicial da delimitação espaço-temporal é um convite à observação plural do objeto de pesquisa. O primeiro ângulo de observação, de cunho teórico, traz uma revisão de literatura com diferentes perspectivas sobre a relação proposta, diante da fluidez conceitual envolvida. O segundo, já no âmbito empírico, apresenta um cunho prevalentemente indutivo, na busca de observar como futuros profissionais da área jurídica pensam a relação entre Direitos Humanos e respostas do Sistema Penal, e como utilizam os conceitos nas suas argumentações. Mais especificamente, foram realizados questionários abertos e entrevistas semiestruturadas com os estudantes formandos em Direito da Universidade Estadual de Feira de Santana. A técnica de análise do material obtido é a Teorização Fundamentada nos Dados. O terceiro e último ângulo, por sua vez, aproxima grades teóricas ao mesmo material com fins de verificação, numa perspectiva mais dedutiva. Mobilizamos, então, a teoria da Racionalidade Penal Moderna para verificar se as maneiras de pensar dos estudantes reforçam um sistema de ideias específico, que projeta um conceito particular da sanção penal focada na exclusão social e no sofrimento. Os resultados indicam olhares voltados ao local da prisão, atualizando a estrutura penal que liga uma conduta desviante a uma pena aflitiva e privativa de liberdade. A presente pesquisa está inserida num contexto de produções acadêmicas sobre o aumento ou diversificação da severidade das respostas estatais às condutas criminalizadas, e contribui com a possibilidade de examinar um mesmo conjunto de discursos por diferentes ângulos teóricos.

  • BRUNA APARECIDA THALITA MAIA
  • Narrativas de Mulheres em Situação de Encarceramento no Conjunto Penal Feminino de Salvador/BA.

  • Orientador : ANGELA LUCIA SILVA FIGUEIREDO
  • Data: 30/06/2020
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação pretende apresentar e discutir narrativas de mulheres em situação de encarceramento no Conjunto Penal Feminino, unidade prisional do Complexo Penitenciário Lemos de Brito de Salvador/BA. Através de levantamento bibliográfico, trabalho de campo, oficinas, entrevistas e observação arrecadamos dados, apresentamos e analisamos narrativas de mulheres presas sobre a experiência do cárcere. À luz de teorias criminológicas e suas vertentes críticas, buscamos construir um arcabouço teórico sobre o sistema de justiça criminal, a fim de compreender suas implicações nas unidades prisionais. Ademais reiteramos o questionamento de Davis (2018) sobre a obsolescência da instituição prisão.  A partir do exposto, nos impressionou como as diversas narrativas das mulheres em situação de aprisionamento puderam confirmar, confrontar, dialogar e divergir das perspectivas críticas abordadas no referencial teórico utilizado, quando sintetizamos o pensamento sobre uma realidade que, apesar das especificidades de cada caso e de cada história de vida, convergem em uma realidade da população carcerária, em especial das mulheres privadas de liberdade. Podemos apreender que os históricos de pobreza, violência e desigualdades que carregam estão alocados em uma estrutura que seleciona e filtra a clientela das instituições prisionais. Para além do delito em si, as condições de raça, gênero, classe, escolaridade e trabalho dão as características principais da população carcerária pesquisada.

2019
Descrição
  • MICHELE MOTA SOUZA
  • Política brasileira: um estudo sobre as proposições legislativas de deputados na Bahia.

     

  • Orientador : ANTONIO EDUARDO ALVES DE OLIVEIRA
  • Data: 21/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • Frente a complexidade  que  é  a  vida  social  os  fenômenos  podem  ser  percebidos  por diversas  lentes  que  dialogam  diretamente  com  a  interpretação  individual  de  cada  um, atreladas as suas experienciais e influências em coletividade. Os políticos eleitos nas urnas em regimes democráticos passam a representar a sociedade advogando e atuando sobre questões relativas a prestação de serviços públicos e garantia de direitos sociais. Deste modo, e  elencando  a  ALBA-Assembleia  legislativa  do  estado  da  Bahia  como lócus de pesquisa, esperamos compreender quais articulações sustentam o processo de construção das proposições do tipo projeto de lei. Neste intuito, pautaremos a investigação na abordagem qualitativa, associando as técnicas da observação e entrevista semiestruturada (CHIZZOTTI, 2003; BOGDAN,C. e BIKLEN,1994). Os resultados esperados inscrevem-se na expectativa de contribuir com os estudos voltados à produção legislativa no âmbito dos estados e seus reflexos nas políticas públicas e sociais.

  • JOSEMEIRE FERREIRA ANDRADE
  • Kao Kabiecilê! Mulheres Negras Clamam por Justiça: Análise de Narrativas de Mulheres Negras sobre a Violência Policial

  • Data: 30/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa analisa as mazelas causadas pela violência estatal perpetrada na vida das mulheres negras, a partir do assassinato de seus filhos e como estas mulheres buscam justiça a partir da formação de uma Rede Mundial de mães órfãs de seus filhos pelo terrorismo do Estado. Com um foco na questão de gênero, traz a narrativa das mães que perderam seus filhos precocemente e que lutam por justiça aos seus filhos silenciados e criminalizados, bem como serem amparadas judicialmente pelo Estado, para que estas mortes sejam julgadas os responsáveis sejam punidos pelos crimes cometidos e ainda para que outros jovens não venham a ter o mesmo destino. Utilizaremos o método do estudo de caso com entrevistas semiestruturadas, a partir da abordagem da Etnometodologia Implicada. Assim, mulheres, mães, negras, narram seus processos de transformação do luto em luta, possibilitando-nos a compreensão dos processos de criação de resistência de mulheres, mães que perderam seus filhos assassinados ainda jovens, a exemplo dos coletivos “Mães de Maio”, as “Mães do Curió”, dentre tantos movimentos de mães no Brasil. São relatos de dor e morte, muitas não conseguem seguir na luta e morrem de depressão pela dor da perda, outras suicidam-se. Esta pesquisa tem também o intuito de servir como material de apoio para embasamento das reivindicações e necessidades dessas mulheres, no reivindicar por políticas públicas universalistas focadas na vida das mulheres que sofreram este tipo de violência perpetrada pelo Estado.

  • MAILSON SANTOS PEREIRA
  • MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO FEDERAL DO PROGRAMA CRIANÇA FELIZ: UMA ANÁLISE CRÍTICA DOS SEUS INSTRUMENTOS NORMATIVOS

  • Data: 30/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação aborda a temática das políticas públicas para a primeira infância no Brasil, buscando analisar os instrumentos normativos do Programa Criança Feliz criados pela gestão federal para operacionalizar a implementação do Programa nos estados e municípios, verificando as tensões e disputas de poder entre os órgãos envolvidos na sua regulamentação que se fazem presentes nessas legislações, para identificar o modelo de implementação adotado pelo Governo Federal. Como procedimento metodológico partiu-se da análise documental, de cunho qualitativo, utilizando-se de fontes primárias. Identifica-se as normativas publicadas pelo Governo Federal no período de 2016 a 2018 que regulamentavam e orientavam a implementação deste Programa, compreendendo essas normativas como instrumentos de políticas públicas. Para tanto, realizou-se a busca e coleta dessas legislações em sítios eletrônicos do Governo Federal. Foram identificadas vinte e sete normativas, entre decretos, resoluções, instrução normativa e portarias, emitidas tanto pela Presidência, pelo MDS, pela SNAS, pela SNPDH, pelo CNAS e pela CIT. Essas legislações foram tratadas e analisadas segundo o método da análise de conteúdo, sendo construídas duas perspectivas analíticas: uma abordagem cronológica/temporal e outra abordagem por ator/órgão. Foi possível identificar o modelo de implementação top-down por parte do Governo Federal, por meio do qual a responsabilidade do Programa foi migrando da SNAS para a SNPDH, e; como o MDS teve papel crucial para isso, ao emitir diversas normativas que regulamentavam o Programa e legitimavam a centralidade da responsabilidade da SNPDH na coordenação das ações do PCF. Verificou-se ainda alterações ocorridas no Programa em seus critérios de adesão pelos municípios; de financiamento dos estados; do valor per capita mensal para os municípios por público acompanhado; do quantitativo de metas aderidas e; no que tange às etapas do Programa, corroborando a abordagem de implementação de cima para baixo adotada pela gestão federal. A utilização das normativas como instrumentos de políticas públicas para legislar sobre o Programa tem garantido a sua implementação por parte do Governo Federal, fundamentando-se no modelo top-down de implementação de políticas públicas, tão característico de gestões neoliberais.

  • MARCO ANTONIO VIEIRA DE OLIVEIRA PARANHOS
  • DE OLHO NO BOY: IDENTIDADES, CONSUMO E AFETIVIDADE EM APLICATIVOS DE RELACIONAMENTO

  • Orientador : MARIA SALETE DE SOUZA NERY
  • Data: 25/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Apresente dissertaçãoé o resultado de uma pesquisa sociológicasobre as relações sociais estabelecidas pelos jovens homens gays no Recôncavo Baiano, em três aplicativos de relacionamento voltados para o público-consumidor homossexual masculino. A investigação esteve centralizada em torno de uma tríade de discussões: a primeira delas gira em torno da análise do processo de construção identitária dos usuários dos aplicativos, como eles se apresentam no meio on-line e como esses homens se relacionam; a segunda, em correlação com a primeira, promove a discussão identitária a partir da ótica dos estudos do consumo, compreendendo esses indivíduos enquanto consumidores e seus próprios produtos nesse mercado, a partir de suas imagens, discursos e interações desenvolvidas nestes espaços on-line; e, por fim, o debate da constituição do campo afetivo para estes homens: as relações de amizade, a busca por parceiros amorosos e as diversas interações sexuais realizadas por meio destas mídias digitais. A pesquisa procurou desenvolver um estudo empírico em um contexto regional, em um caráter distinto das pesquisas hegemônicas sobre homossociabilidade em aplicativos de relacionamento, trazendo os aspectos socioculturais específicos do Recôncavo Baiano, como a composição racial, a construção típica das masculinidades regionalizadas e o contexto singular da vivência homossexual para esses jovens no interior da Bahia.

  • CAROLINA NASCIMENTO PAES
  • RAÇA, CLASSE E GÊNERO NO BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE PELA PERSPECTIVA DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

  • Data: 19/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo avaliar, dentro da produção bibliográfica da Scielo, entre 2003 e 2019, a relação entre Segurança Alimentar e Nutricional e o Programa Bolsa Família, criado no governo Lula e se configurando como maior política de transferência condicionada de renda do Brasil. Foram analisados estudos de base quantitativa e qualitativa e estudada como a relação entre os fatores classe, raça e gênero conformam situações específicas de desigualdade, colocando este público entre os mais vulneráveis a Insegurança Alimentar e a fome. Concluiu-se que o programa em questão impacta na alimentação dos beneficiários de forma positiva, porém, em se tratando do conceito abrangente de SAN faz-se necessário ampliar as estratégias de políticas focalizadas, somando-se a iniciativas de cunho estrutural para dar base para uma alimentação saudável, segura e acessível a todos.

