Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRB

2020
Descrição
  • LAIARA FERNANDES ROCHA
  • PARÂMETROS REPRODUTIVOS DE CORDEIROS IMUNOCASTRADOS COM VACINA ANTI-GnRH

     

  • Orientador : LARISSA PIRES BARBOSA
  • Data: 26/05/2020
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo com esse estudo foi avaliar o efeito do uso da vacina anti-GnRH nos parâmetros reprodutivos de cordeiros. Trinta cordeiros mestiços da raça Santa Inês, inteiros, com idade média de 4,19±0,41 meses foram distribuídos aleatoriamente em três tratamentos (T) com 10 repetições e um cordeiro por unidade experimental: T1 grupo controle, administração de 1mL de solução fisiológica via subcutânea (SC); T2 e T3 administração de 1 e 0,5mL da vacina anti-GnRH via SC, respectivamente. Os animais foram vacinados aos quatro meses de idade e receberam segunda dose 30 dias após a primeira vacinação. Para imunização, foi utilizada a vacina comercial Bopriva® na qual cada mL de vacina fornece 400µg do conjugado de GnRH e proteína carreadora. Foram mensurados na primeira (D0) e segunda vacinação (D30), e 30 dias após a segunda vacinação (D60): peso corporal, escore da condição corporal, parâmetros de biometria testicular, parâmetros físicos e morfológicos seminais e concentração plasmática de testosterona. Metade dos animais de cada tratamento foi abatido aos 90 (D90) e 120 dias (D120) após a primeira dose da vacina. Os testículos foram coletados, pesados e retirou-se fragmentos para processamento histológico e avaliação dos parâmetros de morfometria testicular. Os dados foram submetidos à avaliação de normalidade pelo teste de Shapiro Willk, para variáveis com distribuição normal foi aplicado ANOVA e o Teste Tukey, para variáveis não paramétricas foi realizado o Teste Kruskal-Wallis a 5% de significância. No D60 obteve-se redução do comprimento, largura e espessura testicular, e consequentemente da circunferência escrotal dos animais imunocastrados independente da dose da vacina utilizada (P<0,05). Além disso, houve redução nos parâmetros físicos seminais em ambas dosagens (P<0,05), com quadro de azoospermia em 80 e 70% dos animais do grupo que recebeu 1mL e 0,5mL da vacina, respectivamente. No D60, os animais imunocastrados também apresentaram aumento dos defeitos espermáticos (P<0,05). Enquanto que houve redução na concentração plasmática de testosterona nos grupos imunocastrados no D60 (P<0,05). Para os parâmetros de morfometria testicular, houve redução no peso testicular, índice gonadossomático, diâmetro do túbulo seminífero, altura do epitélio germinativo, índice Leydigossomático e comprimento total dos túbulos, enquanto que para o comprimento total por grama de testículo houve uma aumento nos grupos imunocastrados (D90 e D120) (P<0,05). Já para os parâmetros da espermatogênese quantificados a partir da morfometria testicular: população celular do epitélio seminífero, rendimento intrínseco da espermatogênese, índices de células de Sertoli, estimativa da produção espermática e de células de Sertoli, foi obtido redução em todos os parâmetros nos grupos imunizados (P<0,05). A imunocastração de cordeiros utilizando a vacina Bopriva® nas doses de 1,0 e 0,5mL foi eficiente em induzir azoospermia em até 80% dos animais, contudo, são necessárias a aplicação de duas doses da vacina intervaladas por 30 dias. Sendo indicada o uso da menor dose (0,5mL) para redução em 50% no custo com a vacina.

  • OLGA CEDRO DE MENEZES
  • ÓLEO DE SOJA NA DIETA DE CABRITOS CONFINADOS

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 19/03/2020
  • Mostrar Resumo
  • A inclusão de lipídios na dieta de ruminantes tem sido utilizada como estratégia para melhorar o perfil de ácidos graxos dos produtos finais, carne e leite, além da utilização como suplemento energético para animais confinados. O óleo de soja permite a suplementação energética, uma alternativa para o ganho de peso de animais confinados, já que o aporte energético será maior que o gasto. Por meio dessa pesquisa, visa-se encontrar o melhor nível de inclusão de óleo de soja na dieta de cabritos confinados. O experimento foi conduzido no setor de caprinocultura, na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, com período experimental de 105 dias. Foram utilizados 32 caprinos machos, castrados, com peso vivo médio de 26kg, distribuídos aleatoriamente em baias individuais. As dietas dos tratamentos tiveram a inclusão de 0, 2, 4 e 6% de óleo de soja na ração dos animais, com proporção volumoso:concentrado de 50:50. A inclusão do óleo de soja afetou (P<0,05) o consumo de matéria seca, matéria orgânica, proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente neutro e carboidratos não fibrosos. Os coeficientes de digestibilidade, a composição química da carne e o perfil dos ácidos graxos da carne não foram alterados com a inclusão de óleo de soja (P>0,005). Desta forma, observou-se que a inclusão de até 6% de óleo de soja pode ser utilizado nas dietas sem alterar significativamente as características produtivas dos caprinos.  

2019
Descrição
  • MAIANA DO NASCIMENTO RHUMAS
  • COBRE EM ALTOS NÍVEIS ASSOCIADOS A DIFERENTES PROGRAMAS NUTRICIONAIS PARA FRANGOS DE CORTE

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 20/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • O experimento será realizado no Setor de Avicultura do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas (CCAAB) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, na cidade de Cruz das Almas, no período de setembro a novembro de 2018. Utilizar-se-á um delineamento experimental inteiramente casualizado (DIC), em esquema fatorial 2x3, consistindo em dois programas nutricionais sendo as Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos descritas por Rostagno et al. (2017) e o manual de suplementação da linhagem Cobb-500 (COBB-VANTRESS, 2015) e três programas de suplementação de cobre: 1- controle: 12 mg de cobre (fonte: CuSO4.5H2O)/kg de ração; 2- 120mg de cobre (CuSO4.5H2O)/kg de ração e 3- 60mg de cobre (hidroxi-2-metio-4-tiobutanóico)/kg de ração, correspondendo a seis tratamentos, com oito repetições constituídas por 25 aves totalizando 1200 fêmeas de um dia da linhagem Cobb-500. Serão avaliadas as características de desempenho, rendimento de carcaça, morfometria intestinal, metabolismo mitocondrial, mineralização óssea e excreção de microminerais na cama. Será utilizado o pacote estatístico SISVAR, segundo Ferreira, (2000) para análise de variância (ANOVA) e para avaliar possíveis diferenças entre as médias usará o teste Tukey adotando nível de confiabilidade de 5%. Espera-se que o uso de suplementação com diferentes programas nutricionais e níveis supranutricionais de cobre promovam melhor desempenho zootécnico e atuem como agente antimicrobiano na ração de frangos de corte. 

  • JULIA FERNANDES
  • Uso de cobre em níveis nutricionais e supranutricionais provenientes de diferentes fontes para frangos de corte tipo "Griller".

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo com o presente estudo foi avaliar o efeito da suplementação de cobre proveniente de duas fontes (sulfato de cobre e cobre-aminoácido) em rações de frangos de corte tipo Griller e os efeitos sobre o desempenho, rendimento de carcaça, teor mineral no fígado e osso, digestibilidade e morfometria intestinal. Foram utilizados 1.440 pintinhos com um dia de idade, fêmeas da linhagem Cobb-500 provenientes de incubatório comercial distribuídas em galpão experimental dividido em 40 boxes, cada box alojadas 36 aves com peso médio variando no máximo 2%. Foi adotado um delineamento inteiramente casualizado com 5 tratamentos e 8 repetições. As fontes para suplementação do cobre: sulfato de cobre (CuSO4.5H2O) (10%) nas dosagens de 10, 100 e 50mg/kg e cobre ligado a aminoácido nas dosagens de 7 e 14mg/kg, utilizou-se a fonte comercial availa Cu, foram distribuídos em T1:cobre nutricional inorgânico (cobre 10 mg/kg ração) –CuSO4.5H2O; T2:cobre nutricional orgânico (7 mg/kg) avalia cu (fonte orgânica); T3:cobre supranutricional (50 mg/kg) CuSO4.5H2O (fonte inorgânica) + (7 mg/kg) avalia cu (fonte orgânica); T4:cobre supranutricional (100 mg/kg) CuSO4.5H2O (fonte inorgânica); T5:cobre (14 mg/kg) avalia cu (fonte orgânica), no periodo de 30 dias de criação. Foram avaliadas características dedesempenho (ganho depeso,consumo deração econversãoalimentar) nasfases de1 a 10,11 a 22 e 23 a 30 e resultados acumulados de1 a 10,1 a 22 e1 a 30 dias e viabilidade aos 30 dias, final do experimento. Aos 24 e 31 dias de experimento foi realizada a eutanásia por deslocamento cervical de uma ave por parcela (8 aves por tratamento), para determinação da morfometria do segmento jejuno do intestino delgado, o peso dos órgãos fígado, pâncreas, intestino. Foram coletadas tíbias e fígado para determinar teor mineral. Foi realizado o ensaio de metabolismo em paralelo ao experimento de desempenho, no período de 10 a 17 dias. Todas as análises de microminerais foram realizadas utilizando espectrofotometria de absorção atômica. Osresultados tabulados e verificados quanto às pressuposições da análise de variância foram submetidos à ANOVA pelo GLM (R ou SAS) e adotou-se o teste de Tukey 5%. O resultado de desempenho para ganho de peso e consumo de ração não apresentaram diferença significativa entre os tratamentos, no período acumulado de 1-30 dias, houve diferença significativa para o parâmetro de conversão alimentar, o tratamento com o nível de cobre supranutricional 100mg/kg (CuSO4), proporcionou melhoria na CA em detrimento aos grupos controles, que por sua vez, foram suplementados com nível nutricional de 10 mg/kg de cobre ofertada pela fonte inorgânica (CuSO4) e 7m/kg de cobre na forma orgânica (Availa- Cu).

  • EVELLIN CAROLINE ARAÚJO DE MATOS
  • AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA OSTRA DO MANGUE CRASSOSTREA RHIZOPHORAE PROVENIENTES DO MUNICÍPIO DE VALENÇA, BAIXO SUL DA BAHIA

  • Orientador : MOACYR SERAFIM JUNIOR
  • Data: 31/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • Avaliação das condições higiênico-sanitárias da ostra do mangue crassostrea rhizophorae provenientes do municipio de valença, baixo sul da bahia.

  • LUIZ HENRIQUE SILVA ALMEIDA
  • Características produtivas de variedades de mandioca submetidas a cortes da parte aérea para alimentação animal

     
  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 27/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • Reuniu-se, na data de 02 de agosto de 2019, a Comissão Examinadora constituída para julgamento da Defesa de Dissertação do discente Luiz Henrique Silva Almeida, conforme os termos dos marcos regulatórios dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e do Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal. Compuseram a Comissão Examinadora: Profa. Dra. Soraya Maria Palma Luz Jaeger (UFRB), Prof. Dr. Marcos Roberto da Silva (UFRB) e Dr. Ademir trindade Ameida. Os trabalhos foram iniciados às 8h da manhã, no Auditório da PPGCI/UFRB, sob a presidência da Profa. Dra. Soraya Maria Palma Luz Jaeger (UFRB). Após a apresentação da Dissertação pelo discente, seguida da discussão e arguição pelos Membros da Comissão Examinadora, a sessão foi suspensa para a deliberação da Comissão em reunião fechada. Posteriormente, a sessão foi reiniciada e a Presidente leu o Parecer da Comissão Examinadora, com Recomendação ao Colegiado de Aprovação do candidato. No caso de Recomendação de Aprovação é necessário que sejam atendidas às sugestões/exigências da Comissão Examinadora, conforme parecer anexo. Foi estabelecido pela Comissão Examinadora que o discente fica obrigado, dentro de um prazo máximo de (  ) 30 (  ) 45 (  ) 60 dias, a apresentar a versão final para avaliação da Comissão e posterior submissão à ratificação de sua recomendação pelo Colegiado do Curso. O não cumprimento desse prazo ou o não cumprimento das exigências condicionantes da Comissão à versão definitiva da Dissertação resultará na não aprovação e homologação da Dissertação, implicando no desligamento automático do discente do Programa, com a perda do direito de receber o Diploma do Curso. A Comissão Examinadora destacou ainda que para a homologação do título de Mestre em Ciência Animal pelo Colegiado do Curso, além de ter a Dissertação ratificada e homologada pelo Colegiado, o discente deve cumprir todas as exigências previstas no Regimento Interno do Programa. Nada mais havendo a tratar, a sessão foi encerrada e lavrou-se a presente Ata, que após lida e aprovada, será assinada pelos Membros da Comissão Examinadora.

  • LAIZA SANTOS PEIXOTO
  • CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS E NUTRICIONAIS DO CAPIM BRAQUIÁRIA E DESEMPENHO DE OVINOS SANTA INÊS EM SISTEMAS SILVIPASTORIS

  • Data: 24/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se avaliar as características produtivas e nutricionais do capim braquiária e o desempenho de ovinos Santa Inês em sistemas silvipastoris com diferentes arranjos arbóreos na pastagem. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado. Os tratamentos principais foram: espécies arbóreas (Gliricidia sepium em sua maioria, Myracrodruon urundeuva, Anadenanthera macrocarpa, Astronium fraxinifolium, Leucaena leucocephala, Ceiba pentandra, Schinus terebinthifolia, Syzygium Cumini, Enterolobium contortisiliquum e Hybiscus pernambucensis) distribuídas em bosque (3x2m), linhas duplas (3x9m), linhas simples (3x12m) e pastagem em monocultivo de Urochloa decumbens (Stapf). Os diferentes arranjos arbóreos não influenciaram as características fotossintéticas e a altura do capim braquiária. Mas influenciou a produção de massa seca de lâmina foliar da gramínea com maiores médias para linhas duplas e simples (2.732,9 kg/ha) e menor no sistema em monocultivo de braquiária (1.479,2 kg/ha). Os arranjos arbóreos dos sistemas silvipastoris e pastagem exclusiva de braquiária não influenciaram os valores de extrato etéreo. Interações entre sistemas e períodos de pastejo foram detectadas para algumas variáveis, e no terceiro período de pastejo, foram observados os maiores valores de fibra em detergente neutro corrigido para cinza e proteína em sistemas arbóreos em bosque e linhas duplas (577,97/kg MS) e menores nos sistemas em monocultivo e em linhas simples (546,40 g/kg MS); e valores médios de 64,26 kg/kg MS de proteína bruta foram encontrados em sistemas em monocultivo de braquiária e integrados com arranjos em bosque e linhas duplas. Os diferentes arranjos arbóreos dos sistemas silvipastoris e a pastagem exclusiva não diferiram quanto aos ganhos de pesos diários e finais e rendimento de carcaça apresentando valores médios de 0,14; 12,78 kg e 43,29 %, respectivamente. Independentemente do tipo de distribuição das espécies arbóreas, a adoção do sistema silvipastoril influenciou na qualidade e produção de forragem de maneira benéfica sem alterar o desempenho animal. E pode ser utilizado em substituição ao sistema tradicional sem haver prejuízos no ganho de peso e rendimento de carcaça de ovinos.