  • TÁTA LUANGOMINA
  • Candomblé Bantu-Indígena da Bahia: organização sociorreligiosa e relação global da Comunidade Caxuté na Costa do Dendê

  • Data: 26/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Pretendemos nesta pesquisa registrar a história da Comunidade Caxuté, sua organizaçãosocial e sua construção como comunidade religiosa, cujas raízes brotaram do encontro dasculturas bantu e indígena que se transformaram numa única comunidade afro-indígena. Metodologicamente, recorremos à Etnografia com pesquisa de campo baseada na participação observante, tendo em vista nosso pertencimento à Comunidade sujeita da pesquisa. Com efeito, nascemos nessa comunidade onde fomos socializados e passamos parte de nossa vida apenas como um de seus membros. Graças à formação recebida na academia, nossa experiência de vida acumulada tomou rumos diferentes, pois começamos a ver com olhar diferente nossa própria cultura. O que era natural, isto é, a cultura da comunidade, seus valores, sua organização social, sua visão do mundo e do universo, suas relações com o meio ambiente e o ecossistema e suas propostas educativas se transformaram em campo de pesquisa. Além da observação participante, parte do material empírico utilizado na pesquisa provém dos registros iconográficos, entrevistas, áudios e textos escritos que vêm sendo divulgados e publicados por por nossos sujeitos, até nos jornais e redes sociais sobre a Comunidade Caxuté. Somadas essas fontes de coleta do material empírico, conseguimos estruturar nossa pesquisa além da introdução em três capítulos. O primeiro versa sobre a história de duas culturas que se cruzaram para construir uma única comunidade religiosa afro-indígena; o segundo sobre o processo de construção de sua religiosidade na mescla de três origens, inicialmente diferentes, com a liderança das personagens de Mãe Mira,Taata Sibouamim (Pai João), e Mãe Elvira Ajunsun Adê, herdada por Mametu Kafurengá, continuidade da raíz; no terceiro analisa-se a organização social da Comunidade Caxuté e suas propostas educativas no universo multicultural brasileiro, em contribuição com as leis 10.639,03 e 11.645/08 que tornam obrigatório o ensino da história do Negro e dos Povos indígenas na escola brasileira.

  • CLEITON LIMA DE OLIVEIRA BARBOSA
  • SEGURANÇA PÚBLICA E PARTICIPAÇÃO POPULAR: DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM CONSELHO COMUNITÁRIO DE SEGURANÇA

  • Data: 15/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem o objetivo de apresentar uma análise dos desafios enfrentados pela sociedade civil no processo de implementação de um conselho comunitário de segurança, privilegiando os embates travados na sua formação e implementação, para isso a pesquisa realizada se valeu de um método indutivo de análise com base na Teoria Fundada nos Dados onde através de observações, entrevistas, analise de documentações e de diálogos formais e informais foram estabelecidas categorias que buscam elucidar o desenvolvimento do processo social em questão. O texto inicialmente apresenta uma discussão sobre algumas das principais formas de participação da população nas decisões concernentes ao poder exercido pelo estado na vida cotidiana em suas dimensões teóricas, conceituais e empíricas, bem como é discutido o percurso histórico que culmina na disseminação da adoção da filosofia de polícia comunitária pelas polícias brasileiras e o consequente surgimento e equacionamento dos espaços de participação popular na segurança pública que são esses conselhos. O texto também apresenta uma breve discussão sobre o método de análise utilizado, e uma comparação dos resultados da pesquisa com os de outras pesquisas que serviram de ponto de partida para a realização desse estudo, dando privilegiando uma conexão com a literatura desenvolvida sobre os conselhos. Dentre os principais resultados está a constatação da possibilidade de o conselho desenvolver ações que culminem numa relativa pressão ao aparelho estatal no intuito do angariamento de ações que satisfaçam as demandas da comunidade em geral, que se não atendidas culminam em problemas mais relevantes que geralmente causam direta ou indiretamente o aumento dos indicadores de violência na comunidade.

  • TALIANE PEREIRA OLIVEIRA
  • “MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS EM CRUZ DAS ALMAS - BA: UMA INVESTIGAÇÃO INTERSECCIONAL NAS CLASSES POPULARES”

  • Orientador : ANGELA LUCIA SILVA FIGUEIREDO
  • Data: 05/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa reflete sobre a vida de mulheres chefes de famílias de classes populares em Cruz das Almas, a partir da perspectiva interseccional que procura revelar o quanto o gênero, a raça, a classe e a geração estão imbricados na construção das desigualdades sociais. Nosso objetivo principal reside em compreender como as mulheres exercem a chefia de suas famílias. Os estudos sobre a chefia feminina revelam a heterogeneidade como característica primeira deste fenômeno, são mulheres com diferentes experiências de opressão. A metodologia desta pesquisa está inserida no contexto da Antropologia, com a realização de um recenseamento (Anexo I), entrevistas semiestruturadas com 16 mulheres (Anexo II) e em profundidade (Anexo III) com 6 delas. As nossas entrevistadas são autodeclaradas negras, com idade entre 20 e 72 anos, com pouca escolarização, muitas realizando ocupações manuais, como o trabalho doméstico e na agricultura. Foi possível compreender que o crescimento da chefia não denota uma maior equidade de gênero, pois traz uma sobrecarga de trabalhos e responsabilidades para essas mulheres, uma marca distintiva se comparada à chefia de homens, que geralmente ocorre na presença de uma companheira. A centralidade e a autoridade exercidas por estas mulheres podem ser entendidas enquanto aspectos que revelam a permanência das diferentes formas como mulheres e homens são socializados, perpetuando hierarquias de gênero.





  • DANIELLE MARCIA HACHMANN DE LACERDA DA GAMA
  • A VOZ E A VEZ DE DIZER: BATALHAS DE POESIA EM COMUNIDADES DE PERIFERIAS EM SALVADOR/BA

  • Data: 29/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • O Slam, criado nos EUA em 1986 e trazido para o Brasil em 2008, é uma batalha de poesia que busca provocar espaços democráticos de expressão e, no Brasil, como em outros locais, têm sido em geral promovidos em locais periféricos de centros urbanos, onde mais se encontram as carências da população em termos de investimento do poder público. Slams constituem eventos em que poetas e público participam em trocas constantes, em que se pautam discursos e celebram-se vozes que não são ouvidas em outros espaços. Nesta dissertação busco abordá-los pelo ponto de vista dos estudos de performance, através do método etnográfico, a fim de estudá-los em seus com(textos), e compreender de que modo este fenômeno age na criação de novos locais de fala para moradores das periferias e como o slam atua e ganha sentido, podendo contribuir para a geração de formas de pensar o poético e o ético nos espaços da cidade de Salvador. Nesta capital, o slam é um fenômeno engajado politicamente a questões de afirmação da identidade étnico-racial negra e integrado a outras manifestações artísticas e culturais de mesmo foco, nas quais seus atores transitam. Como em uma batalha ritualizada que dramatiza a vida, seus atores disputam e restauram cenários e vivências, e acionam afetos, recriando alternativas de existência face a negações e faltas, estas que também se tornam potências.

  • VINICIUS SANTOS DA SILVA
  • Etnografia da Fechação: Performances de Homens Negros Balizadores de Fanfarras na Bahia

  • Data: 29/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os balizadores, mores e coreográficos de fanfarra na Bahia, estado performativo de homens negros dissidentes, inserem-se nos desfiles cívicos e campeonatos de fanfarra como personagens que desempenham performances caricaturais, sensuais e exacerbadas aos signos femininos e raciais, conhecidos como fechação. A presente pesquisa faz a etnografia do universo performativo desses sujeitos, buscando sentidos e significações do ato que anunciam desdobramentos para suas vidas sociais, bem como compreender os princípios identitários, os dispositivos de sociabilidade e os problemas de gênero, raça e sexualidade imbricados nesta expressão cultural paradigmática, muito particular em Salvador e no Recôncavo da Bahia.

  • LEANDRO RIBEIRO AZEVEDO
  • Estudar enlouquece? Um estudo sobre as relações entre vida universitária e saúde mental

  • Data: 25/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ingresso na universidade está relacionado a significativas mudanças na vida dos estudantes, sendo um importante período não apenas para a sua formação acadêmica e profissional, mas pessoal, social e cultural. Todavia, alguns estudos têm associado tal etapa a prejuízos ao bem-estar e à saúde mental. Sinalizam também, em geral, a carência de pesquisas que permitam maior compreensão acerca dos nuances envolvidos neste fenômeno. Nesse sentido, o presente estudo teve por objetivo analisar as relações entre vida universitária e saúde mental entre estudantes de graduação do Centro de Artes, Humanidade e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Para tanto, abordamos conceitualmente a categoria estudantil como grupo social, ao tempo em que discutimos as especificidades do público em análise. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de corte transversal para qual utilizamos, como instrumentos de coleta de dados, uma entrevista semiestruturada e mais dois questionários autoaplicáveis: o questionário de Identificação, Desempenho acadêmico e bem-estar-estar geral; e o Self Report Questionnaire (SRQ-20). Participaram da pesquisa um total de 18 estudantes do referido campus. Os resultados sugerem que a vida universitária pode se relacionar com a saúde mental tanto em termos positivos ao promover a autonomia, a formação de novos vínculos sociais, e o desenvolvimento intelectual e pessoal dos estudantes, por exemplo; quanto negativos, em função de fatores como a sobrecarga de atividades, dificuldades de adaptação e permanência, vivências de situações discriminatórias e baixa expectativa profissional após a finalização do curso. Concluímos que o tema precisa receber atenção equivalente à sua importância do ponto de vista acadêmico com a realização de novos estudos, e do ponto de vista institucional, por meio do desenvolvimento de políticas e ações que tenham em vista a promoção do bem-estar e preservação da saúde mental do corpo discente.

  • UDINALDO FRANCISCO SOUZA JUNIOR
  • "A MORTE E A MORTE DE XAYNNA SHAYURI MORGANA (LILI): Necropolíticas Queer em Cachoeira-BA".

  • Orientador : ANGELA LUCIA SILVA FIGUEIREDO
  • Data: 11/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Essa investigação busca compreender os sentidos e significados atribuídos à morte através dos discursos emitidos nas narrativas de familiares e amigos sobre a morte de Xaynna Shayuri Morgana, conhecida como Lili, travesti, militante LGBT da cidade de Cachoeira (BA), assassinada em 27 de agosto de 2017. A nossa hipótese é que há uma cisnormatividade continuada que exige adequação do corpo à norma, através de reiteradas tentativas violentas que precedem, percorrem e atravessam o momento do assassinato. Tomando a categoria humanidade como um conceito em disputa, e em grande parte importante na medição das vidas viáveis e das vidas vividas, a pesquisa procura responder: O que se mata quando as balas, facas e lâminas atravessam um corpo que desvia da cisgeneridade compulsória? O que se tenta matar nos discursos que justificam, desconversam ou modificam a trajetória dos assassinatos? Quantas vezes morre um corpo inconforme de gênero depois que para de respirar? E antes? Com o objetivo de levantar possíveis respostas a esses questionamentos, usamos como método de trabalho uma etnografia dos ritos fúnebres e da presença fantasmagórica de Lili na cidade, através entrevistas em profundidade com amigos, parceiros de militância e familiares. Movido sobretudo por uma constante vulnerabilidade social que nós sujeitos não-heterossexuais e/ou gênero inconformes experimentamos numa sociedade marcada pela violência e assassinato cotidiano dos transviados1, essa pesquisa buscará entender também os mecanismos pelos quais os discursos delimitam e desenham os valores precários que uma vida queer adquire, gerindo assim quem se enluta por essas mortes e como os sentidos culturais dessas vidas se materializam em um processo necropolítico2. Esta pesquisa pretende também engajar-se enquanto denúncia das práticas e discursos que movem esses atos homicidas e sustentam o medo e o terror de sermos bichas, giletes, sapas e travas num contexto em que essas identificações ainda funcionam como uma espécie de suicídio social.

  • JÚLIO CÉSAR CERQUEIRA ARAÚJO
  • "NOTAS ETNOGRÁFICAS UM DIÁLOGO SOBRE RAÇA, RACISMO, VIOLÊNCIA, E PROJETOS DE VIDA ENTRE OS JOVENS HOMENS NEGROS NO ANEXO OUTEIRO REDONDO, SÃO FÉLIX - BA".

  • Orientador : OSMUNDO SANTOS DE ARAUJO PINHO
  • Data: 05/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este resumo apresenta os resultados da minha pesquisa de dissertação de mestrado vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia financiada pela Capes no período de: (2017-2019) a pesquisa foi desenvolvida com jovens homens, autodeclarados negros, entre 16 e 24 anos, estudantes do anexo da Escola Pública Rômulo Galvão na comunidade do Outeiro redondo, zona rural da cidade de São Félix- BA. Estando vinculada ao núcleo de investigação, do Projeto de Pesquisa Brincadeira de Negão Identidade e Subjetividade – UFRB, um expoente crítico dos estudos de masculinidades negras no Recôncavo da Bahia. O objetivo geral da investigação foi compreender como jovens homens negros constroem seus projetos de vida e suas identidades masculinas, a partir dos sentidos e significados atribuídos a raça e racismo. O cenário da pesquisa se deu no contexto de uma escola pública, próxima a comunidades remanescentes de quilombos que tem um histórico de crescente aumento da violência e criminalidade, sendo um dos fatores que impulsionaram o interesse da investigação, tendo em vista os altos índices de violência letal que acometem corpos de jovens homens negros no nosso país. A investigação foi desenvolvida no período de dois anos, com base nos referenciais da antropologia crítica, utilizando a etnografia como método, onde o “ponto de vista” e a experiência vivida dos sujeitos investigados resultou na produção de categorias de análise forjadas a partir de suas subjetividades na relação com o contexto, que estavam inseridos. O resultado da pesquisa aponta-nos para ação da reprodução social atuando sobre os sujeitos negros, através de aspectos relacionados a racialização, fatores estruturantes na construção dos seus projetos de vida e de suas identidades masculinas, toda narrativa da pesquisa revela-nos a centralidade do racismo nos discursos dos sujeitos, ao tratar de questões que alocam seus corpos em posições de desigualdade e subordinação racial.

  • CLARICE LIS MARCON
  • Legba, Fá e Ibeji: fragmentos da arte contemporânea no Benim.

  • Data: 28/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação visa lançar um olhar antropológico (etno-estético) sobre a
    produção e a circulação da arte contemporânea, entendida aí sobretudo no
    campo das artes plásticas – pintura, escultura, instalação e performance, do
    Benim. A partir de um trabalho de campo onde priorizou-se a metodologia
    de entrevistas com artistas e profissionais das artes do país da África
    Ocidental e do diálogo com uma bibliografia majoritariamente orientada por
    uma perspectiva pós-colonial, tentou-se mapear o repertório simbólico
    desses artistas, a tensão produtiva entre temas da religião vodun e técnicas
    artísticas contemporâneas, traçando relações entre tradição e modernidade,
    globalização, arte tradicional e arte contemporânea. Seguindo o princípio de
    levar à sério a visão que os próprios artistas têm do seu trabalho e da arte em
    geral, procuramos colaborar para o esforço recente de complexificar e
    ampliar a imagem que a arte africana possui no Brasil. Ao trazer para o
    primeiro plano as obras, visões de mundo e reflexões de alguns artistas
    contemporâneos do Benim, contra todos os estereótipos que ainda marcam a
    nossa imagem do continente africano, almejamos reaproximar essas
    realidades a partir de laços de solidariedade epistêmica. Imerso no universo
    das artes e do vodun, esse texto discute diferentes formas de inserção da arte
    beninense em um circuito global assimétrico e herdeiro da colonização.

  • CAMILA BORGES DOS SANTOS
  • UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO, A EXPERIÊNCIA DE CACHOEIRA - BAHIA

  • Data: 23/01/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho intitulado: Uma pesquisa qualitativa sobre as medidas socioeducativas em meio aberto, a experiência de Cachoeira - Bahia, objetiva compreender como os agentes sociais interpretam suas práticas cotidianas profissionais referentes ao Serviço de Proteção Social a adolescentes em cumprimento de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto e analisar como são efetivadas essas medidas. Para tal, recorremos a uma abordagem etnometodológica, pois a etnometodologia parte da ideia de que todo grupo social é capaz de compreender a si mesmo e analisar-se. Fazemos uma revisão bibliográfica sobre a construção dos direitos de crianças e adolescentes no Brasil e uma análise sobre o ECA e o SINASE, legislações que trazem como fundamento a Doutrina da Proteção Integral e o caráter pedagógico das medidas socioeducativas. Na pesquisa de campo utilizamos as entrevistas qualitativas semi-estruturadas e para análise das entrevistas utilizamos a análise de discurso. Compreendemos que o paradigma da punição se faz necessário para exercer uma ditadura sobre os pobres como analisam Wacquant, Foucault, Garland e outros teóricos da sociologia do crime. A Justiça Juvenil a partir das legislações vigentes se distancia desse paradigma quando preconiza que as medidas socioeducativas tenham princípios educativos, pedagógicos e estejam de acordo ao contexto social e coerente com o perfil dos adolescentes. Porém para efetivação dessas medidas há muitos desafios que precisam ser enfrentados como apontam as interlocutoras dessa pesquisa.

2018
Descrição
  • PAULO DIAS CONCEICAO
  • Cinco Histórias de Vidas – O Recôncavo Baiano em Tempos de AIDS

  • Data: 28/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem por objetivo fazer uma discussão acerca das pessoas que vivem com HIV/AIDS no Recôncavo da Bahia. Buscou-se interpretar os sentidos produzidos nos discursos dessas pessoas, das representações sociais nos processos de reproduções desses discursos acerca das discriminações, preconceitos sofridos as mesmas, de como todos esses processos discursivos recai e impactam em sua saúde física, mental e espiritual e em suas relações sociais cotidianas. Como referencial teórico-metodológico, optou-se por uma perspectiva de investigação na produção dos sentidos produzidos, nas representações sociais dos discursos dos participantes/colaboradores que fazem parte desta pesquisa. Utilizando autores que dialogam com a Representação Social a exemplo de Jodelet (1993), em que as representações sociais são carregadas pelas palavras, circulam nos discursos e são veiculadas nas mensagens e imagens mediáticas, cristalizadas nas condutas e agenciamentos materiais ou espaciais. Desta maneira, apresentaremos as cinco histórias de vidas, suas perspectivas na vida e as suas convivências sendo estas, pessoas vivendo com HIV/AIDS no Recôncavo da Bahia em tempos da crescente epidemia do HIV/AIDS nessa região.

     

     

  • VALDIR DA SILVA ALVES
  • TRANSVALORAÇÃO DO LUSO-TROPICALISMO

  • Orientador : OSMUNDO SANTOS DE ARAUJO PINHO
  • Data: 26/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Ao elaborar o projeto deste estudo, um fato logo ficou nítido: seria tempestuoso e também nebuloso desenvolver uma dissertação sobre Gilberto Freyre. Como bem nos alertou Ricardo Benzaquen “Gilberto Freyre não é autor “para principiantes”. Trata-se de um dos intelectuais brasileiros mais reconhecido no exterior (a ponto de parecer uma súmula nacional), considerado, inclusive, o intérprete Brasil.
    Na busca pelo melhor caminho para a materialização das conexões necessárias frente ao desafio de escrever a respeito de um autor que em seu tempo foi, sobretudo, autor de si mesmo, o objetivo maior se manifestou em encontrar o equilíbrio para poder iluminar ou escurecer o indispensável para ler, ouvir, ver o que selecionar, e por fim o que escrever.
    Sempre ouvi de pesquisadores experientes que é muito complicado escrever um trabalho que tenha escassez de referências. Contudo escrever um trabalho sobre uma abundância de referências, e que quase todos os autores clássicos do pensamento brasileiro tenham escrito algo sobre, é como sair de um ambiente escuro e receber uma grande quantidade de luz sobre os olhos. Por isso, cabe afirmar que na ausência ou abundância de fontes, ambos os ambientes podem ser ofuscantes.
    Ciente disto, buscarei nas próximas linhas entender as tramas em torno da suposta cientificidade que cerca a fabricação do “conceito” do luso-tropicalismo, e a aplicação desse termo pela política salazarista no contexto africano, bem como, os desdobramentos das críticas produzidas pelos autores africanos. Para tanto, o trabalho está dividido em quatro partes. A princípio exponho os impasses para a consolidação de um referencial bibliográfico sobre Gilberto Freyre a partir de suas próprias obras, apresentando algumas considerações sobre o conceito de etnografia.
    Na sequência aborda-se a relação de Freyre e o antropólogo Franz Boas, apontando os desníveis da aproximação defendida por Freyre ao evocar este autor e de que forma essa suposta aproximação reverberou em sua projeção cientifica. Do mesmo modo, e a fim de explorar a nítida confluência de Freyre com as suas obras, realiza-se um diálogo com a concepção de autor do filosofo Michael Foucault vislumbrando demonstrar possíveis erros metodológicos na apropriação pelos pesquisadores, dos seus diários e autobiografias. Discorrendo em últimas analises sobre a fabricação do luso-tropicalismo, seus usos e as discussões anti-lusotropicalistas travadas por intelectuais africanos.

  • JULIEVERSON MESSIAS DE CARVALHO
  • EMOÇÃO CORPO E POLÍTICA: PRESENÇA E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES NEGRAS/OS NO CAHL/UFRB E A (RE)CONSTITUIÇÃO DE IDENTIDADEÉTNICO/RACIAL

  • Orientador : OSMUNDO SANTOS DE ARAUJO PINHO
  • Data: 26/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo principal dessa dissertação consiste em compreender se o ambiente universitário mediante a instituição de instrumentos de acolhimento como as cotas étnico/raciais e políticas de permanência, contribui na (re)constituição e legitimação de práticas identitárias negras e coletivas com vistas à superação do racismo no país. Buscamos problematizar acerca da situação atual da/o estudante negra/o na universidade pública federal e compreender os efeitos da Lei Nº 12.711/2012 ou Lei de Cotas. O fundamento desta Lei é promover o acesso com inclusão social no ensino superior público federal de qualidade. A entrada de jovens negras/os e pobres, principalmente, na universidade contribui para a superação do racismo uma vez que representa oportunidades de mobilidade social, seja por meio de carreiras profissionais mais promissoras quanto aos retornos salariais, direitos sociais, posição social e à realização pessoal de mobilidade social (PAULA, 2013: IX). Não obstante, as estratégias de permanência institucionais necessitam de políticas públicas garantidas pelo Estado para que sejam efetivas no objetivo de contribuir com a redução das desigualdades sociorraciais no país. Esta pesquisa dialoga com estudantes universitárias/os negras/os do CAHL/UFRB e; gestoras das políticas afirmativas na referida instituição. Prioriza o estudo qualitativo e conta com os instrumentos de revisão documental, observação etnográfica e entrevista semiestruturada.