  • JESSICA CERQUEIRA DOS SANTOS
  • Uso de farinha de manga na alimentação do híbrido Citrinellus Labiatus X Vieja Synspilum


  • Orientador : RODRIGO FORTES DA SILVA
  • Data: 30/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com o presente projeto avaliar o efeito sobre o desempenho zootécnico e a intensidade na pigmentação da pele do hibrido Citrinellus labiatus X Vieja synspilon com a utilização de farinha de fruta rica em carotenoides, produzida com mangas descartadas em feiras e mercados. Foram utilizados 60 juvenis de híbrido Citrinellus labiatus X Vieja synspilon com peso inicial 47,67 g ± 7,69 g, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado, com cinco níveis de inclusão de manga (0; 7,5; 15; 22,5 e 30%) e quatro repetições em cada nível, totalizando 20 unidades experimentais, sendo que cada unidade experimental continha três peixes separados em cestos com capacidade de 10 l. Os animais receberam ração a base de níveis de inclusão de farinha de resíduos de manga, contendo farelo de trigo, farinha de soja, farinha de peixes, vitaminas e minerais, que foram formulada segundo as exigências nutricionais para tilápia(FURUYA,2010) . Os animais passaram por um período de adaptação de 15 dias. Os animais foram alimentados três vezes ao dia (08:30; 12:30 e 16:30 h) durante um período de 60 dias. Ao final do período experimental, todos os animais foram submetidos a jejum alimentar por 24 horas, posteriormente anestesiados com eugenol em solução (VIDAL, et al.2008) durante 5 minutos, depois a realização da biometria dos animais, coletas de sangue, análises de coloração e em seguida eutanasiados para retirada de órgãos (fígado, rins, intestino e gônadas), sendo estes pesados, medidos e armazenados em temperatura a -80ºC para análises de atividade enzimática. Foram medidos parâmetros zootécnicos e hematológicos, composição centesimal das carcaças, analisados o teor de carotenoides totais e flavonoides nas carcaças, ração e farinha de manga. Os dados foram analisados pelo PROC GLM SAS e foram submetidos ao teste de regressão e o nível de significância considerado foi de 5%. 

  • THAÍS ALINE DA SILVA DOS SANTOS
  • INFLUÊNCIA DO ALIMENTO-VIVO NO DESEMPENHO ZOOTÉCNICO DE PÓS-LARVAS DE TAMBACU (Colossoma macropomum x Piaractus mesopotamicus)”

  • Orientador : MOACYR SERAFIM JUNIOR
  • Data: 28/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste estudo foi avaliar o desempenho de pós-larvas de 6 tambacu (C. macropomum X P. mesopotamicus) submetidas à alimentação natural e 7 artificial durante a etapa de larvicultura. Parte do projeto foi executada na Estação de 8 Piscicultura Rodolpho Von Ihering, Cachoeira, Bahia, entre os meses de janeiro e 9 maio de 2018. Foram avaliados seis tanques de alvenaria com capacidade de 10 povoamento de 300 pós-larvas por m². Os tanques foram manejados e fertilizados 11 de acordo com os seguintes tratamentos: i) apenas fertilização (TF), ii) fertilização + 12 ração (TFR), e iii) apenas ração (TR), utilizando-se um delineamento inteiramente 13 casualizado, com 2 repetições. Após a preparação dos tratamentos os tanques 14 foram povoados com pós-larvas de sete dias após eclosão. Semanalmente, um total 15 de 20 pós-larvas, foram coletadas de forma aleatória em cada tanque. As pós-larvas 16 foram eutanasiadas em água resfriada e fixadas em álcool 70%. Em laboratório, 17 foram realizadas as biometrias e a análises dos conteúdos estomacais. As amostras 18 do zooplâncton foram obtidas filtrando 35 litros de água por meio de balde graduado 19 e rede de plâncton de 64 micrômetros e levadas ao laboratório para serem 20 análisadas quali-quantitativamente. As variáveis físico-químicas da água e a 21 clorofila-a também foram avaliadas. A partir dos dados biométricos foram calculados 22 o peso médio final, o ganho de peso médio, a taxa de ganho de peso, o 23 comprimento médio final, o crescimento médio e a taxa de crescimento. Os dados 24 de desempenho obtidos foram submetidos à Análise de Variância e ao teste de 25 Tukey, considerando o nível de significância de 5% (p≤ 0,05). Os parâmetros físicos 26 e químicos da água mantiveram-se em níveis toleráveis para o cultivo do peixe em 27 estudo. Os resultados obtidos mostraram que o tratamento TFR proporcionou 28 melhor desempenho zootécnico às pós-larvas de tambacu (p≤0,05), e o tratamento 29 TF registrou o menor desempenho dos peixes. Para os graus de repleção 30 estomacal apenas 5% dos estômagos estavam vazios, ocorrendo entre a primeira e 31 a terceira semana da larvicultura; 8% dos estômagos estavam parcialmente vazios, 32 e também foram encontrados entre a primeira e terceira, bem como na última 33 semana da larvicultura; 7% dos estômagos estavam parcialmente cheios e 81% 34 estavam cheios, e foram registrados em todas as semanas do cultivo das pós-larvas. 35 O tratamento TR apresentou maior percentual de estômagos vazios, principalmente 36 na primeira semana de cultivo. Todos os grupos zooplanctônicos (Rotifera, 37 Cladocera, Copepoda, Ostracoda e Larvas de Diptera) foram consumidos pelas 38 larvas em todos os tratamentos utilizados. As pós-larvas de tambacu alimentaram-se 39 principalmente de juvenis de Copepoda (náuplios e copepoditos). Os resultados 40 desse estudo evidenciam a importância da fertilização da água de cultivo durante as 41 primeiras semanas de vida das pós-larvas de tambacu, onde a combinação entre 42 alimento-vivo e arraçoamento contribuíram positivamente para o desenvolvimento 43 das pós-larvas. No entanto, recomenda-se para as pós-larvas de tambacu, até a 44 segunda semana da larvicultura, a oferta exclusiva do alimento natural a partir da 45 fertilização dos tanques e, a adição de ração à dieta dos peixes no início da terceira 46 semana, visando otimizar o custo financeiro do cultivo

  • DELCIVAN LIMA DOS SANTOS
  • SUPLEMENTAÇÃO DE COBRE EM NÍVEIS SUPRANUTRICIONAIS EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE TIPO GRILLER

  • Data: 27/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O cobre é um micromineral que é utilizado como aditivo melhorador 6 de desempenho na avicultura e em outras atividades agropecuárias. É 7 essencial para manter a saúde e as funções do organismo em homeostase, 8 possuindo participação em boa parte dos processos fisiológicos e metabólicos 9 dos animais. Este experimento teve como objetivo avaliar os efeitos do cobre 10 na dieta, em níveis supranutricionais, nas características de desempenho, 11 metabolismo mitocondrial e biometria de órgãos. Foram utilizados 270 pintos 12 de 1 dia de idade, fêmeas, da linhagem Cobb 500, sendo estas alojadas em 18 13 boxes. A dieta teve como base o milho e a soja, formuladas de acordo com as 14 necessidades nutricionais no que diz respeito a cada fase de criação das aves, 15 de acordo com o que é preconizado. Neste trabalho foi utilizado um 16 delineamento inteiramente casualizado, tendo 3 tratamentos, sendo: T1: Cobre 17 nutricional- 10 mg/kg ração de sulfato de cobre, de origem inorgânica 18 (CuSO4.5H2O), T2: Cobre supranutricional- 100 mg/kg ração, também de 19 origem inorgânica (CuSO4.5H2O) e por fim o T3, onde foi usado 50 mg/kg ração 20 de cobre (Cu(HMTBa)2, sendo de orgem orgânica. O experimento teve 6 21 repetições, e cada repetição possuiu 15 aves. Foi avaliado o consumo de 22 ração, ganho de peso e conversão alimentar, nas fases de 1 a 10 dias, 11 a 21 23 dias e 22 a 31 dias, respectivamente. Também foram avaliados o peso das 24 aves e a biometria do baço, fígado, bursa de Fabricius, intestino, pâncreas e o 25 metabolismo mitocondrial de células hepáticas. A partir das analises dos dados 26 obtidos, foi possível chegar ás seguintes conclusões: Houve diferença 27 significativa (P<0,05) no ganho de peso no período de 1 a 10 dias, utilizando 28 100 e 50 mg/kg de cobre na ração. Não houve diferença signicativa (P>0,05) 29 em relação ao consumo de ração, ganho de peso e na conversão alimentar nas 30 outras fases de criação. Também não houve diferença significativa (P>0,05) no 31 peso das aves, no peso e no tamanho relativo dos órgãos coletados. No 32 metabolismo mitocondrial não houve diferença significativa (P>0,05) entre os 33 tratamentos.

  • CALINE SANTANA DA FRANÇA
  • CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN CAPRINO COM INCLUSÃO DE ÁCIDO DOCOSAHEXAENOICO NO MEIO DILUIDOR

  • Orientador : LARISSA PIRES BARBOSA
  • Data: 26/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O estudo terá como objetivo avaliar o efeito e determinar o melhor nível de inclusão de ácido docosahexaenoico (DHA) no diluidor para criopreservação de sêmen caprino. Será executado no Setor de Caprinocultura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, no período de agosto de 2017 a julho de 2018. Serão utilizados cinco machos sexualmente maduros, os quais serão submetidos à coleta de sêmen pela técnica da vagina artificial, duas vezes por semana, totalizando 10 coletas viáveis por animal. Após avaliação dos aspectos físicos e morfológicos, os ejaculados serão agrupados para formação de um pool, seguido do fracionamento em quatro alíquotas diluídas em meio comercial Optidux® contendo níveis de DHA, sendo: 0; 30; 45 e 60ngmL-1, acrescido de 0,4mmol de alfa-tocoferol. Após diluição com concentração final de 100x106 espermatozoides por dose, o sêmen será envasado em palhetas de 0,25mL e criopreservado em máquina de criopreservação (TK 3000®). Palhetas de cada tratamento serão descongeladas, para a realização das avaliações físicas do sêmen e dos testes complementares para avaliação da: integridade de membrana plasmática, pelo teste hiposmótico (HOST); integridade acrossomal; atividade mitocondrial; análise seminal computadorizada (Computer-assisted semen analysis – CASA) e teste de ligação à oócitos heterólogos. Será utilizado o delineamento inteiramente casualizado e os dados serão avaliados quanto a normalidade pelo teste de Shapiro-Wilk. Para variáveis que apresentarem distribuição normal, os dados serão submetidos à Análise de Variância e Teste de Regressão, e para as variáveis que não apresentarem distribuição normal, os dados serão avaliados pelo teste Kruskal Wallis, adotando nível de significância de 5%. Espera-se determinar o melhor nível entre 0 e 60ngmL-1 de inclusão de DHA no diluidor de sêmen caprino que diminua as crioinjúrias causadas às membranas plasmática e acrossomal pelo processo de congelamento e descongelamento.

  • CARLA MIQUEZ SOUZA
  • “Caracterização do ‘samburá’ de duas espécies de abelhas sociais manejadas no bioma de Mata Atlântica” 

  • Orientador : CARLOS ALFREDO LOPES DE CARVALHO
  • Data: 26/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O pólen tem despertado atenção entre os pesquisadores e os 7 consumidores por possuir características nutricionais e fisiológicas benéficas à 8 saúde humana, o que tem despertado o interesse cada vez maior nas indústrias 9 alimentícias. Por esse motivo, o presente estudo objetivou caracterizar o pólen 10 armazenado (samburá) de Scaptotrigona xanthotricha e Tetragonisca angustula 11 por meio de parâmetros físico-químicos, propriedades bioativas e análises 12 microbiológicas. Foram coletadas um total de 33 amostras de pólen “samburá” 13 das espécies S. xanthotricha e T. angustula, provenientes do mesmo meliponário, 14 no período de outubro/2017 a janeiro/2018. Para avaliação dos parâmetros físico15 químicos, propriedades bioativas e microbiológicos foram analisados: umidade (%), cinzas (%), pH, acidez (meq.kg-1 16 ), atividade de água (Aw), proteínas (%), 17 gorduras totais (%), carboidratos (%), valor energético (Kcal), compostos 18 fenólicos totais (EAG/g), flavonoides totais (EQ/g), quantificação de aeróbios 19 mesófilos e psicotróficos (UFC/g), coliformes totais e Escherichia coli (NPM/g), 20 bolores e leveduras (UFC/g), esporos de Clostridium sulfito redutores (UFC/g), 21 Sthapylococcus coagulase positiva (UFC/g) e Salmonella spp. (presença ou 22 ausência em 25g da amostra). Os resultados parciais indicam que os parâmetros 23 físico-químicos contêm altos níveis de umidade, cinzas, acidez e lipídios. 24 Observa-se que os valores médios para os parâmetros físico-químicos foram 25 maiores no “samburá” de S. xanthotricha quando comparado com o “samburá” de 26 T. angustula, provenientes do mesmo ambiente. Para ambas as espécies houve 27 a presença de compostos fenólicos e flavonoides totais. As análises 28 microbiológicas ainda serão realizadas. Espera-se que o conhecimento neste 29 trabalho permita colaborar para uma possível definição de padrões e de 30 legislação pertinente sobre esse produto das colônias de ambas as espécies de 31 abelhas.

  • TARCISIO MARQUES BARROS
  • PROPAGAÇÃO DE PALMA FORRAGEIRA PELO MÉTODO  DA FRAGMENTAÇÃO DO CLÁDODIO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

  • Data: 21/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho teve como objetivo geral avaliar o efeito do 6 fornecimento da adubação fosfatada e potássica sobre o desempenho da 7 propagação de palma forrageira Opuntia fícus-indica (var. gigante) pela técnica 8 do fragmento do cladódio para a produção de mudas. O experimento foi 9 realizado no setor de forragicultura do Centro de Ciências Agrárias Ambientais 10 e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. O período 11 experimental ocorreu de 24 janeiro a 24 de maio de 2018, totalizando um 12 período de 120 dias. O estudo consistiu da realização de dois experimentos 13 simultâneos, separados em 2 capítulos com as fontes de variação e variáveis 14 respostas sendo as mesmas, diferenciado apenas a adubação (fósforo e 15 potássio). Utilizou-se o delineamento experimental em blocos casualizados, em 16 esquema fatorial 3x3, sendo avaliados os fatores Corte (fragmentação) dos 17 cladódios (4, 6 e 8 fragmentos) e Adubação (sem adubação; dose 18 recomendada; dobro da dose recomendada), no Tempo, considerando-se os 19 seguintes períodos de avaliação: 30; 60; 90; e 120 dias, com 6 repetições 20 (blocos), totalizando 54 parcelas experimentais (canteiros) em cada 21 experimento. O presente estudo indica que o cladódio de palma forrageira 22 fragmentado em 4 partes proporcionou médias com maior expressividade nas 23 variáveis do desenvolvimento inicial quanto na morfometria da planta 24 comparado com os cortes em 6 e 8 partes. Para o fator Adubação, fosfatada e 25 potássica a mesma quando aplicada a dose recomendada apresentou-se um 26 maior número de brotações e diminuição da mortalidade da planta, nas três 27 formas de cortes estudada ao longo do tempo. Para a técnica da fragmentação 28 do cladódio recomenda-se o corte do cladódio em 4 cortes para a produção de 29 mudas, assim como a aplicação da dose recomendada tanto de fósforo quanto 30 de potássio no desenvolvimento inicial da planta no tempo de 120 dias de 31 plantio.

  • DIEGO NOVAIS PINHEIRO
  •  

    SILAGEM DE MUCILAGEM DE SISAL ADITIVADA COM  FARELO DE ALGAROBA

  • Orientador : OSSIVAL LOLATO RIBEIRO
  • Data: 21/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com esse estudo avaliar a silagem de mucilagem de sisal 6 (Agave sisalana) aditivada com farelo de algaroba (Prosopis juliflora). O experimento foi 7 realizado no setor de Forragicultura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. 8 As silagens foram feitas em mini silos experimentais confeccionados em tubos de PVC 9 de 10 cm de diâmetro, 50 cm de comprimento, vedados com tampa adaptada com 10 válvula tipo Bulsen. Foi empregado o delineamento inteiramente casualizado, com 11 quatro tratamentos (0%; 10%; 20% e 30% de adição de farelo de algaroba) e cinco 12 repetições. Posteriormente as análises foram executadas, dentre elas, da composição 13 químico-bromatológica; digestibilidade in situ; determinação das perdas; processo 14 fermentativo e estabilidade aeróbia. Como resultado o farelo de algaroba aumentou os 15 teores de matéria seca das silagens (p<0,0001), de proteína bruta, carboidratos 16 solúveis e digestibilidade da matéria orgânica, além disso reduziu os teores de cinzas, 17 fibra em detergente neutro e lignina. Com relação as perdas do processo fermentativo, 18 à medida que se adicionou o farelo, houve redução nos teores de perdas de matéria 19 seca, perdas por gases e perdas por efluentes. Para perfil fermentativo, o aditivo 20 reduziu o pH, a capacidade tampão e o nitrogênio amoniacal das silagens. Na 21 estabilidade aeróbia, a inclusão do aditivo não melhorou a estabilidade das silagens. 22 De acordo com os resultados obtidos o farelo de algaroba se mostrou um bom aditivo 23 pois melhora a qualidade da silagem de mucilagem de sisal e do processo de 24 ensilagem em diferentes aspectos, no presente estudo o nível de inclusão que obteve 25 os melhores resultados foi de 25% de inclusão do farelo de algaroba.

  • CAMILA TEIXEIRA DE JESUS
  • TIPIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE CAPRINOS NO SEMIÁRIDO EM FUNÇÃO DAS CURVAS ANUAIS DE ENTREGA DE LEITE

  • Data: 06/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com o presente estudo avaliar a curva de entrega do leite caprino na região de Valente-BA e descrever as estratégias de alimentação e planejamento alimentar nesses rebanhos. Foi analisado um banco de dados referente a 68 sistemas de produção leiteira, localizados na região de Valente-BA. Os dados foram submetidos à análise de componentes principais, com classificação hierárquica ascendente. A interface para a análise foi implementada pelo pacote Rcmdr (FOX, 2005), utilizando o pacote FactoMiner. Todas as análises foram feitas em ambiente R 2.15.0. Foram obtidos 4 tipos de curvas de entrega de leite ao decorrer do ano. Em seguida realizou-se a caracterização dos tipos em termos das curvas de entrega de leite relacionadas às estratégias alimentares adotadas em cada tipo. Os tipos demonstraram quão diferentes os SPL se planejam e trabalham estrategicamente com as mesmas ferramentas de trabalho ao decorrer do ano, visando a produção de leite, necessitando assim, uma reavaliação dentro de cada posto de manejo para todos os tipos.

2018
Descrição
  • RAFAEL BITTENCOURT VIEIRA
  • "AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE BIOFLOCOS NO DESEMPENHO ZOOTÉCNICO DE ALEVINOS DE TILÁPIA (Oreochromis niloticus) CULTIVADOS EM DIFERENTES DENSIDADES"

  • Orientador : NORMA SUELY EVANGELISTA BARRETO
  • Data: 31/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • O sistema de bioflocos (BioFlocs Technology system – BFT) oferece a possibilidade de produzir peixe com baixo custo hídrico, pois dispensa as trocas parciais de água (TPA). Nesse sistema, a amônia é assimilada pela ação de microrganismos heterotróficos, diferentemente dos sistemas convencionais de cultivo. Os microrganismos presentes no BFT se aglomeram com outras partículas formando flocos que são mantidos em suspensão por meio de aeradores. A manutenção da biomassa microbiana se dá pelo controle da relação carbono x nitrogênio (C:N) na água. A tilápia por ser o peixe mais cultivado no Brasil e oferecer grande lucratividade por sua rusticidade e crescimento rápido quando comparado a outros peixes cultivados se torna a espécie mais indicada para o experimento, além de que, se alimenta de organismos microscópicos na coluna d’água. Baseado nisso, este trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho zootécnico da tilápia em BFT. O experimento foi estruturado em um DIC, em que o desempenho zootécnico, com foco no ganho de peso dos alevinos de tilápia foi avaliado em sistema de bioflocos sob cinco densidades (200, 400, 600, 800 e 1000 exemplares por m3), com 04 repetições em cada densidade. Também foi mantido um sistema controle em Sistema de Recirculação de Água (SRA) com quatro repetições contendo 62 peixes em cada tanque, totalizando 24 unidades experimentais. Os alevinos de Tilápia foram cedidos pela AQUAVALE com 1,0 + 0,072g e comprimento de 3 + 0,3cm. Para a alimentação dos peixes foi utilizada ração comercial da marca PRIMOR com 35% de proteína. Quanto à fonte de carboidratos foi utilizado o açúcar mascavo. Foram realizadas medições diárias do oxigênio dissolvido (OD), amônia (NH­­3), pH e temperatura. Semanalmente se realizou biometrias de 20% dos peixes de cada tanque e medições de nitrito, alcalinidade. A etapa experimental foi dividida em três partes a saber: A obtenção do inóculo que ocorreu em 62 dias, a repicagem do sistema que durou 87 dias e a etapa final, com a presença dos alevinos, com duração de 64 dias. Ao final foram observados e confrontados estatisticamente os dados de ganho de peso dos indivíduos nas cinco densidades o que retornou uma função linear Y = - 0,0017X2 + 3,724X - 87,77, com r2=0,864 e CV= 14,23%.  Associada aos dados de sobrevivência e demanda de tempo por densidade de cultivo além da variação das medições dos parâmetros físico-químicos da água do cultivo, a densidade de 800 peixes/m3 foi a mais indicada dentre as testadas. Espera-se que o presente trabalho contribua no melhoramento das técnicas de produção de tilápia em BFT.

  • DEISE SOUZA PEIXOTO
  • SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA PARA SUÍNOS NA FASE PRÉ-ABATE

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 05/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com o presente projeto avaliar o efeito da suplementação de creatina em dietas para suínos em terminação (140-150 dias). Foram utilizados 50 suínos machos castrados, híbridos comerciais com peso médio inicial de 85 kg, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado, com 5 tratamentos, 10 repetições e um animal por unidade experimental. Os animais receberam ração comercial, a base de milho, farelo de soja, vitaminas e minerais, está foram formulada para atender as exigências nutricionais dos animais. Os animais passaram por um período de adaptação (ao ambiente) de seis dias. Após o período de adaptação, o grupo controle continuou a receber a dieta comercial (T1). Os demais grupos passaram a receber a dieta comercial suplementada com quatro níveis de creatina (T2 - 15g/dia, T3 - 30g/dia, T4 - 45g/dia e T5 - 60g/dia), durante um período de cinco dias antes o abate. Para cada tratamento, a creatina foi misturada em 0,5kg de ração para cada animal como forma de garantir a ingestão total da creatina. Depois de consumido, os animais receberam o restante da ração comercial. Ao final do período experimental, todos os animais foram submetidos a jejum alimentar por 12 horas, após o qual foram pesados e encaminhados para abate em frigorífico industrial. Foram obtidos os seguintes dados: peso da carcaça quente e resfriada, espessura de toucinho, profundidade de músculo, porcentagem de carne na carcaça e rendimento de carcaça. Também foram realizadas medidas do comprimento da carcaça e área de olho de lombo. Foi coletada uma amostra do músculo Longissimus dorsi de cada animal para posterior análise das características qualitativas da carne (pH, temperatura, perda por gotejamento, perda de água no descongelamento e cocção, cor e maciez objetiva). Os dados foram analisados pelo PROC GLM SAS e foram submetidos ao teste de regressão e o nível de significância considerado foi de 5%. Um efeito quadrático foi observado para ganho de peso médio diário, valores de Hunter L *, temperatura 24 horas após o abate, comprimento da carcaça, espessura de toucinho e profundidade de músculo. Um efeito linear foi observado para perda por descongelamento e área de olho de lombo, as demais variáveis não apresentaram diferença significativa. Estes dados sugerem que a suplementação de 5 dias da CMH antes do abate melhora algumas atributos de qualidade da carne, assim como o aumento no ganho de peso.

  • DEBORA CHARLINE DA SILVA
  • SUPLEMENTAÇÃO DE ALFA-AMILASE EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 31/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Foi realizado um experimento com frangos de corte até 40 dias de idade, objetivando avaliar os efeitos da suplementação de uma alfa-amilase sobre o desempenho rendimento de carcaça, percentual de gordura abdominal, aproveitamento de energia e digestibilidade ileal dos nutrientes. O delineamento foi inteiramente casualizado com 5 tratamentos e 8 repetições de 24 aves cada. Os tratamentos foram: T1–Dieta basal (Controle positivo); T2–Dieta basal com + 80 Kcal EM/kg; T3–Dieta basal com + 160 Kcal EM/kg; T4–Dieta basal com + Amilase (133 g/t);T5–Dieta basal com + Amilase (266 g/t). No período de 1 a 21 dias não observada diferença significativa no GP (ganho de peso (P>0,05), porém, foi observado diferença significativa (P<0,05) para CR (consumo de ração) as aves do tratamento T3 apresentaram menor consumo de ração, foi verificado o maior CR (consumo de ração) (P<0,05) com o uso de 266g/t da alfa-amilase, e melhor CA (conversão alimentar) (P<0,05) com o tratamento T3. De 22 a 39 dias não houve diferença significativas (P>0,05) para nenhuma das variáveis de desempenho. Na fase de 1 a 39 dias não foram observadas diferenças significativas (P>0,05) sobre o CR, porém houve efeito significativo (P<0,05) para GP e CA para tratamento T3. Não houve diferença significativa para rendimento de carcaça, coxa e sobrecoxa (P>0,05), no entanto foi observado o maior rendimento de peito (P>0,05) para T5 e maior percentagem de gordura abdominal (P<0,05) para tratamento T3. O rendimento de carcaça, coxa + sobrecoxa e a biometria dos órgãos não foram influenciados (P>0,05) pelos tratamentos. A suplementação da enzima aumentou (P<0,05) o rendimento de peito das aves.

  • ALICE MARIANA HUPP SACRAMENTO
  • MORFOGÊNESE DO CAPIM-ARUANA SUBMETIDO A ADUBAÇÃO NITROGENADA 

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 31/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho foi conduzido com o intuito de avaliar as características

    6 morfogênicas, estruturais e produtivas do capim-Aruana (Panicum maximum Jacq.

    7 cv. Aruana) em função de doses de adubação nitrogenada e de intervalos entre

    8 cortes. O delineamento experimental utilizado foi de blocos inteiramente

    9 casualizados, sendo diferentes doses de adubação nitrogenada (0, 75, 150 e 225 kg

    ha-110 ) os tratamentos para a avaliação das características morfogênicas e estruturais,

    11 e em esquema de parcelas subdivididas para a avaliação das características

    12 bromatológicas e produtivas do capim-Aruana. Considerando como parcelas as

    doses de adubação nitrogenada (0, 75, 150 e 225 kg ha-113 ), subparcelas os intervalos

    14 entre cortes (21, 35, 49 e 63 dias). O presente estudo permite concluir que o capim-

    15 Aruana colhido na idade de até 63 dias pós rebrota e submetido à adubação

    Nitrogenada nas doses de 150 e 225 kg ha-116 , resultaram em maior rendimento de

    17 matéria seca, sem comprometer a composição bromatológica da gramínea avaliada.

    18 A adubação nitrogenada influencia positivamente a maioria das características

    19 morfogênicas e estruturais de plantas de capim-Aruana.

  • LENNON SANTOS DE OLIVEIRA
  • Uso de lipase e emulsificante em rações de frangos de corte

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 30/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A realização do presente estudo terá como objetivo avaliar a adição de lipase e emulsificante sobre o aproveitamento de energia metabolizável (EM) das rações. Será utilizado um delineamento inteiramente casualizado, com sete tratamentos e sete repetições, totalizando 49 parcelas experimentais. Os tratamentos serão constituídos da seguinte forma: Tratamento 1: Controle Positivo - CP (3000, 3100, 3200 e 3250 Kcal/Kg de EM da  ração, para as fases pré-inicial, inicial, crescimento e abate, respectivamente); Tratamento 2: T1 com redução de 30 Kcal de EM/kg de ração; Tratamento 3: T1 com redução de 60 Kcal de EM/kg; Tratamento 4: T1 com redução de 90 Kcal de EM/kg de ração; Tratamento 5: T4 + inclusão de lipase exógena (100 g/t) durante todo o periodo de criação dos frangos; Tratamento 6: T4 com inclusão de emulsificante (250 g/t) durante o periodo total de criação; Tratamento 7: T4 com a utilização de lipase (100 g/t) e emulsificante (250 g/t) de 1 a 42 dias de idade. Os parâmetros avaliados serão as características de desempenho (ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar e consumo de energia metabolizável), rendimento de carcaça, rendimento de cortes (peito e pernas), peso relativo da gordura abdominal, peso relativo de órgãos (intestino delgado, fígado e pâncreas), comprimento relativo do intestino, morfometria intestinal (altura de vilocidade, largura de vilosidade, profundidade de cripta, relação vilo/cripta e área de absorção) e atividade enzimática do pâncreas. Em pararelo serão realizados ensaios de metabolísmo com aves oriundas do experimento, em dois diferentes periodos de criação (10 a 21 dias e 33 a 42 dias de idade), em que serão utilizadas 6 e 4 aves por gaiola no primeiro e no segundo período, respectivamente. A coleta realizada será do tipo coleta total de excretas, que servirá para análise de digestibilidade da matéria seca e da gordura, para obtenção dos valores de energia metabolizável e coeficiente de digestibilidade das rações. Os dados serão tabulados e submetidos ao teste de normalidade e homogeneidade para posterior análise de variância (ANOVA), utilizando o teste de média Tukey a 5 % de significância.

  • MARIO SERGIO FERNANDES SOARES JUNIOR
  • CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA E QUALIDADE DE CARNE EM CORDEIROS SOB PASTEJO SUPLEMENTADOS COM FARELO DE VAGEM DE ALGAROBA NO CONCENTRADO

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 31/07/2018
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se avaliar as características de carcaça e qualidade de carne de cordeiros Santa Inês mantidos a pasto alimentados com diferentes níveis de inclusão do farelo da vagem de algaroba no concentrado. O experimento foi conduzido no setor de ovinocultura do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, tendo duração total de 84 dias. Foram utilizados 40 cordeiros, machos, não castrados, da raça Santa Inês. Os animais foram distribuídos em delineamento inteiramente casualizado, com 10 repetições por tratamento, mantidos em piquetes de capim massai (Panicum maximum cv. massai). Os suplementos foram compostos por níveis 0, 25, 50 e 75% de inclusão do farelo da vagem de algaroba no concentrado. Foram avaliadas as medidas de carcaça, pesos e seus rendimentos, assim como as características químicas, físicas e composição centesimal da carne. A análise dos dados foi realizada através de analise de regressão.