  • ALANNA OLIVEIRA SANTOS
  • A RESSIGNIFICAÇÃO DA MACONHA NUMA REDE SOCIAL: UMA AUTOETNOGRAFIA NO FACEBOOK

  • Data: 24/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo compreender as relações entre o ciberespaço e as identidades culturais a partir do estudo da comunidade de maconheiros dentro do Facebook.. Se as identidades são construídas na fronteira do eu e do outro, tentamos compreender os elementos que marcam o fazer parte do grupo e os que marcam o diálogo com o outro, a saber, a sociedade proibicionista. Para isso, primeiramente, observamos de que maneira os espaços de trocas e sociabilidades proporcionados pelo Facebook colaboram na construção de um sentimento de pertencimento a partir do compartilhamento de uma série de experiências em comum. Em seguida, considerando que o grupo em questão é socialmente criminalizado, buscou-se perceber as estratégias adotadas por seus membros para a ressignificação do uso da maconha através de uma série de discursos que visam contrapor a sociedade proibicionista e os significados estabelecidos por ela como os estereótipos do maconheiro, o entendimento da maconha enquanto droga e a necessidade da sua proibição. Por fim, tendo constituído elementos que geram o sentimento de pertencimento e todo um aparato discursivo pra contrapor o estatuto de ilegalidade da maconha, torna-se possível a organização de um movimento social dedicado à transformação social através de pressão nas instituições do Estado para a revisão das leis que proíbem o uso da maconha, ao mesmo tempo em que passam a pautar os meios de comunicação tradicional a partir de uma nova perspectiva sobre a maconha, associada em especial aos seus efeitos medicinais, ampliando a discussão para além das fronteiras do grupo. Tudo isso se desenrola partir de uma extensa rede articulada e mobilizada constantemente através do Facebook. O ciberespaço, de uma maneira mais ampla, as redes sociais, especificamente o Facebook, e as tecnologias materiais que lhe dão suporte, como os computadores, tablets e smatphones, aparecem como importantes atores neste processo por possibilitarem os variados mecanismos de comunicação e sociabilidade que criam novas formas de experienciar e de ser no mundo, que poderíamos chamar de uma cibercultura que marca a contemporaneidade.

  • LILIAN SOUZA DE JESUS
  • Acupe vai lutar pela sua liberdade, pela sua área de pesca, pela sua área de trabalho, pela sua cultura e pela sua identidade... LANÇANDO AS REDES CONTRA A ESPOLIAÇÃO DO TERRITÓRIO PESQUEIRO EM ACUPE – SANTO AMARO/BA

  • Data: 18/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho que se segue propõe uma análise do significado da espoliação do território – terra e água para Comunidade Negra de Remanescentes de Quilombo de Acupe – Santo Amaro-BA. Espoliação esta que se apresenta também em territórios outros do Recôncavo Baiano. Acupe constitui-se enquanto comunidade Negra que preserva em sua identidade a reprodução da pesca artesanal, diferenciando-se do modo de vida capitalista quando pensado em sua totalidade, mesmo intrínseco a este. Rica em diversas manifestações culturais como; Esmola Cantada, Filarmônicas tradicionais, Roda de Samba e Nego Fugido esta conhecida internacionalmente, terra de marisqueiras e pescadores/as, Acupe se concatena com outras comunidades tradicionais e de pesca no Recôncavo a partir do encontro das águas da Baía de Todos os Santos. A comunidade de Acupe confronta um projeto ambicioso de ampliação dos setores turísticos em ambientes naturais este em consonância com o Estado. Partimos da contribuição empírica em escuta qualificada das vozes que lutam contra a perda do território pesqueiro em Acupe; marisqueiras, pescadoras/es e militantes engajadas num processo de luta pela terra e pelo território da pesca, além de contarmos com a contribuição teórica nos trabalhos de HARVEY: 2005; HAESBAERT: 2003; 2005; MARQUES: 2012; ALMEIDA: 2011 e LITTLE: 2003. Assim, frente o não resolvido debate da questão agrária em solo brasileiro, o fortalecimento do modelo de desenvolvimento neoliberal, e os retrocessos de direitos para os povos de comunidades tradicionais agudizados na tela política com a posse do governo (interino) em maio de 2017, as comunidades quilombolas encontram-se contra-atacadas num projeto de desmantelamento do direito ao território com a ampliação da degradação socioambiental. Reafirmamos a relevância do território na história, memória e continuidade da comunidade de Acupe e o quanto o trabalho, o lazer a convivência forja-se no cerne deste território. Um processo identitário atropelado com a ampliação da lógica capitalista em detrimento às comunidades tradicionais. Evidenciamos o enfrentamento, entre projetos desenvolvimentistas (capitalismo contemporâneo) e comunidades tradicionais, provocando reflexões críticas concernentes à ideia de desenvolvimento sustentável

  • AZAMOR COELHO GUEDES
  • O racismo e seu enfrentamento na escola e no trabalho:
    Processos de escolarização e profissionalização de jovens quilombolas da Chapada Diamantina-BA

  • Orientador : ANA PAULA COMIN DE CARVALHO
  • Data: 18/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho investigou as experiências de escolarização e profissionalização de jovens quilombolas na Chapada Diamantina. Analisou quais são os fatores objetivos e subjetivos que possibilitam ou suprimem o acesso e a permanência no nível médio de ensino, além de avaliar quais são as perspectivas laborais que se apresentam para eles. O presente trabalho configura-se como um estudo de caso que busca investigar o problema a partir de técnicas quantitativas e qualitativas. Parte dos dados desta pesquisa foram obtidos através da observação participante, a partir da atuação como professor do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus Seabra- e da atuação no Projeto de extensão Semente Crioula que busca ofertar ações de fortalecimento do acesso e permanência de jovens quilombolas no IFBA. Também foram realizadas entrevistas semi-estruturadas realizadas com cinco jovens quilombolas e uma liderança quilombola. Por fim, fizemos uso também de formulários e questionários a partir dos quais levantamos dados sobre matrículas, evasões, retenções, profissão dos pais e expectativas laborais. Entre os fatores que afetam a escolarização discutimos o racismo explícito; o racismo institucional; a apartação e invisibilidade; inadequação curricular e epistemicídio. Analisamos também as clivagens de gênero, onde demonstramos que a desvalorização do trabalho feminino leva às mulheres a investirem mais nos estudos. Analisamos como a cultura de consumo e socialização de gênero dos meninos afetam negativamente seus processos de escolarização. Avaliamos os processos de construção das carreiras da construção civil, dos serviços domésticos e da agricultura e concluímos que as primeiras são as mais valorizadas dentro das comunidades, apesar de apenas acessíveis aos homens. O trabalho, por fim, pondera sobre as necessidades de políticas de ação afirmativa redistributivas que aumentem as oportunidades de escolarização e profissionalização de jovens quilombolas sem silenciar a sua distintividade cultural.

  • RENATO LUZ SILVA
  • Redistribuição e cidadania: o ciclo da experiência do orçamento participativo em vitória da conquista

  • Orientador : ANTONIO EDUARDO ALVES DE OLIVEIRA
  • Data: 31/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo de caso analisa o ciclo da experiência do Orçamento Participativo de Vitória da Conquista/BA e seus efeitos redistributivos na distribuição dos recursos públicos. A experiência foi analisada em meio à emergência de experiências participativas e o debate sobre a teoria democrática, onde diferentes modelos de democracia são avaliados, como a democracia participativa e a representativa. Para tanto, efetuou-se uma pesquisa de levantamento, análise documental e entrevistas com a finalidade de investigar o alcance do Orçamento Participativo na política de investimentos do município quanto a sua eficácia na realização das demandas com foco direcionado para o potencial distributivo, nuance ainda pouco explorado nas pesquisas dessa natureza. Foram abordadas ainda algumas dimensões do problema, como a participação da população e a legitimidade do processo, mediante pesquisa a diferentes documentos como atas de plenárias, fóruns de delegados, Conselho do OP e congressos, históricos, ofícios, jornais etc., além de entrevista com integrantes da equipe responsável pela realização das atividades, vereadores, e ex-secretários municipais. Neste sentido, a pesquisa permite verificar em que medida o instrumento de controle social pode ser considerado uma inovação institucional capaz de democratizar as decisões políticas a fim de beneficiar os mais vulneráveis da cidade com justiça social na redistribuição de recursos. Dessa forma, analisa-se sua configuração com o conceito ampliado de Estado, apresentando a trajetória da experiência e como o debate a esse respeito está presente na atualidade. A pesquisa destaca ainda o direito e a necessidade do cidadão de participar da aplicação do destino dos recursos públicos para que possa intervir e participar de modo efetivo nas deliberações na esfera do seu território e exercer com plenitude uma cidadania ativa.

  • JANAINA DA SILVA PALMA
  • O MEDO E SUAS VIAS DE CONSUMOuma análise do consumo e segurança da e na Rua São Domingos – Feira de Santana/BA

  • Orientador : MARIA SALETE DE SOUZA NERY
  • Data: 24/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O projeto em tela tem por objetivo compreender como as disposições de uma cultura emotiva, no que se refere ao sentimento de medo em função da violência, seja ela real ou imaginária, influencia na dinâmica de manutenção de uma cultura de consumo de bens e serviços no campo da segurança privada e, portanto, na organização da rua enquanto um espaço de socialização e de sociabilidade. Para dar conta dessa proposta de pesquisa, farei uso de uma metodologia etnográfica contando com o aporte das técnicas de observações e entrevistas. Tomei como eixo das minhas observações o espaço da Rua São Domingos na cidade de Feira de Santana - BA, rua esta que me fornece tanto um repertório espacial, quanto de sociabilidades que justificam a delimitação desse local como do campo desta pesquisa.