  • PEDRO HENRIQUE SOARES MAZZA
  • RESÍDUO DA EXTRAÇÃO DA POLPA DE ACEROLA E UMBU NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 31/07/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo caracterizar os resíduos da extração da polpa das frutas acerola e umbu, e determinar o melhor nível de inclusão destes resíduos na mistura concentrada das dietas de ovinos de corte. Serão conduzidos dois experimentos para testar os níveis de inclusão de 0; 8; 16; 24 e 32% à mistura concentrada. Cada experimento foi dividido em 4 etapas: (i) avaliação do processo de secagem dos resíduos; (ii) avaliação do consumo, digestibilidade in vivo e comportamento ingestivo; (iii) avaliação dos parâmetros ruminais; (iv) avaliação da digestibilidade in vitro e produção de gás in vitro das dietas. Para a etapa “i” os resíduos foram desidratados ao sol e foram avaliadas as condições ambientais e a temperatura superficial e interna do resíduo de uma em uma hora para avaliação da curva de desidratação. Na etapa “ii” foram utilizados 25 cordeiros mestiços distribuídos num delineamento inteiramente casualizado (5 tratamentos com 5 repetições) que teve duração total de 21 dias, sendo 14 dias de adaptação dos animais ao ambiente, manejo e dietas e 7 dias de coleta de amostras de sobras, fezes e urina. Já a etapa “iii” foram utilizados 5 ovinos da raça Santa Inês distribuídos em dois quadrados latino 5X5 (5 tratamentos e 5 períodos) e teve duração de 95 dias divididos em 5 períodos. Cada período teve 14 dias de adaptação às dietas e 5 dias de coleta de sobras para avaliação do consumo; no 19º dia de cada período experimental foram coletadas amostras de líquido ruminal antes, 2, 4 e 6 horas após o fornecimento da alimentação para determinação do pH, das concentrações de N-NH3, ácidos graxos voláteis e alterações na população de protozoários. Na última etapa “iv” foram determinadas as digestibilidades in vitro da matéria seca, da fibra em detergente neutro e da matéria orgânica das dietas completas (concentrado e feno) utilizando a técnica do rúmen artificial, também foi determinada a degradabilidade in vitro da matéria seca e a produção de gás das dietas completas por 48h em sistema automatizado.

  • GÊISA ARAÚJO DE OLIVEIRA
  • GENÓTIPOS DE MILHETO IRRIGADOS COM ÁGUA SALINA SOB DIFERENTES NÍVEIS DE GESSO AGRÍCOLA 

  • Orientador : DANIELE REBOUCAS SANTANA LOURES
  • Data: 30/07/2018
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou - se avaliar produtividade, características agronômicas, composição bromatológica e composição mineral de genótipos de milheto forrageiro, submetidos a diferentes níveis de gesso agrícola irrigados com água salina. O estudo foi conduzido no Campo Experimental Caatinga, pertencente à Embrapa Semiárido, em Petrolina – PE, com duração média de 70 dias. Utilizou – se o delineamento experimental em blocos casualizados dispostos em esquema fatorial 3x4, considerando três genótipos de milheto (IPA BULK 1BF, BRS1501 e ADR 300) e quatro níveis de gesso agrícola (0, 2, 4 e 8 t /ha), com três repetições, totalizando 36 parcelas. As variáveis avaliadas foram: altura de plantas , comprimento da folha, largura da folha, diâmetro de colmo, comprimento de panículas , número de folhas , produção de matéria verde, produção de matéria seca  em Kg/ha, e o percentual dos componentes da MS, panícula, lâmina foliar e colmo. Para composição bromatológica foi analisada a matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido , extrato etéreo , cinzas  e digestibilidade in situ da matéria seca. Para composição mineral foram analisados os macronutrientes ( N, P, K, Ca, Mg e S) e micronutrientes ( B, Cu, Fe, Mn, Zn, Na). Aos dados obtidos foi aplicada a análise de variância e teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Para as doses de gesso foi aplicada análise de regressão.

  • CLAUDIVANE DE SÁ TELES OLIVEIRA
  •  

    VARIABILIDADE GENÉTICA EM POPULAÇÕES DE  TAMBAQUI (Colossoma macropomum, CUVIER, 1818)COM USO DE MARCADORES ISSR

  • Orientador : NORMA SUELY EVANGELISTA BARRETO
  • Data: 27/04/2018
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Colossoma macropomum, popularmente conhecida como 5 tambaqui, é um peixe nativo da região Neotropical brasileira que se destaca na 6 aquicultura nacional como maior espécie nativa cultivada. Apesar de toda 7 importância aquícola pouco se tem estudado com relação a redução de variabilidade 8 dos estoques cultivados para essa espécie, e sobre a sua variabilidade em ambiente 9 natural. Para a identificação dessa diversidade genética, algumas técnicas de 10 biologia molecular têm sido utilizadas. A aplicação de marcadores moleculares tipo 11 ISSR tem se destacado como campo de investigação para aquicultura 12 principalmente no que diz respeito a estudos da diversidade genética intra e 13 interespecífica de especies nativas assim como para diferenciação de especies de 14 peixes Neotropicais. Neste trabalho objetivou-se avaliar a diversidade genética 15 diferentes populações nativas e cativas de tambaqui, por meio do marcador ISSR. 16 As amostras foram obtidas a partir de três pisciculturas da região Nordeste e uma 17 população no ambiente natural no estado de Amazonas. Para extração de DNA será 18 utilizado o protocolo fenol-clorofórmio. Vinte e nove marcadores moleculares ISSR 19 foram testados, sendo seis selecionados para este estudo por apresentarem melhor 20 grau de polimorfismo e melhor nitidez dos padrões de bandas. A partir da análise 21 dos loci, foi elaborada a matriz de presença e ausência e com a utilização de 22 programas estatísticos se obteve os parâmetros de diversidade genética dentro e 23 entre as populações, percentagem de bandas polimórficas (PPB), índice de 24 Shannon (I), e diversidade de gene de Nei (H). A Estimativa de diversidade genética, 25 diferenciação populacional (GST) e fluxo gênico (Nm). Com os achados deste 26 trabalho, metodologias me manejo poderão ser sugeridas com a finalidade da 27 melhoria dos planteis cultivados e conservação genética das populações.

  • CRISTIANE SIMPLICIO DA SILVA
  • EFEITOS DA GEOPRÓPOLIS NA ATIVIDADE MICROBIANA RUMINAL

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 27/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se avaliar parâmetros de fermentação ruminal bem como as propriedades antimetanogênicas in vitro da geoprópolis como aditivo natural na alimentação de ruminantes em dietas com diferentes proporções volumoso: concentrado. O experimento foi montado em arranjo fatorial 5x4, sendo utilizadas cincodieta com as diferentes proporções de volumoso:concentrado (30:70; 40:60; 50:50; 60:40 e 70:30) concentrações de geoprópolis (0; 40; 80 e 120 mg) para cada). As dietas foram compostas por feno de capim Tifton, farelo de soja e milho. Foram realizadas análise bromatológica das dietas em questão, a fim de se obter os teores de matéria seca, matéria mineral, extrato etéreo, proteína bruta, fibra em detergente neutro, fibra em detergente ácido e lignima. A avaliação da fermentação ruminal foi realizada pela técnica de produção de gás in vitro. As medições da produção total de gás foram realizadas nos tempos de 0, 2, 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 32, 48, 72 e 96 horas após a incubação in vitro. Foi realizada a mensuração de pH nos tempos: 24, 48 e 96 horas após a incubação. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial (5x4), sendo o primeiro fator relações de volumoso:concentrado e o segundo fator, concentração de geoprópolis, com 8 repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância considerando o modelo mencionado. Para as comparações entre os fatores quantitativos, níveis de geoprópolis, serão realizadas análises de regressão. Para comparação das médias das relações volumoso: concentrado, será utilizado o teste de Tukey a 5% de probabilidade. A análise dos dados será realizada por meio do programa SAS® (9.3) pelo procedimento PROC MIXED.

  • CARIZE DA CRUZ MERCES
  • parasitas e microrganismos patogênicos em apis mellifera L., 1758 (hymenoptera: apidae) no território do recôncavo baiano

  • Data: 22/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • parasitas e microrganismos patogênicos em apis mellifera L., 1758 (hymenoptera: apidae) no território do recôncavo baiano

  • KEILA PATRICIA CARDOSO ROCHA
  • PREVALÊNCIAS DE ANTICORPOS IgG ANTI-Neospora

    19 caninum E ANTI-Toxoplasma gondii EM BUBALINOS DA

    20 MESORREGIÃO SUL BAIANO

  • Orientador : ALEXANDRE MORAES PINHEIRO
  • Data: 19/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Neosporose e toxoplasmose são enfermidades que acometem os

    7 animais domésticos, são doenças caracterizadas por aborto, infertilidade e

    8 diminuição da produção, o que ocasiona grandes prejuízos à pecuária. Devido

    9 à importância da bubalinocultura na mesorregião Sul Baiano, o presente

    10 trabalho tem como objetivo investigar a prevalência de anticorpos IgG dessas

    11 enfermidades em soro de bubalinos nessa localidade. Foram coletadas

    12 amostras de soro em 363 búfalos (Bubalus bubalis), com sexo e idades

    13 variadas. Os soros desses animais foram analisados pela técnica de

    14 Imunofluorescência Indireta (RIFI) para verificação a presença de anticorpos

    15 IgG anti-Neospora caninum e apresentaram uma prevalência de 191 animais

    16 soropositivos. Para a análise da presença de anticorpos IgG anti-Toxoplasma

    17 gondii foi usado à técnica da hemoaglutinação indireta no qual foram

    18 encontrados 53 animais reagente para toxoplasmose. Conclui-se que há uma

    19 elevada prevalência de anticorpos IgG anti-Neospora caninum nas amostras de

    20 soro dos búfalos da mesorregião Sul Baiano, enquanto que a prevalência de

    21 anti-Toxoplasma gondii pode ser considerada baixa em amostras de soro

    22 búfalos nessa região, quando comparado com a prevalência de anticorpos IgG

    23 anti-Neospora caninum.

  • DANILO CARLOS CASTRO DOS SANTOS
  •  

    QUALIDADE DA SILAGEM DE MILHETO (Pennisetum americanum L.) COM ADITIVO QUÍMICO E/OU INOCULANTE

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 09/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO: O milheto (Pennisetum Americanum L.) tem origem africana e se 5 caracteriza por apresentar adaptação a ambientes com diferentes condições 6 climáticas. Em climas quentes e com solos pouco férteis, apresenta bom potencial 7 de produção e boa qualidade nutritiva. Deste modo torna-se uma alternativa para a 8 produção de silagem no Nordeste. A ensilagem é um processo de conservação das 9 forragens, baseado na ação fermentativa de microrganismos que podem contribuir 10 para a preservação da qualidade forrageira. O uso de alguns aditivos químicos e/ou 11 microbianos na silagem podem melhorar o seu padrão fermentativo. Objetiva-se por 12 meio da realização deste projeto analisar o processo e a qualidade da silagem de 13 milheto Pennisetum americanum L. aditivado com uréia e/ou Lactobacillus 14 plantarum. O experimento foi conduzido na Universidade Federal do Recôncavo da 15 Bahia onde foram avaliados quatro níveis de uréia (0%; 1,0%; 2,0% e 4,0 %) com ou 16 sem a presença do inoculante. O delineamento experimental utilizado foi o 17 inteiramente casualizado em esquema fatorial 4x2, totalizando oito tratamentos com 18 cinco repetições cada. O inoculante apresentou pequeno efeito na composição 19 química da silagens (p>0,05) nos valores de pH e nas perdas, ocorreu interação com 20 a ureia apenas análise de FDA, que foram menores para as silagens inoculadas e 21 com maiores níveis de uréias (41,24%). Os níveis crescentes de ureia tiveram efeito 22 crescentes nos valores de pH, no entanto foi eficiente em diminuir as perdas e 23 aumentar a estabilidade aeróbia.

  • MARCIO DE OLIVEIRA RIBEIRO
  •  

    SUBDOSE DE GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA NO ACUPONTO HOU HAI COMO INDUTOR DE OVULAÇÃO EM EQUIDEOS POR MEIO DE ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER

  • Orientador : LARISSA PIRES BARBOSA
  • Data: 30/01/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    O estudo teve como objetivo avaliar a eficiência da utilização de subdose de gonadotrofina coriônica humana (hCG), como indutor de ovulação, no acuponto Hou Hai em éguas e jumentas. Foram utilizadas 26 fêmeas adultas, sendo 15 éguas mestiças e 11 jumentas da raça Pêga, com idade entre 4 e 12 anos. Os animais foram distribuídos em Delineamento Inteiramente Casualizado em quadrado latino. Os tratamentos experimentais (T) foram divididos em T1 (n=26, 15 éguas e 11 jumentas): utilização de 1500UI de hCG (100% da dose) aplicadas por via intravenosa (IV); T2 (n=26, 15 éguas e 11 jumentas): utilização de 450UI de hCG (30% da dose) em falso acuponto (IV), e T3 (n=26, 15 éguas e 11 jumentas) utilização de 450UI de hCG (30% da dose) aplicada no acuponto Hou Hai. Os animais foram monitorados diariamente por ultrassonografia no modo B e Doppler, até que o folículo pré-ovulatório estivesse com diâmetro ≥35mm para as éguas e ≥30mm para jumentas e edema uterino grau 3, quando procedeu-se a aplicação da hCG. Após a aplicação da hCG, os exames ultrassonográficos foram realizados duas vezes ao dia para detectar o tamanho do folículo e momento da ovulação (D0). Em seguida, a formação do CL e sua vascularização foram acompanhadas no D0 e 2,4 e 8 dias após ovulação. No momento da indução, D0, D2, D4 e D8, foram realizadas coletas de sangue pela veia jugular, os tubos foram centrifugados e o soro armazenado microtubos de 2mL e congelados para dosagem da concentração sérica de progesterona. Os parâmetros avaliados foram: diâmetro médio (média entre uma medida horizontal e uma vertical) e vascularização do folículo pré-ovulatório no dia da indução; grau de edema uterino; taxa de ovulação; taxa de ovulação após 48 horas da aplicação do indutor e intervalo entre a indução e a ovulação; diâmetro médio e vascularização do CL nos momentos D0, D2, D4 e D8; concentração plasmática de P4 no momento da indução e nos D0, D2, D4 e D8. Foi utilizado o programa estatístico SPSS 13.0 (2003) para avaliar os dados quanto à normalidade pelo teste de Shapiro-Wilk, seguido de Análise de Variância a 5% de probabilidade e Teste de Tukey. Para os dados não

    paramétricos, foi utilizado o Teste de Kruskal Wallis a 5%. Não houve diferença (P>0,05) para diâmetro médio dos folículos pré-ovulatórios de éguas e jumentas no dia da indução, com média de 38,2±1,3mm e 34,5±1,3mm, respectivamente. Não houve diferença para taxa de ovulação e intervalo entre indução e a ovulação (P>0,05), com média de 91,11% e 43,48±2,48h para as éguas; 96,97% e 58,07±16,82h para as jumentas, sendo que houve diferença (P<0,05) para taxa de ovulação acima de 48h após indução, com taxas de T1=0%; T2=13,33% e T3=33,33% para éguas e de T1=18,18%; T2=36,36% e T3=72,73% para jumentas. Não houve diferença (P>0,05) para área de CL nos D0, D2, D4 e D8 em éguas (25,3±2,3mm; 31,1±0,7mm; 29,0±0,4mm e 25,6±1,3mm, respectivamente) e D0, D2 e D8 em jumentas (23,0±0,6mm; 27,7±1,9mm e 28,2±0,8mm, respectivamente), porém houve diferença (P<0,05) para o diâmetro do CL no D4 em jumentas, com o maior diâmetro para o T3 e menor para T1 (T1=25,8±4,4mm; T2=27,0±4,5mm e T3=30,7±5,1). Os dados de vascularização de folículo pré-ovulatório e CL já foram analisados pelo software Image ProPlus®, mas não foram analisados estatisticamente e as amostras para análise de concentração plasmática de P4 ainda estão em processamento. Até o momento, pode-se concluir que a utilização de subdoses (30%) de hCG é eficaz como indutor de ovulação de equídeos pela farmacupuntura ou IV, formando CL de morfologia normal das espécies. Porém podem apresentar o intervalo de ovulação > 48h nas jumentas.

2017
Descrição
  • RENATA SANTOS FRÓES
  •  

    EFEITO DE ADITIVOS QUÍMICO E MICROBIANO NA SILAGEM DE MUCILAGEM DE SISAL

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 30/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com este estudo avaliar os efeitos da adição de ureia e/ou 5 Lactobacillus plantarum sobre a qualidade da silagem de mucilagem de sisal (Agave 6 sisalana Perrine). A parte inicial do experimento foi realizada no setor de Forragicultura 7 da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, onde procedeu-se a ensilagem. As 8 análises foram realizadas no Laboratório de Análise de Alimentos da UFRB, entre elas, 9 as análises das perdas; avaliação da estabilidade aeróbia; da composição químico-10 bromatológica; além das avaliações do pH, de ácidos orgânicos, de nitrogênio 11 amoniacal e de capacidade tampão (essas três ultimas ainda estão em andamento). As 12 silagens foram confeccionadas em mini silos experimentais, empregando-se o 13 delineamento inteiramente casualisado (DIC) em esquema fatorial 5x2, cinco níveis de 14 ureia: 0%; 0,5%; 1,0%; 2,0% e 4,0 % com base na matéria seca, com e sem a adição 15 de Lactobacillus plantarum, com cinco repetições. As silagens experimentais 16 apresentaram maiores teores de MS, quando comparadas com o material original. Para 17 dados de FDN e FDA, a interação dos aditivos promoveu aumento significativo 18 (P>0,05) nas médias de FDN com doses 1,0 e 2,0% de ureia. Para os dados de 19 hemicelulose, os níveis crescentes de ureia não implicaram em diferença significativa 20 (P>0,05) entre os tratamentos. Com relação as perdas, as gasosas foram as mais 21 expressivas e obteve valor máximo de 48,84%; as PMS variaram de 3,65% a 6,50% e 22 todas as silagens que foram aditivadas, mostraram-se dentro do limite tolerável para 23 perda de efluente. Os aditivos proporcionaram a estabilidade aeróbia em até 231 horas, 24 e a silagem sem aditivo nenhum, permaneceu estável por até 97 horas. Os resultados 25 mostraram-se favoráveis a utilização da ureia e do L.plantarum na mucilagem de sisal.

  • ZILDA AMELIA COSTA DE SOUZA
  • Suplementação de Vitamina D e microminerais em rações de frango de corte com diferentes perfis de balanço eletrolítico. 

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 25/09/2017
  • Mostrar Resumo
  • O experimento foi conduzido objetivando-se   avaliar relações entre programas de balanço eletrolítico associado aos programas de suplementação de vitamina D (vitamina D3 e 25OHD3) e dos microminerais (fontes inorgânicas e orgânicas) sobre o desempenho, umidade da cama e características ósseas e de carcaça em frangos de corte, plasma sanguíneo. Assim, este experimento foi desenvolvido com o objetivo de avaliar o possíveis relações entre os níveis de balanço eletrolítico associado à programas de suplementação adicional de vitamina D como (25OHD3) e dos microminerais cobre, manganês e zinco. Foi adotado um delineamento inteiramente casualizado (DIC), em fatorial 2x2x2 (2 programas de BE e 2 programas de suplementação de vitamina D e 2 programas de microminerais) totalizando 8 tratamentos, com 6 repetições. Para isto foram utilizados 1200 pintos de 01 dia de idade, fêmeas da linhagem Cobb-500 os quais foram alojados em um galpão experimental dividido em 48 boxes, sendo 25 aves por parcela no aviário experimental do Setor de Avicultura (CCAAB-UFRB) dividido em 48 boxes (parcelas) com cama reutilizada, bebedouro pendular e comedouro tubular e campânulas para aquecimento nas primeiras semanas de criação. As aves foram alimentadas com ração à base de milho e soja formulada para atendimento das exigências nutricionais nas diversas fases de criação.  Características de desempenho ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar nas fases de 1-10,1-21,1-35,1-42 e viabilidade no final do experimento, qualidade de cama (matéria seca/umidade e temperatura da cama), níveis de Ca, K, P no plasma sanguíneo, teor de cinzas ósseas, cálcio e fósforo nas tíbias, pododermatite, também foram mensuradas. Os resultados serão submetidos à análise no pacote estatístico SAS, a 5% de significância e utilizar-se-á o teste F e de Tukey para avaliar possíveis diferenças entre os programas de BE e PSVDM.Não houve efeito significativo (p>0.05) entre o balanço eletrolitico, suplementação de vitamina D3 e suplementação micromineral sobre as características de desempenho, carcaça, matéria seca de cama, pododermatite e niveis séricos do plasma sanguíneo.

  • CLAUDIA DE SOUZA SANTOS
  • "RESTOS CULTURAIS DE ABACAXI AMONIZADO NA SUSBSTITUIÇÃO DO VOLUMOSO NA DIETA DE CABRAS LACTANTES"

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 31/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve o intuito de avaliar o potencial
    dos restos culturais de abacaxi amonizado como alimento alternativo na
    alimentação de ruminantes, principalmente no período de estiagem. Esperou-se
    determinar o melhor percentual de substituição do feno de tifton pelo feno dos
    restos culturais de abacaxi amonizado e seus efeitos no desempenho de cabras
    leiteiras, para atender satisfatoriamente as suas exigências nutricionais. Este
    estudo foi dividido em dois subprojetos. O subprojeto 1 teve por objetivo caracterizar
    o valor nutritivo dos restos culturais de abacaxi amonizado com ureia. Os
    restos culturais de abacaxi foram tratados com ureia, em um delineamento
    inteiramente casualizado e arranjo fatorial 5 x 4 cinco doses de uréia (0, 2,
    4, 6 ou 8%) de matéria seca e quatro tempos de abertura
      dos sacos (0, 14, 28 e 42 dias). Foram feitas
    as análises bromatológicas, determinadas a matéria seca, proteína bruta, fibra
    em detergente neutro, fibra em detergente ácido, carboidratos não fibrosos,
    carboidratos totais, nitrogênio indisponível em detergente neutro e nitrogênio
    indisponível em detergente ácido. Após as observações, os resultados das doses
    e dias de abertura foram adotados como objeto de estudo do segundo subprojeto,
    que consistiu em utilizar os restos culturais de abacaxi amonizado como
    volumoso alternativo em substituição ao feno e tifton 85. No subprojeto 2 foram
    utilizadas cinco cabras mestiças de Anglo-Nubianas, em delineamento quadrado
    latino 5x5. Com peso vivo médio de
    40 kg no primeiro terço de lactação. As cabras
    receberam dietas isoprotéicas (contendo em torno de 14% de proteína bruta) na
    proporção volumoso concentrado equivalente a 50:50 (com base na matéria seca).
    Com 5 níveis de substituição de feno de tifton 85 por feno dos restos culturais
    de abacaxi amonizado (0, 20, 40, 60 e 80%).
     
    As cabras foram ordenhadas às 7:30 e às 15:00 horas, seguida por pesagem
    diária do leite.
    No registro do tempo
    despendido em alimentação, ruminação e ócio, adotou-se a observação visual dos
    animais a cada 10 minutos durante 24 horas.
    Foram mensurados, o consumo
    de matéria seca, comportamento ingestivo, produção e composição do leite. Houve
    aumento linear nos teores de PB, os teores de FDN, hemicelulose, CHOT e CNF
    diminuíram, enquanto os teores de FDA, lignina, nitrogênio insolúvel em FDN e
    nitrogênio insolúvel em FDA aumentaram, os
    teores MS, MO, MM, celulose e EE não apresentaram efeito significativo
    P>0,05). Os níveis de inclusão de restos culturais de abacaxi amonizado
    influenciaram o comportamento ingestivo dos animais em todas escalas avaliadas Estes
    resultados podem ter sido ocasionado pelo menor conteúdo de FDN no feno do
    restos culturais de abacaxi amonizado em relação ao feno de tifton, o que
    confirma a influência da composição química da dieta sobre o comportamento
    ingestivo de cabras em lactação, o consumo, a produção e a composição do leite
    de cabras em lactação não foram afetados, com exceção do consumo dos
    carboidratos não fibrosos que apresentou um efeito linear crescente. A
    amonização com uso de uréia promoveu efeito benéfico no conteúdo da fibra no
    teor de nitrogênio total, melhorando o valor nutritivo dos restos culturais de
    abacaxi.

  • GILMARA DA SILVA MIRANDA
  • INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA AMBIENTE NA ENSILAGEM DE FORRAGEIRAS TROPICAIS

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 29/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com esse estudo avaliar os efeitos das temperaturas ambientes de 20°C e 33°C durante o armazenamento das silagens, sobre o perfil fermentativo, perdas de matéria seca e estabilidade aeróbia das silagens de cana-de-açúcar, capim colonião e mandioca. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3x5 correspondendo a duas temperaturas, três forrageiras e cinco período de abertura. O experimento foi conduzido no setor de forragicultura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Foram utilizados silos experimentais confeccionados com canos de PVC, contendo tampas apropriadas para vedação, adaptados com válvula tipo Bulsen. No fundo de cada silo foi colocado 1 kg de areia seca, para possibilitar a quantificação do efluente produzido, foram realizadas também avaliações de perdas de matéria e perdas por gases, foram determinados os teores de nitrogênio amoniacal e ácidos orgânicos. Durante a avaliação do perfil fermentativo foram realizadas aberturas nos períodos 1, 7, 14, 21 e 40 dias após o fechamento dos silos. As análises bromatológicas foram realizadas para a determinação dos teores de matéria seca (MS), matéria mineral (MM), extrato etéreo (EE), Lignina (LIG) e Proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA), carboidratos não fibrosos. A estabilidade aeróbia foi avaliada aos 40 dias após a ensilagem. De maneira geral não houve interação entre o fator forrageira e o fator abertura avaliados para as variáveis MS, MM, PB, FDNcp, FDAcp, LIG, CNF, HEMI, exceto para a variável nitrogênio amoniacal em que foi observado maior valor para as silagens armazenadas em ambiente com temperatura de 33°C. Os resultados indicam que o armazenamento em temperaturas elevadas resultou em valores de pH mais altos e maiores perdas de matéria seca e efluentes. As silagens que foram armazenadas a temperaturas elevadas (33°C) foram mais suscetíveis à deterioração aeróbia do que aquelas armazenadas à temperatura ambiente de 20°C.

  • PEDRO VITOR DUARTE BRANDAO
  •  

    FRANGOS DE CORTE SUBMETIDOS AO ESTRESSE TÉRMICO ALIMENTADOS COM RAÇÕES CONTENDO DIFERENTES NÍVEIS DE TREONINA

     

  • Orientador : RICARDO DUARTE ABREU
  • Data: 29/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • foram utilizados frangos de corte pelo período de 1 a 14 dias de

    7 idade, com o objetivo de avaliar os efeitos do uso de diferentes níveis de

    8 treonina em rações de frango de corte, submetidos ao estresse térmico. Foram

    9 utilizados 384 pintos machos de um dia de idade, da linhagem comercial Cobb

    10 500, que foram alojados em 8 baterias de gaiolas metabólicas, cada bateria

    11 com 4 linhas, o que totaliza 32 unidades experimentais, cada gaiola com 0,8 m²

    12 de área, e em cada gaiola foram alojadas 12 aves, obtendo-se uma densidade

    13 de 15 aves/m². Foi utilizado um delineamento inteiramente casualizado, com

    14 temperatura de estresse de 3ºC acima da temperatura de conforto e quatro

    15 níveis de treonina (0,894%; 0,993%; 1,092%; 1,192%). Foram avaliados os

    16 parâmetros: integridade da mucosa intestinal, microbiologia intestinal,

    17 desempenho zootécnico e rendimento de carcaça e de cortes.

  • BRUNA DE JESUS ALMEIDA
  • FARELO DA VAGEM ALGAROBA NOS SUPLEMENTOS DE CORDEIROS EM PASTEJO

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 29/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito da inclusão do farelo da vagem de algarobano suplemento de cordeiros em pastejo. Foram utilizados 40 ovinos machos, não castrados, mestiços da raça Santa Inês, com peso corporal médio de 24,2 kg e idade inicial média de 120 dias, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado. O farelo da vagem de algaroba foi incluído no suplemento, nos níveis 0, 25, 50 e 75 %, fornecido na quantidade de 1% do peso corporal. O consumo de matéria seca total em kg/animal/dia aumentou linearmente com a inclusão do farelo de algaroba nos suplementos concentrados (P< 0,05). O fornecimento de suplemento aos animais não afetou o consumo de matéria seca de forragem (P>0,05). O consumo de suplemento sofreu influencia (P<0,05) da inclusão do farelo da vagem de algaroba. A digestibilidade da matéria seca aumentou (P<0,05) com a inclusão de farelo da vagem de algaroba no suplemento. O peso corporal final foi afetado(P<0,05) pela inclusão do farelo da vagem de algaroba nos suplementos experimentais (P<0,05). A inclusão do farelo da vagem de algaroba no suplemento de ovinos manejados a pasto aumenta o consumo de matéria seca e melhora a digestibilidade da proteína bruta e da fibra em detergente neutro, consequentemente melhora o desempenho animal

  • LEANDRO ANDRADE SANDE DA SILVA
  • AVALIAÇÃO DE INDICADORES PARA ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO FECAL EM OVINOS

  • Orientador : LAUDI CUNHA LEITE
  • Data: 25/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Objetiva-se com esse trabalho avaliar a estimação da produção 5 fecal com uso de diferentes indicadores, bem como o padrão de excreção destes 6 indicadores em ovinos. Foram realizados dois experimentos, no primeiro foram 7 utilizados 30 ovinos, não castrados, vacinados e tratados contra endoparasitas, com 8 7 a 9 meses de idade, peso inicial de 40,7 ± 6,44 kg e alocados em baias individuais 9 suspensas, com piso ripado e equipadas com cocho e bebedouro. No segundo, 10 foram utilizados 8 ovinos tratados e alojados igualmente ao primeiro, com idade e 11 peso médio de 4 meses e 19,8 ± 2,9 kg. Foram avaliados os indicadores externos 12 dióxido de titânio e óxido de cromo e os indicadores internos fibra em detergente 13 neutro indigestível, fibra em detergente ácido indigestível e matéria seca indigestível. 14 Os indicadores externos foram fornecidos diariamente, durante 12 dias e 15 dias, 15 respectivamente, para os respectivos estudos, na dose de 1,5 g por animal, via oral. 16 Utilizou-se 7 dias para a adaptação ao indicador e os 5 dias restantes para a coleta 17 das fezes. As fezes foram coletadas ao longo de 24h e subamostradas a cada duas 18 horas, durante todo o período de coleta. No segundo momento, as coletas totais de 19 fezes tiveram duração de 15 dias. Estas amostras foram secas em estufa, moídas 20 em moinho de facas com peneira de 2 mm e encaminhadas para as análises dos 21 indicadores. Ao longo do período de 24 horas os pontos da curva que tocam a linha 22 contínua é onde o FDNi equivale a média da concentração estimada. No entanto, 23 um ou dois horários por turno não são suficientes para que o indicador interno seja 24 representativo com a coleta total. Para os ajustamentos não-lineares relativos à 25 equação utilizou-se o algoritmo iterativo de Gauss-Newton implementado no PROC 26 NLIN do SAS, sendo realizado também uma análise de variância. Apenas uma ou 27 duas coletas de fezes para o indicador FDNi não é suficiente devido aos poucos 28 momentos onde a estimativa chega próxima ao valor real.