  • LEONARDO DE FREITAS NETO
  • AS POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL COMO
    ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL EM CACHOEIRA-BA (2002-
    2016): CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

  • Orientador : MAURICIO FERREIRA DA SILVA
  • Data: 04/07/2018
  • Mostrar Resumo
  • A Preservação do Patrimônio Cultural entendida em sua acepção sócio antropológica e
    enquanto ação planejada e promovida pelo Estado tem sido objeto de proveitosas discussões
    na agenda contemporânea de diversos campos do saber. Esta pesquisa pretende abordar o
    crescimento de indicadores de desenvolvimento socioeconômico na cidade de Cachoeira-BA,
    considerando o período de 2002 a 2016, evidenciando as contradições e perspectivas que se
    tiveram lugar com a recuperação e reformas de edificações públicas e privadas em processo
    de deterioração, realizada na cidade em questão, através do esforço conjunto do Banco
    Interamericano de Desenvolvimento e dos Governos federal, estadual e local, aliada á
    participação de cidadãos cachoeiranos que lutaram para que o Programa Monumenta fosse
    executado na cidade. Para elucidar a hipótese e os objetivos apresentados, este estudo
    respaldou-se em levantamento bibliográfico, na análise documental concernentes à política de
    preservação do patrimônio, na aplicação de questionários físicos no centro da cidade e nos
    bairros de seu entorno; e nas informações obtidas através de entrevistas semiestruturadas com
    pessoas que integram o conselho municipal de políticas culturais, em sua maioria gestores
    públicos de Cachoeira. Os dados coligidos demonstraram que as ações do Monumenta em
    Cachoeira se articularam com outras políticas voltadas para o desenvolvimento local, nas
    perspectivas endógena, humana e sustentável, através das interfaces de uma complexa rede de
    colaboração engendrada pela sociedade que produziram uma nova situação urbana, em seus
    aspectos sociais e econômicos.
    PALAVRAS-CHAVE: preservação, políticas

  • MAYSE DE OLIVEIRA ANDRADE
  • O PROGRAMA MAIS MÉDICOS E O ACESSO AOS SERVIÇOS DE SAÚDE EM SANTO ANTONIO DE JESUS-BA

  • Data: 11/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • A insuficiência e má distribuição de médicos no Brasil não é um problema novo, mas sentido há muito tempo por gestores, estudiosos, trabalhadores e, principalmente, por usuários do SUS. Recentemente, foi proposto pelo Governo Federal o Programa Mais Médicos (PMM), Lei nº 12.871 de 2013, como uma forma de enfrentamento a este histórico problema de escassez de médicos. Na presente dissertação, foram analisadas as modificações no acesso aos serviços de saúde após a implantação do PMM no município de Santo Antônio de Jesus-BA – cidade perfil G100. Parte-se da compreensão do acesso aos serviços de saúde enquanto uma categoria central para compreender como o direito à saúde se expressa na inter-relação entre os usuários e os serviços de saúde. Os resultados a que este trabalho chegou foram dispostos segundo dois grandes temas que emergiram do campo de pesquisa: O acesso aos serviços médicos ou a uma cesta de serviços? A relação entre usuários e o acesso aos serviços de saúde após o PMM; e, Para além do médico: Equidade e Integralidade no Acesso aos Serviços de Saúde. Aproximando-se das considerações de que o PMM ampliou o acesso aos serviços de saúde em SAJ, um acesso ligado ao cuidado, as boas relações interpessoais usuários/médicos e a fixação de profissionais por um período mais longo nas EqSF. Mas, que perduram as dificuldades de acesso integral à saúde.

  • JOÃO PAULO AGUIAR DE SOUSA
  • PROJETOS PROFISSIONAIS DE JOVENS AGRICULTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE VALENÇA-BA

  • Orientador : NILSON WEISHEIMER
  • Data: 06/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • O estudo em tela objetivou analisar a construção dos projetos profissionais de
    jovens agricultores familiares no município de Valença-BA, considerando a sua
    condição material e socialização, comparando o gênero desses jovens. Com base
    nos dados fornecidos pelo IBGE e pela SEI-BA, foi possível construir uma amostra
    representativa da população juvenil rural, estratificada por faixa etária e gênero. A
    posteriori, realizou-se entrevistas estruturadas com 138 jovens, obedecendo às
    cotas por sexo e faixa etária. Os dados provenientes do trabalho de campo permitiu
    caracterizar os jovens agricultores familiares do município de Valença-BA segundo
    as suas condições materiais (condição fundiária e Renda Familiar), processos de
    socialização (no trabalho familiar agrícola e na educação formal) e gênero; conhecer
    seus projetos profissionais e estabelecer as relações entre as condições materiais,
    processos de socialização e gênero para explicá-los. Com o processo investigativo,
    constamos que os jovens agricultores familiares do gênero masculino, mais
    socializados no trabalho familiar, tendem a elaborar seus projetos profissionais no
    sentido de reprodução do processo de trabalho familiar agrícola. Por outro lado, as
    jovens mulheres com maior socialização escolar inclinam-se a projetos direcionados
    aos trabalhos não agrícolas.

  • TAIANE ALMEIDA SANTOS
  • MÍDIA, SEGURANÇA PÚBLICA E A CHACINA DO CABULA

  • Data: 30/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Apresenta-se uma análise do Caso conhecido como “Chacina do Cabula” por meio da cobertura
    dos dois jornais impressos de maior circulação no estado da Bahia. O problema de pesquisa
    orientou-se pelo questionamento de qual modelo de segurança pública subjaz aos textos
    informativos noticiosos veiculados pelos jornais em tela, o tratamento midiático com relação à
    política de segurança pública vigente à época da Chacina, e quais foram os conteúdos
    manifestos que permitiram compreender a posição do governo do Estado em relação ao evento.
    Metodologicamente, o trabalho seguiu técnicas da Análise de Conteúdo Bardin (2010), por
    meio da qual foi possível inferir e interpretar as notícias veiculadas nos periódicos. A partir da
    investigação, compreendemos que vários são os desafios colocados e uma multiplicidade de
    mudanças urgentes. Dessa maneira, a partir de um ponto de vista teórico pretendeu-se
    demonstrar empiricamente que a cobertura de ambos os jornais em tela sobre a Chacina do
    Cabula foi pautada no senso comum e, com isso, foram favorecidas as fontes oficiais e a sua
    política de segurança representada pelo Programa Pacto Pela Vida, não questionada em
    momento algum, sobretudo, ao silenciar sobre o instituto dos autos de resistência. Como
    resultados temos que a Política de Segurança do Estado da Bahia não se apresenta como
    inovadora, pois antigas práticas permanecem vigentes, reproduzindo traços de Estado Penal,
    baseada em uma lógica racista de ocupação e remoção de moradores. Finalmente, a Chacina do
    Cabula é, do nosso ponto de vista, um exemplo inequívoco do insucesso do PPV-BA, e da
    demonstração de que se trata de uma política de segurança pública equivocada, pois, como
    tentamos demonstrar, não rompe com o paradigma da guerra às drogas e, por isso, torna-se,
    enquanto política de Estado, refém da truculência de uma polícia formada, preparada e
    estimulada a combater e exterminar o inimigo, o pequeno traficante da esquina, dos morros e
    das periferias das grandes cidades.

  • MARIA HELENA AMARAL MARTINS DANTAS DA CRUZ
  • “AQUI JAZ A AMÉLIA”: (DES)CONSTRUCÃO DO PAPEL SOCIAL FEMININO NO MUNDO DO CRIME

  • Orientador : HERBERT TOLEDO MARTINS
  • Data: 11/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa se propôs a investigar se as mulheres presas no Conjunto Penal de Feira de Santana-Ba, por tráfico de drogas, sob a vigência dos art. 33 e 35 da Lei 11.343/2006, estão assumindo papéis de comando como protagonistas de crimes violentos e atividades ilícitas, ou se ainda permanecem em papéis secundários e invisíveis aos olhos do Estado. Para responder tal questão optou-se pelo método qualitativo, por ter uma abrangência de significados, valores e crenças, correspondendo a um espaço mais profundo para a análise das relações sociais. Para o alcance dos objetivos foram utilizadas várias fontes de pesquisa: levantamento bibliográfico, registro cadastral das mulheres presas, jornais e a legislação vigente. A coleta de dados aconteceu entre os meses de agosto a novembro de 2017, sendo que as entrevistas foram realizadas mediante autorização prévia da Unidade Prisional, seguida de leitura e assinatura pelas participantes desse estudo do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A população pesquisada constituiu-se de 13 mulheres. Nos resultados obtidos, encontrou-se bastante presente nas falas das participantes a questão da sobrevivência como um fator impulsionador nas atitudes cometidas por elas. O estudo revelou também que as mulheres cada vez mais têm ocupado espaços na sociedade que majoritariamente são tidos como masculinos. Percebeu-se ainda que as mulheres presas, em função do comércio ilegal de drogas, estão assumindo papéis de comando, que até pouco tempo não eram vistos pelo sexo feminino; e que as transformações econômicas, culturais e tecnológicas existentes hoje em nossa sociedade têm influenciado as mesmas a romper com os grilhões da dominação masculina.

  • DAIANA CAROLINE BARBOSA DE ANDRADE
  • VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ENTRE TANTAS MARIAS: NARRATIVAS DE MULHERES EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA DE ATENDIMENTO NO RECÔNCAVO

  • Data: 28/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • A violência doméstica está baseada na relação de gênero, um fenômeno cíclico que atinge principalmente as mulheres, ocorrendo em maior proporção nos ambientes privados, onde as tensões e apaziguamentos entre vítima e agressor são naturalizados e normalizados pela sociedade machista. A pesquisa foi realizada no Centro Referência de atendimento à mulher (CRAM): Maria Joaquina, no município de Cruz das Almas, BA. Foi abordada neste estudo a violência doméstica contra a mulher, objetivando conhecer os esquemas de percepções das mulheres em relação às atividades de proteção realizada no CRAM, assim como, a percepção sobre a violência, a partir dos atendimentos. Na metodologia foi foram utilizadas entrevistas semiestruturadas com seis mulheres, numa abordagem metodológica qualitativa. Os dados foram analisados por meio da Teoria Fundamentada nos Dados (TFD), tiveram como marco teórico- analítico a Teoria da representação social. Pôde-se inferir a partir das análises dos discursos das mulheres que a violência é percebida através das suas interações como outro, mediante a relação desigual de gênero, representando que as atividades do centro ressignificou seu modo ver, falar e enfrentar a violência.

  • FABIO ALEX FERRERIA DA SILVA
  • “EU VOU ALI E VOLTO JÁ, DAQUI A POUCO TÔ NO MESMO LUGAR”: PERFORMANCES E AGÊNCIAS SOCIORRITUAIS NO CULTO AOS CABOCLOS EM SANTO AMARO

  • Orientador : WILSON ROGERIO PENTEADO JUNIOR
  • Data: 19/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Os Caboclos, entidades espirituais com características indígenas e regionais, inserem se no Candomblé em uma perspectiva liminar. Sua presença evoca formas de comportamentos sócio rituais compreendidas nos limites, nem aqui nem lá, da tradição e da inovação. Ao abordá-los sob a perspectiva característica dos estudos da performance, com ênfase no aqui e agora, busco compreender as formas de relacionamento estabelecidas em diversos contextos da dinâmica social da vida de seus adeptos bem como na composição de uma perspectiva que engloba suas ações e poderes a um conjunto amplo de articulações de um imaginário social. Com foco de irradiação na presença do Caboclo Sete Flechas de mãe Edinha, investigo as agências desta entidade, seu modo de ser sujeito na ação e reorientar os sentidos dos rituais e a vida das pessoas.

2017
Descrição
  • ZELIVALDO FALCÃO LEITE
  • “SE ELA NÃO SE IMPOR, ELA VAI PASSAR COMO RELAXADA. PORQUÊ O HOMEM É DESCARADO, NÓS É HOMEM E SABE!” UMA ANALISE SOBRE GÊNERO E RAÇA ENTRE TRABALHADOR@S DA CONSTRUÇÃO CIVIL.