  • ALINE DA CRUZ DALTRO
  •  

    Aspectos reprodutivos de Branconeta (Dendrocephalus brasiliensis, Pesta 1921) e tilização com alimento vivo para pós-larvas de tambaqui. 

  • Orientador : MOACYR SERAFIM JUNIOR
  • Data: 30/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O sucesso da larvicultura de peixes é dependente da disponibilidade de 5 alimento vivo adequado para a produção das larvas e alevinos. A utilização do 6 crustáceo Dendrocephalus brasilliensis, conhecido como branconeta, pode ser uma 7 fonte alimentar alternativa para a produção de diferentes espécies de peixes. 8 Devido, principalmente, ao alto valor proteico, comparando-se e/ou até mesmo, 9 superando a de organismos empregados convencionalmente. Diante disso, este 10 trabalho objetivou avaliar experimentalmente o efeito da branconeta como primeira 11 alimentação exógena para pós-larvas de tambaqui (Colossoma macropomum), a 12 partir de estudos das taxas de crescimento, desenvolvimento e sobrevivência. O 13 estudo teve duração de oito meses, tendo como parte a execução de experimentos 14 com duração de 20 dias. Foram utilizados 180 indivíduos distribuídos em 12 15 aquários, com volume útil de 1,5 litros, na densidade de 10 larvas/L. As pós-larvas 16 foram submetidas a um delineamento inteiramente casualizado com três tratamentos 17 e quatro repetições cada: T1 Ração (controle), T2 Branconeta, T3 Ração + 18 Branconeta. No decorrer do experimento os parâmetros físico-químicos da água se 19 mantiveram dentro das condições ideais para a espécie. No final do experimento 20 não houve diferença significativa entre os tratamentos branconeta e branconeta + 21 ração. Contudo, a associação da branconeta com a ração apresentou maior taxa de 22 sobrevivência (59,97%). O fornecimento da ração isoladamente para pós-larvas de 23 tambaqui foi menos eficiente, devido ao baixo desenvolvimento e menor taxa de 24 sobrevivência dos animais. Foi possível concluir que nas condições estudadas a 25 utilização da branconeta apresenta bom potencial como alimento vivo devido à maior 26 sobrevivência e desenvolvimento das pós-larvas de tambaqui.

  • ANTONIA VICENTINA NUNES RODRIGUES
  •  

    UTILIZAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS DE  MACROALGAS NO REVESTIMENTO DE FILÉS DE ROBALO  CONGELADO E RESFRIADO

  • Orientador : NORMA SUELY EVANGELISTA BARRETO
  • Data: 19/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • As macroalgas são organismos que contribuem com o equilíbrio dos 5 ecossistemas aquáticos, são ricas em vitaminas, nutrientes, pigmentos e, produzem 6 uma variedade de compostos bioativos que possuem diversas atividades, dentre 7 elas antimicrobiana e antioxidante. A busca por produtos naturais, que atuem como 8 alternativa na conservação de alimentos tem se intensificado, já que o uso de 9 aditivos sintéticos pode ser prejudicial à saúde e, a utilização indiscriminada de 10 antibióticos causa resistência. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar o 11 efeito antimicrobiano e antioxidante de extratos de macroalgas, como alternativa ao 12 uso de aditivos químicos. Para tanto, espécies de macroalgas foram coletadas no 13 banco natural da praia de Manguinhos na Ilha de Itaparica – BA, encaminhados sob 14 refrigeração para a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia-UFRB, onde 15 foram realizados a triagem, identificação e herborização, secagem em estufa à 40ºC 16 e moagem das amostras para extração com etanol por meio da maceração a frio por 17 72 h. A atividade antimicrobiana foi determinada pelo método de difusão em disco e 18 a concentração inibitória mínima (CIM) pelo método de diluição em caldo, frente aos 19 microrganismos Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Salmonela enteretidis, 20 Vibrio cholerae, Bacillus cereus, Listeria monocytogenes e Enterococcus faecalis. Já 21 a atividade antioxidante foi determinada por meio dos ensaios químicos de DPPH e 22 ABTS, com realização da identificação de diferentes compostos fenólicos e triagem 23 fitoquímica. O resultado do teste de difusão em disco dos extratos etanólicos das 24 macroalgas (Chlorophyta, Phaeophyta e Rodophyta) indicaram que a Laurencia sp. 25 (Rodophyta) apresentou potencial antibacteriano frente a cepa da bactéria Gram 26 negativa Salmonella sorotipo Enteretidis. Dentre os microrganismos testados na CIM 27 a bactéria S. aureus se mostrou a mais sensível, sendo inibida por quatro 28 macroalgas, tendo P. gymnospora apresentado menor concentração. Todos os 29 extratos testados apresentaram efeito apenas bacteriostático frente aos 30 microrganismos avaliados. Os ensaios químicos DPPH e ABTS mostraram que 31 100% dos extratos etanólicos das diferentes macroalgas analisadas apresentaram 32 biocompostos com capacidade de sequestrar radicais livres, sendo que foi a 33 macroalga parda P. gymnospora que apresentou maior atividade antioxidante, 34 conteúdo de compostos fenólicos e compostos fitoquímicos identificados. Estes 35 resultados evidenciam o potencial bioativo das espécies de macroalgas coletadas no 36 literal da Bahia como alternativa ao uso de aditivos químicos.

  • YANE DA SILVA REIS
  • RITMO DIÁRIO DA ATIVIDADE ALIMENTAR E PARÂMETROS DIGESTIVOS DO TAMBAQUI (Colossoma macropomum)

  • Orientador : RODRIGO FORTES DA SILVA
  • Data: 20/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho foi determinaro comportamento 5 alimentar, o tempo de trânsito gastrintestinal, digestibilidade e atividade de 6 enzimas digestivas do Tambaqui (Colossoma macropomum). Os animais foram 7 distribuídos em dois grupos alimentados dois períodos do dia: na metade do 8 período de luz (ML) ou metade do período de escuro (MD), foram utilizados 152 9 animais. Fase 1- Atividade Alimentar em sistema de autoalimentação: 36 10 animais (31,32g) foram distribuidos em 6 aquários de 50L, equipado com um 11 sistema de auto demanda de ração. Estes animais acionaravam os 12 alimentadores ligados à fotocélulas, ao interceptar o feixe de percepção da 13 fotocélula a ração é lançada. Cada acionamento é registrado e os dados 14 transformados em actogramas. Ao final desta fase 2 animais na mesma faixa 15 de peso foram colocados em cada aquário para a segunda fase. 2 fase- 16 Enzimas Digestivas: 48 animais (41,35g) foram distribuidos em 6 aquários e 17 alimentados em ML e MD (12E:12L) durante duas semanas. Fotocélulas foram 18 fixadas na altura da queda da ração em cada aquário para registro da 19 sincronização alimentar. Após confirmada sincronização seguiu-se com a 20 coleta de 24h, 6 pontos com intervalos de 4h, sendo o primeiro 1h após o 21 horário de alimentação. 4 animais de cada tratamento foram anestesiados para 22 biometria seguida de abate por meio de secção medular para coleta dos 23 órgãos, estômago e intestino, que serão utilizados para a análise das enzimas 24 Pepsina, Amilase, Tripsina e Quimiotripsina. 3 fase - Tempo de Trânsito 25 Gastrintestinal: 48 animais (72,63g) foram distribuidos em 12 aquários e 26 alimentados em ML e MD (12E:12L) com ração sem marcador até os registros 27 das fotocélulas indicar a sincronização alimentar dos animais, em seguida 28 houve a troca para a ração com Fe2O3. 3 animais de cada tratamento foram 29 anestesiados para biometria seguida de abate por meio de secção medular 30 para coleta de órgãos do TGI obtendo 5 amostras- Estômago (dois segmentos) 31 e Intestino (anterior, médio e posterior). Cada segmento foi analisado 32 visualmente em uma lupa para observação da presença da ração com 33 marcador (cor avermelhada) em 8 tempos pós-prandial: 30min, 1h, 2h, 4h, 6h, 34 8h, 12h e 24h. 4 fase - Digestibilidade: 56 animais (109,19g) foram distribuidos 35 em 8 incubadoras cônicas com coletores para decantação das fezes. Foram 36 alimentados em ML e MD com ração sem indicador até a sincronização 37 alimentar, havendo em seguida a troca da ração para a que contem Óxido de 38 Cromo (Cr2O3), iniciandoo a coleta das fezes. Para ambos grupos o manejo de 39 troca de água foi 7h após alimentação, ML às 19h e MD às 7h, onde as 40 paredes das incubadoras eram escovadas e 90% da água renovada para 41 remover alimentos não consumidos e possíveis resíduos fecais. Após esse 42 manejo, as fezes então foram deixadas para decantar por 12h. Ao fim, realizará 43 análise bromatológica para determinação do coeficiente de digestibilidade da 44 ração nos 2 tratamentos Para atividade alimentar, T de Student (p<0,01), Para 45 trânsito gastrintestinal o GLM (p<0,05) e digestibilidade, ANOVA, com diferença 46 siginificativa para p<0,05 o teste F é conclusivo. Para a fase das enzimas 47 digestivas realizará teste de regressão pelo pacote estatístico do SAS.

  • FERNANDA GAZAR FERREIRA
  • AVALIAÇÃO AGRONÔMICA E DO VALOR NUTRITIVO DO TERÇO SUPERIOR DA RAMA EM DIFERENTES VARIEDADES DE MANDIOCA 

  • Orientador : LAUDI CUNHA LEITE
  • Data: 20/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • A parte aérea da mandioca é um excelente produto, porém, pode haver 5 diferenças entre variedades e isto pode ser usado com uma característica 6 secundária ou auxiliar na seleção de variedades de mandioca mais produtivas, tanto 7 em raiz como em parte aérea. A qualidade das forrageiras do gênero Manihot 8 evidencia-se pelo elevado teor de proteína e maior teor de carboidratos não-fibrosos 9 em relação a várias forrageiras tropicais. São muitos os acessos de mandioca e para 10 auxiliar na escolha de variedades com o melhor conjunto de características 11 nutricionais e produtivas são necessárias pesquisas que evidenciem essas 12 diferenças dentre as variedades. O experimento foi conduzido na Universidade 13 Federal do Recôncavo da Bahia. As variedades de mandioca foram fornecidas pela 14 EMBRAPA Mandioca e Fruticultura. As plantas foram colhidas com dezoito meses 15 de idade. A porção da planta utilizada foi o terço superior da parte aérea. Foram 16 analisadas a composição química, degradabilidade in situ da matéria seca (MS) e da 17 fibra em detergente neutro (FDN) e o fracionamento proteico e de carboidratos. A 18 estatística utilizada foi a análise fatorial múltipla. Observou-se que as 18 variedades 19 estudadas foram agrupadas em três tipos, que foram discriminados principalmente 20 pela variabilidade presente na característica de degradação ruminal da MS e da 21 FDN. As variedades agrupadas no tipo um foram as que apresentaram menor média 22 de PB e EE e maior FDN. As variedades do tipo dois foram as que apresentaram 23 em sua composição os maiores teores de PB e EE e menor teor de FDA e LIG e o 24 tipo três apresentou médias intermediárias de PB e EE, menor de FDN e maior de 25 LIG. Quanto ao fracionamento dos carboidratos observou-se que as variedades do 26 tipo um apresentaram maior fração B2 (CHO) e menor fração C (CHO). As 27 agrupadas no tipo dois obtiveram menor fração A+B1 (CHO) e maior fração C (CHO) 28 e as do tipo três apresentou maior fração A+B1 (CHO) e menor B2 (CHO). Os 29 resultados obtidos no fracionamento proteico mostram que as variedades presentes 30 no tipo um apresentaram menor fração A (PB) e maior B3 (PB), as do tipo dois 31 obtiveram maior média da fração A (PB), e menor da fração B1+B2(PB) e C (PB), e 32 o tipo três foi o que apresentou menor fração de A (PB) e B3 (PB)e maior de B1+B2 33 (PB) e C (PB). O tipo dois agrupou as variedades com melhor degradabilidade 34 potencial (DP) e efetiva e (DE) e o tipo um foi o que apresentou menor DP e DE. 35 Com isso pode-se concluir que as variedades agrupadas no tipo dois (Cigana Preta, 36 Corrente, Eucalipto, Mani Branca, Mulatinha, Sacai e Verdinha) foram as melhores 37 por apresentar maior degradabilidade potencial e efetiva e maior e melhor 38 composição bromatológicas.

  • DIVANEY MAMEDIO DOS SANTOS
  • INFLUÊNCIA DO MÉTODO DE PLANTIO E ESPAÇAMENTO NA IMPLANTAÇÃO DE PASTOS DE CYNODON COM ARACHIS 

  • Orientador : DANIELE REBOUCAS SANTANA LOURES
  • Data: 10/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este projeto tem como objetivo avaliar o método de plantio direto para o estabelecimento de pastos consorciados de Cynodon nlemfuensis cv. BRS Lua com Arachis pintoi cv. Belmonte. O delineamento experimental utilizado será em blocos casualizado, com quatro tratamentos e quatro repetições, em esquema de parcelas subdivididas 2x2 (dois métodos de plantio: plantio convencional e plantio direto; com duas densidades de plantio: 0,50 e1 m). As variáveis a serem analisadas serão: estimativa de massa seca de palhada; emissão de rebrotações da grama-estrela-roxa e amendoim forrageiro e de plantas daninhas (folha larga e estreita); composição botânica do pasto, por meio da estimativa visual da porcentagem de contribuição de cada componente (grama-estrela-roxa, amendoim forrageiro, outras braquiárias, plantas daninhas de folha larga e estreita); altura do pasto; porcentagem de solo descoberto e estimativa da massa seca total. A análise de custos com a reforma e eficiência técnica do sistema proposto através do levantamento dos coeficientes técnicos e financeiros necessários para avaliação do custo da reforma da pastagem. O método de plantio direto de pasto demonstrou ser tão eficiente para o estabelecimento do pasto de grama estrela consorciado com amendoim forrageiro, quanto o método tradicional de plantio.