  • Orientador : OSMUNDO SANTOS DE ARAUJO PINHO
  • Data: 14/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presença da mulher no mercado de trabalho vem aumentando consistente e significativamente nas últimas décadas. Estudar a inserção das mulheres na construção civil exige um olhar que supere a superficialidade deste problema, sendo necessário analisá-lo sob o ponto de vista das relações de gênero e suas repercussões sobre o mundo do trabalho. Entendendo que os homens e mulheres são socializados de maneira diferenciada, onde as diferenças biológicas são culturalmente naturalizadas para que assim haja uma diferenciação e hierarquia de gênero, é pensando desta forma que proponho entender o setor da construção civil, especificamente, o canteiro de obra. Um dos interesses da pesquisa é interpretar como se dá as relações hierárquicas de gênero bem como entender os diferentes papeis representados por homens e mulheres no espaço da construção civil, além de, perceber como se expressa a divisão sexual do trabalho. A dominação masculina acaba sendo um processo de construção social, que vem sendo reproduzida ao longo da historia da humanidade, através de violência física, moral, psicológica e também simbólica. Se a partir de uma nova reconfiguração de gênero as mulheres estão adentrando no mercado de trabalho e principalmente na construção civil, pensar na presença feminina no espaço da construção civil é refletir a cerca das dinâmicas e articulações de gênero.

  • MAIARA FIGUEREDO RIBEIRO DA SOLIDADE
  • SOCIALIZAÇÃO DE GÊNERO E CONSTRUÇÕES DAS IDENTIDADES SOCIAIS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS ESCOLAS SISTEMA E MAGIA, EM MURITIBABA.

  • Orientador : KABENGELE MUNANGA
  • Data: 12/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente proposta de estudo tem por tema socialização de gênero na escola. A instituição escolar por vezes, reforça os padrões hegemônicos de gênero, (re) produzindo a desigualdade, e implicando na construção da identidade da criança. O objetivo do estudo consiste em comparar as práticas educativas a respeito da socialização de gênero na escola pública e na escola privada. Portanto, entender as formas de controle exercidas sobre meninos e meninas bem como as formas de resistências e transgressões dos (as) mesmos (as) aos padrões estabelecidos. Analisar as representações das professoras das escolas pública e privada sobre e gênero. Verificar de que modo as crianças situam nos padrões hegemônicos de gênero nas práticas educativas das Escolas Sistema e Magia. Investigar a subordinação intersecional, em que o sujeito é excluído e/ou subrepresentando nas instâncias educacionais

  • BARBARA DAMASCENO ASSUNCAO
  • A Experiência do consumo abusivo de álcool por mulheres: O caso de Linda.

  • Data: 31/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho investigo as especificidades do consumo abusivo e/ou dependência
    de álcool por mulheres negras que recorrem a um serviço público de atenção
    psicossocial a usuários/as de álcool e outras drogas. Neste contexto empírico se
    desvela a experiência de Linda, mulher inserida numa sociedade machista, racista,
    patriarcal e que integra o contingente cotidianamente exposto a situações de
    violência de gênero, assim como as demais mulheres. No entanto, Linda é atingida
    de maneira diferenciada por múltiplas formas de discriminação, que se entrecruzam
    e definem uma experiência singular em relação ao consumo de álcool. Trata-se de
    um estudo de caso de cunho etnográfico, modalidade de pesquisa que nos
    possibilita a apreensão da realidade dos sujeitos no contexto onde suas identidades,
    subjetividade e experiências são construídas. A análise do material de pesquisa foi
    orientada pela abordagem interseccional, característica do Feminismo Negro que
    com sua crítica ao caráter universal da categoria ―mulher‖, concebe os marcadores
    gênero, raça e classe de modo articulado, nos permitindo compreender como o
    racismo e outros sistemas discriminatórios se entrecruzam, estruturando as posições
    dos indivíduos na sociedade. Espero que este estudo contribua para a visibilização
    do tema e para que possamos refletir teoricamente sobre o consumo de álcool por
    mulheres, uma vez que as pesquisas que tratam da questão se inserem,
    majoritariamente, no âmbito da saúde e focalizam o consumo do álcool por homens.

  • JULIANE OLIVEIRA DE ALMEIDA
  • SOCIALIZAÇÃO DE GÊNERO E GERAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR NO TERRITÓRIO DE IRECÊ - BAHIA

  • Orientador : NILSON WEISHEIMER
  • Data: 13/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa social empírica tem como objetivo a análise da socialização de jovens na agricultura familiar no Território de Irecê, Bahia. Para isto, foi desenvolvida uma pesquisa mista utilizando as técnicas de entrevistas de grupo e dados secundários. Sendo construídas e analisadas a partir das entrevistas de grupos junto com os sujeitos em questão, selecionandose três variáveis imprescindíveis para o entendimento da pesquisa: a socialização dos jovens no processo de trabalho familiar agrícola, as relações de gênero no processo de trabalho familiar e a elaboração dos projetos profissionais desses jovens. Discutem categorias importantes como agricultura familiar, socialização profissional e de gênero e projetos profissionais, que nos ajudam a entender sobre o processo de trabalho dos jovens agricultores familiares. Os resultados permitem concluir que os projetos profissionais dos jovens agricultores familiares derivam da própria posição ocupada por eles no processo de trabalho familiar agrícola, na medida em que essa socialização acontece de forma diferenciada por gênero. É possível concluir que o processo de trabalho ocorre com uma intensa participação dos jovens agricultores familiares, e que a formulação dos projetos profissionais inclina-se para a permanência na agricultura familiar

  • RICARDO FERREIRA DOS SANTOS JUNIOR
  • ENTRE OS CALABOUÇOS DO ÓDIO E O MUNDÃO ALÉM DAS MURALHAS

    Análise crítica da  extensão de penas extrajudiciais e da criminalização à sociabilidades de prisioneiros como forma de genocídio do povo negro

  • Data: 13/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo está centrado sobre a necessidade de se analisar a partir dos métodos e teorias próprias ao pensamento anticolonial procedimentos criminalizantes tolerados e-ou empreendidos pelo Estado  brasileiro que se estendem à comunidades, bairros e segmentos sociais criminalizados, constituídos majoritariamente por gente negra favelizada. Analisamos a partir da fala de familiares e amigas de prisioneiros casos emblemáticos em qual verificamos procedimentos formais e extra formais empreendidos e-ou tolerados pelo estado que criminalizam não apenas indivíduos - como reza os princípios penais - mas estendem  extra-legalmente a pena, quando não criminalizam a sociabilidade que acompanha o prisioneiro durante a execução da pena de prisão, sobretudo seus amigos e-ou familiares. Inferimos à princípio que penas extralegais,  assim como o processo de criminalização  que recai sobre prisioneiros se estendem também a tudo e todos que estão circunscritos no âmbito de suas relações sociais criminalizadas, sobretudo àquelas engendradas na defesa dos  interesses e direitos que lhes são próprios, evidenciando exemplos  emblemáticos de necropoliticas empreendidas e-ou toleradas pelo Estado brasileiro que resultam em formas diretas e dolosas de genocídio do Povo Negro.

     

  • VANHISE DA SILVA RIBEIRO
  • TESSITURAS DA FÉ: SACRALIDADE E ESTETIZAÇÃO DO VESTUÁRIO NAS FESTIVIDADES À BOA MORTE

  • Orientador : WILSON ROGERIO PENTEADO JUNIOR
  • Data: 27/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo consiste na percepção de aspectos relacionados ao vestuário que paramenta, significa e expressa a vida cultural da Irmandade da Boa Morte de Cachoeira-Ba. Para tanto, desenvolve-se um estudo antropológico no sentido de compreender os comportamentos, códigos e símbolos processados, apreendidos e (re)significados pelo vestuário dessa confraria religiosa, que há quase dois séculos promove, anualmente, uma das mais expressivas manifestações culturais do Recôncavo Baiano, a Festa da Boa Morte. Mulheres negras de idade avançada, as irmãs da Boa Morte possuem dupla pertença religiosa: todas as irmãs são devotas de Nossa Senhora, mas também fiéis aos orixás do candomblé, atributos que fazem parte de seus referenciais identitários e dos seus modos de vida, absorvidos e incorporados ao vestuário da irmandade. Diante do exposto, a questão central dessa pesquisa consiste em analisar o vestuário utilizado pelas irmãs no contexto da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, em Cachoeira-Ba, considerando suas dinâmicas de construção de sentidos. A domesticação e sensibilização do olhar, a importância do saber ouvir e a preocupação com o escrever nesta etnografia visaram a uma aproximação profícua com a realidade que se pretendeu estudar e compreender. Ao longo da pesquisa evidenciou-se, em termos qualitativos, a importância que o vestuário ocupa na manutenção e na dinâmica da existência dessa Irmandade, em que indícios e fragmentos históricos são colocados como parte importante de um diálogo mais fértil envolvendo cultura, vestimenta e modos de vida.

  • LUISA MESQUITA DAMASCENO
  • Linhas, tramas e caminhos: seguindo os movimentos de um candomblé do Recôncavo da Bahia

  • Orientador : XAVIER GILLES VATIN
  • Data: 27/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta etnografia é consequência do encontro que tive com o terreiro de Mãe Dionísia, o Oiá Mucumbi, localizado na cidade de Cachoeira, recôncavo da Bahia. A dissertação percorre, sobretudo, as linhas de movimento nas quais são tecidas os laços entre as pessoas e as entidades que habitam a cidade e o terreiro – orixás, caboclos, erês, exus, eguns e santos católicos. Utilizando descrições do cotidiano do terreiro bem como narrativas de vida de adeptos, logro pôr em relevo práticas e relações através das quais esse processo se desenrola. O objetivo central dessa dissertação é mostrar como os seres do mundo do candomblé são o encontro de suas linhas. Linhas, aqui, ganham mais de um sentido: podem ser entendidas como percursos, como o rastro de um movimento, quanto podem ser as diferentes intensidades de forças, os distintos modos de fazer e de trabalhar das entidades. No Oiá Mucumbi, as entidades sagradas trabalham em mais de uma linha: na linha do azeite (keto e angola), na linha branca, na linha de caboclo e na linha católica. As linhas atravessam e constituem os seres e os territórios que compõem o terreiro. Penso que esta dissertação contribui, em especial, para essa reflexão particular.

2016
Descrição
  • FLAVIA DE ALENCAR PALHA CERQUEIRA LOPES
  • GRAFANDO A TRAJETÓRIA RECENTE DOS FEMINISMOS EM MOÇAMBIQUE (2014-2016)

  • Orientador : OSMUNDO SANTOS DE ARAUJO PINHO
  • Data: 09/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O tema central deste trabalho é o debate acerca da luta de feministas moçambicanas rumo à conscientização da população de Moçambique no que diz respeito à necessidade da efetivação da equidade de gênero. Por meio de seus relatos, colhidos mediante entrevistas em ambiente virtual, apresento a atuação de nove mulheres ativistas, suas visões acerca do feminismo e do que é ser feminista em Moçambique, além do modo como elas o constroem feminismos enquanto ferramenta para suas lutas. Analisamos brevemente aspectos acerca do feminismo moçambicano e africano. Um dos resultados desde trabalho consiste na contextualização do painel de anseios e questões trazidas por essas feministas moçambicanas, suas pautas mais emergenciais entre os anos de 2014 e 2016.

  • MARIO CESAR ROCHA DAMASIO
  • CARACTERIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO FAMILIAR AGRÍCOLA NO TERRITÓRIO DE IRECÊ – BA

  • Data: 16/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Essa pesquisa social empírica discorre sobre os processos sociais dos agricultores familiares
    no contexto do Semiárido baiano, a partir da caracterização do processo de trabalho familiar
    agrícola no Território de Irecê. Foi construída a partir da interpretação dos resultados de
    pesquisa de campo desenvolvida junto a 330 agricultores e agricultoras familiares do referido
    território, amostra extraída a partir da quantidade de pessoas ocupadas na agricultura familiar.
    Discute categorias importantes como agricultura familiar, reprodução social e sucessão
    geracional, realiza a caracterização da agricultura familiar a partir de dados secundários das
    estatísticas recentes e do processo de trabalho desenvolvido nas unidades produtivas
    familiares. Para dar conta da problemática utilizou-se uma abordagem predominantemente
    quantitativa, utilizando-se do banco de dados construído a partir de aplicação de questionário
    padronizado para apuração dos dados. Os resultados permitem concluir que o processo de
    trabalho familiar, tal como é definido, ocorre no Território de Irecê com a participação
    prioritária da família, sem relações de assalariamento para os resultados do trabalho, sendo
    que esses resultados são menores para mulheres e jovens. É possível concluir que o processo
    de trabalho familiar ocorre sob baixas condições materiais e que as famílias do campo
    necessitam de investimentos para melhoria da qualidade de vida.

  • ROSENI SANTANA CALAZANS
  • POR QUE A PESCADORA É MARISQUEIRA? IDENTIDADE DE GÊNERO NO QUILOMBO DE SÃO BRAZ – SANTO AMARO/BAHIA

  • Orientador : ANGELA LUCIA SILVA FIGUEIREDO
  • Data: 08/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • O ano de 2009 marca a eminência da organização da comunidade de São Braz no município de Santo Amaro, Recôncavo da Bahia em busca do título como verdadeiros proprietários de seu território. Os sinais eleitos pelos moradores para caracterizar sua pertença étnica quilombola foram os processos de trabalho da pesca e da mariscagem e as territorialidades constituídas por serem as principais atividades de subsistência do coletivo. Tais sinais são evocados como forma de demonstrar aos órgãos governamentais e a sociedade as fronteiras de diferenciação existente entre eles e outros. O principal objetivo deste estudo é identificar a partir de uma perspectiva interseccional de gênero, raça e etnicidade as representações, hierarquias e agência de gênero acionadas, transmitidas e reforçadas no processo de trabalho. Nota-se que as representações dos moradores separam as atividades em “leves” e “pesadas”, sendo as primeiras atribuídas às mulheres, enquanto estas últimas são de atribuição masculina. No entanto o que se percebe é que na prática o quesito força não determina as tarefas exercidas entre homens e mulheres, pois na relação cotidiana surgem casos emblemáticos de mulheres que desafiam os papeis tradicionais e ultrapassam estas fronteiras mantendo uma agência na área da pesca. Todavia, no que tange as identidades de pescadores e marisqueiras estas mulheres que realizam a pesca são denominadas marisqueiras, enquanto os homens são os pescadores, independente da atividade que exerçam. Os dados foram trabalhados a partir da metodologia etnográfica com técnicas de observação participante e entrevistas em profundidade onde se conclui que a configuração das identidades de pescador e marisqueira não diz respeito as habilidades e sim as agências estabelecidas a partir da socialização de gênero que ocorrem de formas diferenciadas entre homens e mulheres na comunidade de São Braz.

  • EZEQUIAS AMORIM OLIVEIRA
  • VITIMIZAÇÃO E RAÇA EM FEIRA DE SANTANA - BA

  • Data: 06/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação tem por finalidade estudar as relações entre raça, violência e vitimização e como através dessa relação se expressa o genocídio antinegro na sociedade brasileira, especificamente, em Feira de Santana-BA, a partir da análise do banco de dados oriundos da Pesquisa de Vitimização realizada pelo Grupo de Pesquisa em Conflitos e Segurança Social - GPECS/UFRB, no município em tela. O exame dos Mapas da Violência, do Instituto Sangari, nos permite perceber um crescimento vertiginoso das taxas de homicídio que atinge o país nos últimos 30 anos, caracterizando um verdadeiro genocídio do povo negro nesse país, a saber: em 2002, morreram proporcionalmente 45,8% mais negros do que brancos no país. Em 2006, esse índice pula para 82,7%, e em 2010, morreram proporcionalmente 109% mais negros. Dessa maneira, pergunta-se qual a proporção em que negros e brancos são vitimizados levando em consideração outras modalidades de violência que não o homicídio e como essa vitimização se configura numa faceta do genocídio do povo negro? A partir do referido banco de dados examina-se com mais acuidade os focos de violência, os perfis das vítimas e seus respectivos contextos sociais, buscando demonstrar as diferenças nos índices de vitimização entre negros e brancos em Feira de Santana, Ba. A pesquisa de vitimização foi realizada entre os meses de abril e junho de 2012 e consistiu na aplicação de 600 questionários por amostragem domiciliar definida com um erro amostral de 4% com um intervalo de confiança de 95%. O público-alvo foram os moradores da área urbana com 15 anos de idade ou mais. Norteado pelos princípios e métodos quantitativos, o survey aplicado permite conhecer além dos índices de vitimados da cidade, as características físicas, organizacionais e sociais que potencializam a vitimização ou não de uma região.

  • PAULO TARSO MASCARENHAS PEREIRA
  • POLÍCIA COMUNITÁRIA: A SEGURANÇA QUE QUEREMOS?
    UM ESTUDO DE CASO DA BASE COMUNITÁRIA DE SEGURANÇA DA RUA NOVA EM FEIRA DE SANTANA – BAHIA

  • Orientador : HERBERT TOLEDO MARTINS
  • Data: 06/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo é uma análise da inserção da Base Comunitária de Segurança no espaço urbano do bairro Rua Nova, situado em Feira de Santana, Bahia. A BCS é fruto do programa Pacto Pela Vida, que segue o modelo das Unidades de Polícia Pacificadora do Rio de Janeiro, associada com o sistema de policiamento Koban, importado do Japão. O objetivo da pesquisa é analisar o processo de implantação da referida BCS no município, ao relacionar os desafios e as perspectivas do policiamento comunitário na superação do paradigma do autoritarismo da Polícia Militar. A estratégia metodológica utilizada para melhor compreensão do objeto foi analisar os participantes do processo por quatro pontos de vista: o primeiro do gestor, o segundo dos policiais que atuam diretamente na localidade, o terceiro dos parceiros institucionais e o quarto dos moradores. Constatamos ao longo do estudo um paradoxo. Apesar da redução nos índices de criminalidade e melhora da sensação de segurança para população local, não existe efetivação do policiamento comunitário como o novo ethos da Polícia Militar, comprovando assim, que estamos longe de alcançar uma polícia adequada aos moldes da democracia.

  • MARIA DAS CANDEIAS DOS SANTOS
  • MEMÓRIAS COMPARTILHADAS: UMA ETNOGRAFIA SOBRE A TRAJETÓRIA DO IDOSO E O PAPEL DA MEMÓRIA NA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ÉTNICAS NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DE SÃO BRAZ E CAMBUTA, EM SANTO AMARO- BA

  • Orientador : SUZANA MOURA MAIA
  • Data: 24/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho apresento a trajetória do idoso e o papel da memória na construção de identidades étnicas nas comunidades quilombolas de São Braz e Cambuta, localizadas em Santo Amaro-Ba. As respectivas comunidades fazem parte de uma articulação de comunidades pesqueiras quilombolas do Recôncavo que tem se organizado num processo político comum, em resposta a pressões de latifundiários, de especuladores imobiliários e até mesmo do poder público que tentam impor novas formas de controle aos grupos étnicos e aos territórios por eles ocupados. Com base no entendimento teórico de que este processo de reconhecimento político jurídico na contemporaneidade exige que os grupos mantenham suas trajetórias históricas específicas, esta pesquisa teve o intuito de entender como as pessoas idosas das respectivas comunidades, ao narrarem suas trajetórias de vida, acionam elementos que são importantes e preponderantes para a constituição identitária do grupo. Objetivou-se mais especificamente demostrar como, nos contextos quilombolas, as pessoas idosas são valorizadas, não só pela memória que compartilham com o grupo, mas também pela sua vivência no local. Para tanto, utilizei em combinação com o método etnográfico, a técnica da história de vida.

  • ELANE CONCEICAO ANIAS
  • GÊNERO, RAÇA E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA: TRAJETÓRIA DE MULHERES NEGRAS NO CAMPO POLÍTICO DO RECÔNCAVO DA BAHIA (2012 – 2016)

  • Orientador : ANA PAULA COMIN DE CARVALHO
  • Data: 19/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação, que apresenta a pesquisa “Gênero, Raça e Participação Política: Trajetória de mulheres negras no campo político do Recôncavo da Bahia (2012 – 2016)”, tem como objetivo compreender como se constrói a participação das mulheres negras dentro de uma política marcada pelo tradicionalismo e dos entraves culturais que caracterizam as dificuldades de acesso destas mulheres às instâncias de representação. Assim, através desta pesquisa buscamos mostrar especificidades da opressão, resultantes da intersecção de raça e gênero, e como os demais marcadores sociais de desigualdade interagem e geram diferentes formas de entraves para a presença de mulheres negras na arena política. Nossa abordagem, a partir da trajetória de vida, buscou revelar as formas de acesso e como os processos sociais operam sobre as escolhas dessas mulheres de maneira que as análises foram centradas nos significados de suas trajetórias. Nessa perspectiva, o estudo aponta para a importância pela representatividade das mulheres negras nos cargos políticos e eleitorais.

  • TAIS AMBROSI OLIVEIRA
  • CONSELHO TUTELAR E POLÍTICAS PÚBLICAS:
    UMA ANÁLISE DAS REINCIDÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO
    ALMEIDA-BA

  • Orientador : MAURICIO FERREIRA DA SILVA
  • Data: 05/01/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação de mestrado aborda o direito da criança e do adolescente, tendo como foco de análise principal a efetividade do Conselho Tutelar de Conceição do Almeida – BA, enquanto política pública, através das famílias atendidas e que apresentam reincidência na violação de direitos após a aplicação de medidas de proteção pelo referido órgão. Inicia-se com um breve resgate da história, das leis e políticas públicas voltadas para a infância e adolescência no Brasil até a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente; prossegue com a investigação da criação do Conselho Tutelar e com a observação dos dados quantitativos referentes aos atendimentos realizados pelo órgão no município pesquisado entre os anos de 2008 a 2012, com uma breve descrição dos tipos de violação mais frequentes no município; posteriormente, com a constatação que algumas famílias reincidiam após a atuação do Conselho Tutelar analisaremos a atuação do órgão através da tabulação de questionários aplicados a quarenta famílias. A partir desse estudo, constatamos que a reincidência em violações de direitos contra crianças e adolescentes não ocorre em um único plano: a família. O Estado, por sua vez, não garante o mínimo que possibilite atender às necessidades básicas dos cidadãos, que também não tem garantidos os direitos de cidadania. Nesse cenário, se insere o Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente, como um órgão autônomo, criado pela sociedade para zelar pelos direitos infanto-juvenis, todas as vezes, que estes direitos estiverem sendo ameaçados ou violados. Todavia, observa-se um número significativo de crianças e adolescentes revitimizados. Dessa forma, neste estudo propomos a realização de uma análise da efetividade do Conselho Tutelar enquanto política pública de proteção à criança e ao adolescente. Neste estudo não oferecemos respostas prontas para o problema da reincidência no município pesquisado, destarte contribuímos com indicadores, para a ação política do Conselho Tutelar, que facilitem a compreensão da problemática da reincidência.