  • TATIANE ALMEIDA VIANA LOPES
  • ÁCIDO ASCÓRBICO EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE E SEUs EFEITOS SOBRE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO E METABOLISMO  MITOCONDRIAL

  • Data: 09/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este experimento foi desenvolvido com objetivo de avaliar os efeitos da 6 suplementação de ácido ascórbico sobre o metabolismo mitocondrial, desempenho 7 e biometria de órgãos de frangos de corte. Para isto foram utilizados 832 pintos de 8 01 dia de idade, machos da linhagem Cobb-500 os quais foram alojados em um 9 galpão experimental dividido em 32 boxes. As aves foram alimentadas com ração à 10 base de milho e soja formulada para atendimento das exigências nutricionais nas 11 diversas fases de criação. Foi adotado um delineamento inteiramente casualizado 12 com 04 tratamentos (T1: 0 mg/kg de ácido ascórbico; T2: 10 mg/kg de ácido 13 ascórbico; T3: 20 mg/kg de ácido ascórbico; T4: 40 mg/kg de ácido ascórbico) e 08 14 repetições, cada repetição foi constituída por 26 aves caracterizando uma parcela 15 experimental. Foram avaliadas as características de desempenho: ganho de peso, 16 consumo de ração e conversão alimentar nas fases de 1 a 10, 1 a 22 e 1 a 39 e 17 viabilidade ao final do experimento. Foi realizada a mensuração de peso e biometria 18 de órgãos e anexos digestivos (tamanho e peso de bursa, peso de baço, tamanho e 19 peso de intestino delgado, peso do coração, de pâncreas e de fígado) aos 10 dias 20 de idade com 32 aves (08 por tratamento). A avaliação do metabolismo mitocondrial 21 foi realizada aos 21 dias de idade das aves com 24 aves (06 por tratamento). O 22 consumo de oxigênio foi mensurado, por polarografia utilizando um eletrodo de Clark 23 e as proteínas totais de cada amostra foram dosadas pela técnica de Lowry. Os 24 resultados mostraram que a suplementação de dietas com ácido ascórbico na fase 25 inicial exerceu efeito benéfico em características como ganho de peso (GP) e 26 conversão alimentar (CA) de frangos de corte na fase inicial de criação (até 21 dias 27 de idade). O ajuste quadrático de regressão mostrou que o ácido ascórbico no nível 28 estimado de 22 mg/kg melhorou o desempenho. Ao final da fase de criação (39 29 dias), os efeitos observados na fase inicial não se mantiveram. A suplementação de 30 ácido ascórbico não influencia biometria de vísceras associadas ao sistema imune e 31 do trato digestório nem o rendimento de carcaça e cortes. Com relação ao 32 metabolismo mitocondrial, foi observado que, aos 21 dias de idade, as aves que 33 receberam a dieta com 10mg/kg de ácido ascórbico apresentaram (P<0,05) maior 34 consumo de oxigênio, após a adição do substrato,

2016
Descrição
  • MAILIN VASCONCELOS DOS SANTOS LIMA
  • "Torta da mamona na alimentação de cabras em lactação"

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 15/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • "Torta da mamona na alimentação de cabras em lactação"

  • CAMILLA DINIZ BARRETO
  • Termografia por infravermelho: uma técnica para avaliação de conforto térmico animal” 

  • Orientador : MEIBY CARNEIRO DE PAULA LEITE
  • Data: 19/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • Termografia por infravermelho: uma técnica para avaliação de conforto térmico animal” 

  • JOSSIMARA NEIVA DE JESUS
  • Estudo do comportamento higiênico em Melipona quadrifasciata anthidioides (APIDAE: MELIPONINAE)

  • Orientador : CARLOS ALFREDO LOPES DE CARVALHO
  • Data: 19/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • Estudo do comportamento higiênico em Melipona quadrifasciata anthidioides (APIDAE: MELIPONINAE)

  • CELINA EUGENIO BAHULE
  • USO DA BATATA DOCE ASSOCIADA À SUPLEMENTAÇÃO DE ENZIMAS EXÓGENAS EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORT

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 11/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • Avaliou-se o efeito da inclusão de farinha de batata doce (FBD), como fonte energética alternativa ao milho em dietas de frangos de corte sobre o desempenho, rendimento da carcaça, morfometria, biometria, qualidade de carne e pigmentação de canela. Foram criados 936 pintos de um dia machos da linhagem Cobb-500, por 40 dias, usando um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 3x2 com três dietas (duas com farinha de batata doce (BDC e BDD) e uma de milho farelo de soja como controle (MFS)) e adição ou não de enzimas exógenas (betaglucanase 250U/kg, alfa- galactosidase 50U/kg, amilase 120U/kg, beta -mananase 440U/kg, protease 600U/kg, xilanase 2000U/kg, lipase 2000U/kg; fitase 500U/kg), totalizando seis tratamentos com 6 repetições. A farinha de batata doce foi incluída em quatro (4) níveis diferentes, cada nível em uma fase de alimentação, de forma crescente (BDC): (5% na pré-inicial, 9% na inicial, 13% na engorda e 17% no abate) e de forma decrescente (BDD): (17% na pré-inicial, 13% na inicial, 9% na engorda e 5% no abate). No período de 1 a 22 dias, houve interação para as variáveis de ganho de peso (GP) e largura de vilosidades. As dietas de MFS quando suplementadas com enzimas exógenas promoveram maior GP e menor largura de vilosidades em relação BDC e BDD. Os resultados mostraram também que houve aumento da superfície de absorção das vilosidades, do peso relativo do pâncreas e piora na conversão alimentar (CA) promovido pelas dietas com BDC e BDD de forma isolada. No período integral de criação de 1 a 40 dias (com exceção para o pâncreas) as variáveis desempenho, rendimento da carcaça e dos cortes, qualidade de carne e peso relativo do fígado não foram afetados pelos fatores avaliados. A substituição parcial do milho por batata doce mostrou-se tecnicamente aplicável (independentemente do uso de enzimas exógenas) e a farinha de batata doce pode ser usada em rações de frangos de corte sem prejuízos a integridade intestinal e dos órgãos internos ligados ao sistema digestório, garantindo bom desempenho e rendimento de carcaça e respetivos cortes e também qualidade de carne.

2015
Descrição
  • CINARA PEIXOTO CONCEIÇÃO
  • Feno de Sisal tratado ou não e feno de parte aérea de mandioca na alimentação de ovinos confinados 

  • Orientador : DANIELE REBOUCAS SANTANA LOURES
  • Data: 27/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • Feno de Sisal tratado ou não e feno de parte aérea de mandioca na alimentação de ovinos confinados 

  • BIANCA PEREIRA DA SILVA SANTOS
  • Uso da própolis em culturas de astrócitos infectadas in vitro com Neospora caninum

  • Orientador : ALEXANDRE MORAES PINHEIRO
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • Uso da própolis em culturas de astrócitos infectadas in vitro com Neospora caninum

  • CORIOLANO DIAS DE CARVALHO BISNETO
  • FENO DE CAATINGUEIRA (Caesalpina pyramidalis)  E MANDACARU (Cereus jamacaru) NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS 

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • FENO DE CAATINGUEIRA (Caesalpina pyramidalis)  E MANDACARU (Cereus jamacaru) NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS 

  • HAIALA CAJAZEIRA COELHO
  • "Uso de Bocillus subtilis e butirato de sódio para pintos de corte vacinados com diferentes cepas vacinais para doença newcastle"

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 21/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • "Uso de Bocillus subtilis e butirato de sódio para pintos de corte vacinados com diferentes cepas vacinais para doença newcastle"

  • REUBER DE CARVALHO CARDOSO
  • FARMACOPUNTURA UTILIZANDO O ACUPONTO HOU HAI EM PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO EM CAPRINOS

  • Orientador : LARISSA PIRES BARBOSA
  • Data: 14/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • O estudo foi realizado para avaliar a eficiência da aplicação de subdoses de prostaglandina F2α (PGF2α) e de gonadotrofina coriônica equina (eCG) no acuponto Hou Hai, na sincronização de estro de cabras, por meio do comportamento reprodutivo, taxa de gestação, prolificidade, taxa de crescimento folicular, momento de ovulação e o custo dos protocolos. Um total de oitenta e sete cabras mestiças da raça Anglonubiana foram avaliadas em duas etapas experimentais, sendo sessenta e nove e dezoito cabras, respectivamente, para a primeira e segunda etapa, com idade média de 2,73 ± 0,03 anos, não lactantes e com condição corporal de 2,1 ± 0,17. As cabras receberam esponjas intravaginais impregnadas com 60mg de acetato de medroxiprogesterona por sete dias e foram distribuídas aleatoriamente em três grupos (G), sendo: G1 (n=23) - aplicação de 125μg de um análogo sintético da PGF2α (Cloprostenol sódico) no sexto dia (D6) e 300UI de eCG no D7, ambos por via intramuscular (IM); G2 (n=23) e G3 (n=23) - aplicação de 37,5μg de PGF2α no D6 e 90UI de eCG no D7, aplicados no acuponto Hou Hai e em falso acuponto (IM), respectivamente. Após a retirada das esponjas, o estro foi detectado a cada 12 horas utilizando um reprodutor. Os parâmetros de comportamento reprodutivo avaliados foram: porcentagem de animais em estro (%), os intervalos entre a retirada da esponja ao início do estro e ao final do estro e a duração do estro, em horas (h). As avaliações do crescimento folicular e ovulação foram realizadas somente na segunda etapa do experimento, sendo iniciadas após a retirada das esponjas, em intervalos de 12 h, por ultrassonografia e finalizaram 12 h após a ovulação. Os parâmetros de crescimento folicular avaliados foram: número de ovulações, intervalo entre a retirada da esponja à ovulação (h), intervalo entre o início do estro à ovulação (h), taxa de crescimento folicular (mm/dia) e diâmetro do maior e do segundo maior folículo (mm). A taxa de gestação foi avaliada somente na primeira etapa experimental, após 30 e 60 dias da cobertura. Os dados de prolificidade foram obtidos pela média do número de cabritos nascidos por número de partos. Foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado e os dados foram avaliados por Análise de Variância a 5% de probabilidade. Houve diferença para (P<0,05) o número de animais em estro na primeira etapa experimental, com o G1 (100%) e o G3 (91,3%) apresentando valores superiores ao G2 (74%). Todas as cabras apresentaram estro nos três grupos do segundo experimento (P>0,05). Não houve diferenças nos demais parâmetros de comportamento reprodutivo em ambos experimentos. Os intervalos da retirada da esponja: ao início do estro foi de 35,90±14,37h e 29,13±1,30h, e ao final do estro foi de 59,80±24,48h e 77,38±5,54h, respectivamente, para o primeiro e segundo experimento. A duração média do estro foi de 24,71±13,68h e 45,33±3,35h, respectivamente, para o primeiro e segundo experimento. Não houve diferença entre os grupos (P>0,05) para taxa de gestação com 30 dias (77,0%) e 60 dias (76,7%), somente avaliada na primeira etapa experimental. A prolificidade foi de 1,92±0,90, para o G1; 1,5±0,55, no G2 e 2,09±0,54, no G3, avaliada somente na primeira etapa experimental. Não houve diferença para os parâmetros de crescimento folicular e ovulação entre os grupos (P>0,05), sendo a taxa de crescimento folicular de 2,14±0,09mm/dia, o diâmetro médio do maior folículo de 7,39±0,16mm e do segundo maior folículo de 5,83±1,56mm. O intervalo da retirada da esponja à ovulação apresentou média de 54,98±2,74h, o intervalo do início do estro a ovulação foi de 25,85±4,03h e o número de ovulações médias foi de 1,66±0,15. Entretanto o custo dos protocolos foi maior para o G1 (US$ 7,43 e 7,05), em comparação ao G2 e G3 (US$ 4,11 e 3,87). O uso de 37,5ug de PGF2α e de 90UI de eCG aplicados no acuponto Hou Hai ou em falso acuponto foram eficientes em estimular o estro em caprinos pela indução da luteólise, por não alterar a taxa de gestação, prolificidade, crescimento folicular e a ovulação em cabras submetidas à protocolos de sincronização de estro, com menor custo, comparado aos protocolos tradicionais. Contudo, sugere-se adotar o falso acuponto pela praticidade na aplicação, sendo necessária avaliação com doses hormonais ainda menores.

  • LUANDA EMELY DE LIMA SOUZA
  • Avaliação de colônias de Apis mellifera L. (Hymenoptera: Apidae) para produção de própolis na Baía do Iguape, Bahia

  • Data: 28/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Avaliação de colônias de Apis mellifera L. (Hymenoptera: Apidae) para produção de própolis na Baía do Iguape, Bahia

2014
Descrição
  • MARILICE ALVES DE ANDRADE
  • DEGRADABILIDADE IN VITRO DO CAPIM MOMBAÇA ENSILADO COM MANIPUEIRA E URÉIA

  • Orientador : SORAYA MARIA PALMA LUZ JAEGER
  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Neste estudo foi avaliado o efeito de diferentes níveis de inclusão da manipueira na silagem de capim Mombaça por meio da degradabilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), da fibra em detergente neutro (DIVFDN) e produção cumulativa de gás. Foram testadas as porcentagens de 0,0; 3,0; 5,0 e 8,0% de manipueira, sendo cada silagem amonizada com 5,0% de uréia e submetidas a doze tempos de incubação: 2; 4; 6; 8; 12; 24; 36; 48; 72; 96; 120 e 144 horas. O procedimento foi repetido três vezes, tendo o total de três avaliações por tempo de incubação para cada tratamento. A inclusão da manipueira associada à uréia proporcionou melhores resultados nos teores de carboidratos não fibrosos (CNF), nutrientes digestíveis totais (NDT), DIVMS e DIVFDN. A adição de 5,0% de Manipueira à silagem do Mombaça apresentou melhor eficiência de degradação in vitro da MS e FDN. Nas condições do presente estudo, a inclusão de 5,0% de Manipueira se mostrou bastante eficiente no tratamento da silagem de capim Mombaça (Panicum maximum cv. Mombaça), com estágio fisiológico avançado.

  • JEANE LUCARDIA DOS SANTOS DANTAS
  • Balanço eletrolítico e suplementação de vitamina D em rações de frangos de corte

  • Orientador : JERONIMO AVITO GONCALVES DE BRITO
  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Balanço eletrolítico e suplementação de vitamina D em rações de frangos de corte

  • RAFAEL AUGUSTO CRUZ SALES
  • AVALIAÇÃO DO USO DE ÓLEOS ESSENCIAIS COMBINADOS COMÁCIDO BENZÓICO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

  • Orientador : RICARDO DUARTE ABREU
  • Data: 28/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Foram realizados dois experimentos com o objetivo de avaliar o efeito da suplementação de óleos essências (timol, eugenol e piperina) combinados com ácido bezóico, como alternativa aos melhoradores de desempenho na dieta para frangos de corte, sobre as características de desempenho e sua eficiência contra Salmonella, Clostridium e Escherichia coli. O experimento foi realizado no setor de avicultura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, município de Cruz das Almas - Ba. Para o experimento I, foram utilizados 2016 pintos de corte, machos da linhagem Cobb 500 de um dia de idade, criados até 38 dias de idade, os quais foram distribuídos em delineamento inteiramente casualizado, composto por 6 tratamentos e 8 repetições, com 42 aves por unidade experimental. Os tratamentos foram: T1 - Controle Positivo:Stafac(virginiamicina) 16,5ppmem todas as fases; T2 - Controlo negativo: sem promotor decrescimento; T3- 300 ppm deCrinaPoultry Plus (CPP) em todas as fases; T4- CPP450ppm emtodas as fases; T5- CPP450 ppmaté21 diasCPPe300 ppmde 22 a 38 dias de idade; T6- Associação: Virginiamicina(16,5 ppm) + CPP300ppm emtodas as fases. Aos, 21 e 38 dias de idade, as aves e as sobras de rações foram pesadas para mensuração dos parâmetros de desempenho: ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar. Concluiu-se que a adição de óleos essenciais combinados comácidos orgânicos não influencia significativamente (P >0,05) o desempenho zootécnico de frangos de corte. Para o experimento II,foram utilizados 1680 pintos de corte macho, da linhagem Cobb 500, divididos em 5 tratamentos e 8 repetições, sendo distribuídos em 40 boxes contendo 42 aves cada. Sendo os seguintes tratamentos: T1 - Controle Positivo:Stafac(virginiamicina) 16,5ppmemem todas as fases; T2 - Controlo negativo: sem promotor decrescimento; T3 -300 ppm deCrinaPoultry plus (CPP); T4 - CPP450ppm; T5 - Associação: Virginiamicina(16,5 ppm) + CPP300ppm. Com 21 dias de idade, 24 aves por iii tratamento, foram sacrificadas por deslocameto cervical, necropisiadas e coletado a alça duodenal para analíses microbiológicas, que foram feitas no Laboratório de Doenças infecciosas da UFRB, ondeobservou-se que não houve crescimento de colônias das bactérias analisadas.

  • MAURILIO DE SANTANA MARTINS
  • PARTE AÉREA DA MANDIOCA ( Manihot esculenta Crantz) NA ENSILAGEM COM GLIRICÍDIA (Gliricidia sepium)

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 28/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Foram conduzidos dois experimento com objetivo de avaliar a composição bromatológica, perfil fermentativo, estabilidade aeróbia, nitrogênio amoniacal e pH de silagens de gliricídia com níveis de inclusão de parte aérea da mandioca ensilada. No experimento foi utilizado duzentos e oitenta micro silos experimentais de PVC (40x10cm), sendo subdivididos em duas etapas: tanto na primeira quanto na segunda etapa do experimento, foram utilizados 140 micro silos de tubos PVC. O experimento foi conduzido no setor de ovinocultura e as analises foram realisadas no laboratório de Nutrição da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, localizada no município de Cruz das Almas, Bahia. Os silos ficaram armazenados à temperatura ambiente e as aberturas ocorreram com um, três, cinco, sete, quatorze, vinte e oito e cinquenta e seis dias de ensilagem. Na primeira etapa do experimento o material ensilado passou pelo processo de emurchecimento e a segunda etapa foi confeccionada a silagem com material in natura. Os tratamentos com material foi gliricídia (GLI) com os seguintes níveis de substituição da parte aérea da mandioca (PAM): 0% (100% GLI), 20% (80%GLI), 40% (60%GLI), 60% (40%GLI), 80% (20%GLI), tanto para o emuchecido como para o in natura. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, (quatro repetições, cinco níveis de parte aérea de mandioca e sete dias de abertura). Foram utilizados 140 silos experimentais de PVC (40x10cm) para cada condição submetida ao material. Foi determinado a matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA), Lignina (L), hemicelulose (HM), nitrogênio amoniacal (NH3), matéria orgânica (MO), fibra em detergente neutro correção cinza e proteína (FDNcp), proteína insolúvel em detergente neutro na matéria seca(PIDNms), proteína insolúvel em detergente neutro correção proteína (PIDNpb), proteína insolúvel em detergente neutro FDN (PIDNfdn), cinzas insolúvel em detergente neutro (CIDN)cinzas insolúvel em detergente neutro FDN (CIDNfdn), cinzas insolúvel em detergente neutro matéria seca (CIDNms), carboidratos não fibrosos correção cinzas e proteínas (CNFcp), perdas matéria seca (Perdas) e pH. Os dados foram interpretados por meio de análise de variância e regressão. Para a análise estatística, os dados foram submetidos à análise de variância utilizando o procedimento General Linear Models do programa estatístico SAS (Statistical Analysis System). Para estudo do efeito dos níveis dentro de todos os dias de abertura aplicou-se o teste de “t” de Student ao nível de 5% de significância. E de outro modo, o efeito dos dias de abertura em cada nível de inclusão de parte aérea de mandioca por meio da análise de regressão, sendo a escolha do modelo baseada na significância dos parâmetros testados pelo teste “t” Student, e nos valores dos coeficientes de determinação (R2). A gliricídia em consorcio com a parte aérea da mandioca na ensilagem apresentaram características químicas bromatológicas adequadas para a confecção da silagem, indicando uma ótima alternativa para conservação na forma de silagem.

  • NADILSON DE MOURA SANTANA
  • SUBSTITUIÇÃO DA PROTEÍNA DO FARELO DE SOJA PELA PROTEÍNA DO FARELO DA TORTA DE MAMONA DESTOXIFICADA NA SUPLEMENTAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE TERMINADOS EM PASTEJO: CONSUMO, DESEMPENHO E DIGESTIBILIDADE

  • Orientador : ADRIANA REGINA BAGALDO
  • Data: 28/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se avaliar o efeito da substituição do farelo de soja (FS), pela torta de mamona (TM), de mamona destoxificado sobre o consumo, o desempenho e a digestibilidade de bovinos terminados a pastejo. Para tal, 40 novilhos mestiços (Zebu x Taurinos), castrados, com peso médio 331,75 ± 52,30kg foram distribuídos igualmente em cinco piquetes de Brachiaria decumbens de sete hectares (ha) de área, com disponibilidade média de matéria seca potencialmente digestível (MSpd) de 3853 Kg/ha. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com cinco tratamentos e oito repetições. Os suplementos continham aproximadamente 33% de proteína bruta (PB) e substituição progressiva de FS pela TM nos níveis de 0; 33; 67; 100% para os tratamentos TM00, TM33,TM67 E TM100 respectivamente. Os animais do tratamento controle recebiam apenas sal mineralizado (SM) na quantidade de 100 g/animal/dia. Nos demais tratamentos os suplementos foram fornecidos na quantidade de 0,5% do peso vivo (PV). O ganho médio diário (GMD) foi de 0,895; 1,00; 1,03; 1,04 e 0,780 g respectivamente para os tratamentos SM, TM00, TM33, TM67 e TM100. Não houve efeito (P>0,05) dos níveis de TM sobre o GMD, assim como não foi encontrado efeito (P>0,05) entre os animais suplementados e não suplementados. O consumo de pasto entre os animais suplementados, em Kg/dia de matéria seca (CMS), matéria orgânica (CMO) proteína bruta (CPB) e fibra em detergente neutro corrigido para cinza e proteína (CFDNcp) apresentaram efeito linear decrescente (P<0,05). Já o consumo de carboidratos não fibrosos (CCNF) não foi influenciado (P>0,05). Não foi verificado efeito para consumo de pasto entre os animais suplementados e não suplementados. O consumo total apresentou efeito linear decrescente (P<0,05) para matéria seca (CMS), matéria orgânica (CMO) e fibra em detergente neutro corrigido para cinza e proteína (CFDNcp) entre os animais que receberam níveis de inclusão de torta de mamona na dieta. E entra os animais suplementados e não suplementados apenas consumo de matéria seca (CMS) e matéria orgânica (CMO) apresentaram efeito (P<0,05). Os coeficientes de digestibilidade da matéria seca (CDMS), matéria orgânica (CDMO), fibra em detergente neutro corrigido para cinza e proteína (CDFDNcp) e carboidratos não fibrosos (CDCNF),apresentaram efeito (P<0,05) entre os níveis de substituição do FS pela TM. Não foi verificado efeito (P>0,05) para o coeficiente de digestibilidade da proteína bruta (CPB). Entre os animais suplementados e não suplementados, a substituição influenciou (P<0,05) os CDMS, CDMO e CDCNF. Quanto ao comportamento ingestivo, verificou-se efeito linear (P<0,05), para Consumo de matéria seca (CMS), proteína bruta (CPB), tempo de ócio (Tócio), e comportamento quadrático para tempos de alim (Talim), Período ócio (Pócio), Eficiências da ruminação da proteína bruta (ErumPB), Eficiências alimentação na matéria seca (EaliMS), proteína bruta (EaliPB) e da fibra em detergente neutro corrigido para cinza e proteína (EaliFDNcp). A torta de mamona tratada com óxido de cálcio pode substituir o farelo de soja na suplementação de bovinos castrados em pastejo, sem comprometer o consumo, a digestibilidade, o desempenho e o comportamento.

  • ROBERTO BARBOSA SAMPAIO
  • Comportamento higiênico da abelha uruçu (Melipona scutellaris Latreille, 1811) (Hymenoptera: Apidae)

  • Orientador : CARLOS ALFREDO LOPES DE CARVALHO
  • Data: 26/02/2014
  • Mostrar Resumo
  • Comportamento higiênico da abelha uruçu (Melipona scutellaris Latreille, 1811) (Hymenoptera: Apidae)

  • JAQUELINE OLIVEIRA NUNES
  • AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ENZIMAS EXÓGENAS PARA FRANGOS DE CORTE

  • Orientador : RICARDO DUARTE ABREU
  • Data: 20/02/2014
  • Mostrar Resumo
  • Dois experimentos foram realizados com o objetivo de avaliar a suplementação de associações de enzimas sobre o desempenho, características de carcaça e mineralização óssea de frangos de corte. As rações foram à base de milho e farelo de soja. No experimento I foram utilizados 928 pintos machos da linhagem Cobb500®. Adotou-se um delineamento inteiramente casualizado (DIC) com 4 tratamentos e 8 repetições com 29 aves por parcela experimental. Os tratamentos foram: 1 - Controle Positivo (CP), padrão nutricional do manual da linhagem; 2 - Controle Negativo (CN), com reduções de 75 Kcal/kg EMAn; 0,10 e 0,12 pontos percentuais para fósforo e cálcio, respectivamente; 3 - CN + premix enzimático (amilase, βglucanase, fitase e xilanase - 250 g/t de ração) e 4 - CN + complexo enzimático (fitase, amilase, xilanase, glucanase, pectinase, celulase e protease - 200 g/t de ração). O desempenho das aves alimentadas com níveis nutricionais reduzidos piorou (p<0,05) ao longo do experimento. A suplementação de premix enzimático no período entre 1 a 22 dias promoveu recuperação (p<0,05) no ganho de peso e conversão alimentar igualando ao grupo CP. Nas demais fases o uso das associações de enzimas proporcionou melhoria no desempenho, porém inferior ao padrão observado no CP. O rendimento de carcaça e cortes não foram influenciados (p>0,05) pelos tratamentos avaliados. As reduções de nutrientes e energia não influenciaram (p>0,05) os teores de cinzas, cálcio e fósforo da tíbia, porém reduziu (p<0,05) o peso dos mesmos. No experimento II foram utilizados 696 pintos machos da linhagem Cobb-500®. Adotou-se um DIC com 3 tratamentos e 8 repetições com 29 aves cada. Os tratamentos foram: 1-CP; 2- CN, com reduções dos níveis nutricionais e energético (fase inicial redução 50 Kcal/kg EMAn, 0,836; 0,038; 0,054; 0,060 pontos percentuais para proteína bruta, lisina, metionina+cistina e treonina digestíveis, respectivamente; fase engorda e abate redução de 80 Kcal/kg EMAn; vi 0,845; ,0155; 0,033; 0,064 pontos percentuais para proteína bruta, lisina, metionina+cistina, treonina digestíveis, respectivamente. As reduções de fósforo e cálcio foram de 0,150 e 0,176 pontos percentuais, respectivamente, para todas as fases de criação); 3 - CN + premix enzimático (amilase+β-glucanse, xilanase, fitase e protease - 500 g/t de ração). A associação de enzimas melhorou (p<0,05) o desempenho das aves, porém não se igualou ao controle positivo. O rendimento de carcaça, coxa + sobrecoxa e peso de fígado não foram influenciados (p>0,05) pelos tratamentos avaliados. A suplementação de enzimas aumentou (p<0,05) o rendimento de peito das aves. Houve diminuição do (p<0,05) do peso de cinzas, cálcio e fósforo da tíbia com as reduções de nutrientes e energia da dieta. A suplementação de enzimas proporcionou recuperação parcial dos pesos dos mesmos. O uso de enzimas associadas melhora o desempenho das aves alimentadas com níveis reduzidos de nutrientes e energia.

2013
Descrição
  • ANDRE BANDEIRA LUZ DO AMARAL
  • PRODUÇÃO DE Dendrocephalus brasiliensis Pesta, 1921 ALIMENTADO COM Chlorella vulgaris EM SISTEMA EXPERIMENTAL DE CULTIVO.

  • Orientador : MOACYR SERAFIM JUNIOR
  • Data: 30/08/2013
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetivou investigar o comportamento alimentar e produtivo de Dendrocephalus brasiliensis em diferentes densidades algais e condições experimentais de cultivo. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com dois tratamentos (Chlorella vulgaris: 270.000 e 2.700.000 cel.mL1 ), com quatro repetições cada. Os experimentos foram realizados em aquários de dois litros, com 10 animais por litro, e divididos em duas etapas: (I) taxas de filtração e ingestão, sobre três idades e fotoperíodo, com 12 horas de duração por período, em condições controladas; e (II) verificação, durante 15 dias de cultivo, do crescimento e o tempo de maturidade sexual, em ambiente semicontrolado. Para todas as idades, as taxas de filtração foram elevadas na dieta com menor concentração algal (3,93, 8,23 e 11,49 mL.ind-1 .h-1 ), entretanto, o consumo foi maior na maior concentração de alimento (3.958.000, 9.635.000 e 13.292.000 cel.ind-1 .h-1 ). Em relação ao fotoperíodo, houve aumento da filtração (13,95 mL.ind-1 .h-1 ) e ingestão (14.343.000 cel.ind-1 .h-1 ) no escuro. O maior comprimento (13,1 mm) e o início do estágio adulto foram encontrados na dieta com a maior concentração algal. De acordo com os resultados encontrados, C. vulgaris na concentração 2.700.000 cel.mL-1 foi a melhor condição alimentar para D. brasiliensis, devendo, de preferência, ser fornecida no início do período noturno.

  • ANDRÉ PAZOS DA ROCHA
  • USO DE BUTIRATO DE SÓDIO PROTEGIDO EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE

  • Orientador : RICARDO DUARTE ABREU
  • Data: 30/08/2013
  • Mostrar Resumo
  • O experimento foi realizado no Setor de Avicultura do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, no município de Cruz das Almas – BA, para estudar os efeitos do uso do butirato de sódio protegido em dietas de frangos de corte machos da linhagem COBB, através dos parâmetros: ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar e viabilidade. Foram utilizados 1488 pintos de um dia, com seis tratamentos e oito repetições, com 31 aves por unidade experimental. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado. Os seis tratamentos testados foram: dieta basal de milho e soja sem aditivos - Controle Negativo (CN), dieta basal com enramicina - Controle Positivo (CP), CN com butirato de sódio (fonte A), CN com butirato de sódio (fonte B), CP com butirato de sódio (fonte B). Não houve diferença estatisticamente significativa para qualquer um dos parâmetros avaliados, independente da fonte de butirato de sódio, associado ou não com antibiótico promotor de crescimento, permitindo concluir que o uso deste ácido orgânico pode substituir o antibiótico promotor de crescimento em condições semelhantes de manejo, ambiência e desafio sanitário. 

SIGAA | Coordenadoria de Tecnologia da Informação - - | Copyright © 2006-2020 - UFRB - app4.srv4inst1