2015
Descrição
  • JULIANY MENDES MOTA
  • DESENVOLVIMENTO RURAL NA BAHIA: ANÁLISE DA CONTRIBUIÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR NO TERRITÓRIO DE IRECÊ

  • Data: 18/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo geral desta pesquisa é analisar as políticas públicas PRONAF, PAA, PNAE,
    PNATER e P1+2 e de que forma estas contribuem para o fortalecimento da agricultura
    familiar, tendo como indicadores a produção, segurança alimentar e nutricional, acesso a
    mercados, renda e sucessão geracional. Foi desenvolvida junto a 330 agricultores e
    agricultoras familiares do Território de Irecê-BA, amostra extraída a partir da quantidade de
    pessoas ocupadas na agricultura familiar. Discute a importância da agricultura familiar na
    promoção do desenvolvimento rural, realiza a caracterização das suas unidades produtivas
    familiares e traça um apanhado da execução dessas políticas no referido território. Para dar
    conta da problemática utilizou-se uma abordagem mista, qualitativa e quantitativa, com
    várias técnicas de investigação, como o questionário padronizado e fichas sintéticas para
    apuração dos dados, que foram apurados a partir de estatística descritiva e formulação de
    índice. Os resultados permitem concluir que as cinco políticas contribuem de forma setorial
    para melhorias na vida dos agricultores, a partir do conjunto de indicadores propostos e suas
    variáveis, sendo que das cinco políticas o PNAE apresentou o melhor resultado, porém com
    um grau de contribuição razoável. O índice geral apurado permite concluir que as políticas
    contribuem e que seus resultados são importantes para cada um dos indicadores, mas essa
    contribuição ainda é insatisfatória para o fortalecimento da agricultura familiar,
    necessitando, portanto, de reflexão mais apurada sobre efetividade e impactos da sua
    implementação no Território.

  • DIVANICE DA PAIXÃO FERREIRA
  • CAPITAL SOCIAL E FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR: as contribuições das práticas associativas em Feira de Santana - Bahia.

  • Orientador : NILSON WEISHEIMER
  • Data: 17/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve por objetivo investigar a correlação entre a formação de capital social e a amplitude das ações em associações rurais no contexto dos agricultores familiares no município de Feira de Santana, Bahia. Diante disso, o conceito capital social, enquanto concepção teórico-conceitual tem tomado lugar de destaque nas discussões sobre a promoção do dinamismo social e políticos de determinados espaços, responsabilizando-se por responder indagações que permitam compreender as articulações associativas e o empreendedorismo civil das comunidades no campo, sobretudo, no universo da agricultura familiar. Para tanto, o trabalho aqui explicitado fez um levantamento dos principais conceitos, explorando as contribuições que a operacionalização do termo agrega aos estudos sobre a representatividade, por meio do estímulo à participação e na ampliação e eficácia das relações entre Estado e sociedade civil. Atrelado a isso, a pesquisa empírica evidenciou as experiências associativas em comunidades da zona rural do município com o intuito de analisar a abrangência de suas ações, utilizando assim, indicadores de capital social que captem a sua dimensão associativa. Com esse estudo evidenciou-se que na realidade observada, se faz de fundamental importância as articulações sociais na construção do espaço e o fomento ao desenvolvimento em toda sua complexidade.

  • EMANUEL SILVA ANDRADE
  • IMPASSES E ESTRATÉGIAS DE REPRODUÇÃO SOCIAL DO TRABALHO AGRÍCOLA NA COMUNIDADE DE SANTO ANTONIO DE ALDEIA, EM MARAGOGIPE-BAHIA

  • Orientador : ANA PAULA COMIN DE CARVALHO
  • Data: 16/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como tema a agricultura familiar e o seu processo de reprodução social. O enfoque é problematizado a partir das mudanças socioeconômicas ocorridas no trabalho familiar agrícola que viabilizam a sua reprodução. O interesse central da análise foi identificar as mudanças no processo de trabalho familiar agrícola para compreender os impasses e as estratégias adotadas pelos agricultores para superar as dificuldades e seguirem se reproduzindo. Tivemos como hipótese que o tamanho reduzido das propriedades e a falta de políticas efetivas de apoio à agricultura familiar dificultam a reprodução social desses trabalhadores, sendo a reconversão produtiva e a pluriatividade as alternativas encontradas para permanecerem no campo. O universo de pesquisa é composto pela comunidade rural - Santo Antonio de Aldeia - localizada no município de Maragogipe - Bahia. Na investigação, realizamos um estudo de caso tendo como base a análise qualitativa para explorar o sentido das informações construídas durante o trabalho de campo. Para tanto, fizemos entrevistas abertas individuais com quatorze agricultores. Os dados mostraram que esses agricultores encontram inúmeras dificuldades para manter sua propriedade viável, que vão desde a falta de terras para plantar até a desvalorização dos produtos no mercado local e regional frente às alternativas produzidas em escala industrial. Diante disso, mudaram o foco da produção para cultivos mais rentáveis, desenvolvem atividades não agrícolas para complementar a renda e outros arranjos estratégicos calcados na família para continuarem reproduzindo as suas atividades agrícolas, e, consequentemente, o seu modo de vida.

  • TAÍS MORAIS PADILHA BATISTA
  • ENCONTROS E DESENCONTROS DO TURISMO ÉTNICO. UM ESTUDO DE CASO EM CACHOEIRA-BA

  • Orientador : MARIA SALETE DE SOUZA NERY
  • Data: 26/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação de Mestrado trata do Turismo como fenômeno social, inserido em contextos globais. A gênese do turismo como atividade organizada por agentes tem seu marco em meados do século XIX com Thomas Cook na Inglaterra. Dessa ação inicial muito se evolui até chegarmos aos dias atuais. Diversos foram os avanços tecnológicos e as transformações sociais para que o turismo se tornasse no que alguns gostam de chamar de „indústria‟. E desde então ele tem sido tema discutido e debatido por diversas áreas do conhecimento. Esse turismo de massa foi bastante criticado por gerar impactos de ordem diversas nas comunidades receptoras e como resposta a essas críticas surgem novas propostas de fomento sustentável que promovam também inclusão social e preservação do patrimônio histórico e cultural. Um segmento que parece crescer e se desenvolver em consonância com tais paradigmas é o Turismo Étnico/Raízes, que vem se fortalecendo a partir de diretrizes turísticas nacionais e estaduais brasileiras, que buscam a promoção da inclusão e reparação social dos grupos marginalizados e invisibilizados. Tal segmento vem se tornando atrativo aos agentes públicos de turismo em função de uma demanda internacional de afro americanos que interessados na busca por suas raízes perdidas com a ancestralidade africana, procuram por lugares onde a África esteja sendo reconstruída. Neste sentido, o trabalho aqui exposto busca a investigação da aplicação dessa nova filosofia dentro de um quadro em que a etnicidade vem se tornando um recurso econômico e social e suscitando novas formas de vivenciar o sentimento étnico, mas que também pode gerar novas invisibilidades de grupos que não se percebam dentro do escopo hermético em que a etnicidade vem sendo delimitada pelas políticas públicas de turismo do estado baiano.

  • FRED IGOR SANTIAGO FERREIRA
  • " Sou Sem Terra, Sou Negão: Raça, Racismo e Política Racial no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

  • Data: 06/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • A investigação em curso pretende traçar uma etnografia organizacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, que intercale dois níveis complementares de analise; 1- uma incursão etnográfica sobre significados e sentidos de raça e racismo, em sujeitos sociais de um assentamento rural vinculado a estrutura organizacional do MST, 2 investigar como historicamente tem se dado o processo de o aspecto organizacional da incorporação do pauta racial na esquerda branca marxista e do reflexo político desse debate no Brasil, sobretudo, no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, apontando em que medida características. Para tal empreendimento, adoto do ponto de vista metodológico e, também político uma perspectiva antropológica militante ( PIERRE,2008) advinda da tradição de estudos da diáspora negra de Austin-Texas/EUA (GORDON, 1997; VARGAS, 2008-2010-2012; PIERRE, 2008; AMPARO, 2011).

2014
Descrição
  • LUMARA CRISTINA MARTINS SANTOS
  • “IJEXÁ NAS RUAS:
    um estudo sobre o circuito de Festividades para Oxum em Sergipe.”

  • Orientador : ANTONIO LIBERAC CARDOSO SIMOES PIRES
  • Data: 15/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como foco analisar, a partir da etnografia da Lavagem de Nossa
    Senhora da Conceição em Aracaju e em Riachuelo, ambas, cidades localizadas no
    estado de Sergipe, a formação de um Circuito de Festividades para Oxum no Estado. E
    com isso, perceber as articulações em ascensão do debate de identidade,
    consequentemente, identidade afro-religiosa. Essas manifestações culturais, de caráter
    híbrido, combinam práticas e símbolos das religiões afro-brasileiras e do catolicismo,
    insurgindo através da noção de promessa, caracterizada pelo sincretismo afro-católico
    em que a Imaculada Conceição é correlacionada ao orixá Oxum. Nesse sentido, as
    festas em análise contêm aspectos em que a construção destas e a apropriação dos
    espaços públicos se dão via produção, reprodução e transformações do evento festivo.
    Essa busca pela legitimidade pode incluir ou excluir os detentores ou não de um capital
    religioso, firmando uma identidade local, uma identidade afro-sergipana, que emerge
    nas relações imersas neste universo.

2011
Descrição
  • LUANA VERENA NASCIMENTO MACHADO
  • PODER FEMININO E IDENTIDADE NA IRMANDADE DA BOA MORTE

  • Orientador : ANGELA LUCIA SILVA FIGUEIREDO
  • Data: 13/08/2011
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho aborda o poder feminino que as irmãs da Irmandade da Boa Morte de Cachoeira estabelecem nesta instituição e para além dela, bem como estas mulheres negras constituem suas identidades religiosas. As irmandades religiosas na Bahia do século XIX funcionavam como espaços de solidariedade para negras e negros, marcados pelo sofrimento da escravidão e a Irmandade da Boa Morte da Barroquinha é o resultado do empreendedorismo de negras, que compartilhavam das torturas do regime escravista e almejavam uma morte digna para si e para os que viviam na mesma condição.As irmãs da boa morte entrevistadas com sua independência e autonomia conseguem deter o poder dentro e fora dos limites da irmandade.As irmãs ao professarem duas religiões,católica e candomblé, estabelecem fronteiras, mas estas são flexibilizadas,quando elementos do candomblé se encontram nos rituais católicos e isto ocorre no momento que as irmãs celebram a morte, demonstrando assim como se dá a dinâmica do hibridismo na realidade da Irmandade da Boa Morte.A invenção de uma tradição se tornou um meio para as irmãs legitimarem sua posição no seio religioso e dar continuidade a instituição.

SIGAA | Coordenadoria de Tecnologia da Informação - - | Copyright © 2006-2020 - UFRB - app2.intranet.ufrb.edu.br.srv2inst1