Notícias

Banca de DEFESA: RICARDO AUGUSTO GONCALVES BORGES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RICARDO AUGUSTO GONCALVES BORGES
DATA: 18/12/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Prédio de Solos - UFRB
TÍTULO:

"A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE PRESERVAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES, NO MUNICÍPIO DE MANICORÉ/AM"


PALAVRAS-CHAVES:

Amazônia, Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Amazonas, Preservação Ambiental


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

A prática ilegal de abate de animais silvestres para o consumo alimentar na região amazônica, é um fato que traz consigo, preocupações ambientais e de saúde pública. Esse hábito também se faz presente entre os produtores rurais do município de Manicoré/AM. Tal prática além de acelerar o processo de extinção de algumas espécies animais, implica no consumo de produtos de origem animal não inspecionados pelos órgãos de fiscalização agropecuária e de inspeção de alimentos de origem animal, que é um potencial agravante na aquisição de doenças transmitidas por este tipo de alimentos. A ilegalidade também se faz presente nesta matéria, nas questões fiscais e comerciais e nos maus tratos aos animais. A educação ambiental é uma ferramenta que deve ser aplicada em todas as parcelas da população, incluindo-se neste contexto, o setor rural. Assim objetivou-se aplicar um questionário de opinião pública para ser traçado o perfil do consumo de animais silvestres. Do total de 144 produtores que foram entrevistados, 79,86% eram do sexo masculino, 75% tinham o hábito de consumir carne de animais silvestres, com periodicidade do consumo de uma vez por semana de 84,25%. Entre o grau de escolaridade dos participantes, destacou-se a formação do ensino fundamental incompleto com 25%. Na forma de aquisição da carne clandestina, 29% realizam a própria caça e 44% ganham de outras pessoas que possuem tal prática. A motivação do consumo das referidas carnes que mais se destacou, foi o quesito sensorial de saborosidade com 36,11%. Perguntados se deixariam o consumo de animais silvestres pelo risco eminente de extinção, 62,04% abandonariam tal hábito alimentar. Sobre a extinção das espécies silvestres, 51,39% acreditam que o consumo dos mesmos contribui para o processo de extinção. Assim, pôde-se concluir que o consumo de animais silvestres no município de Manicoré/AM é expressivo, contrariando leis ambientais e sanitárias de produtos de origem animal. Com isso, uma cartilha de conscientização foi elaborada e disponibilizada em mídia social e impressa, na tentativa de coibir o consumo de animais silvestres.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715958 - ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE
Externo ao Programa - 2654423 - CRISTIANE SILVA AGUIAR
Interno - 1368760 - TATIANA PACHECO RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 17/12/2019 16:50
SIGAA | Coordenadoria de Tecnologia da Informação - - | Copyright © 2006-2020 - UFRB - app1.intranet.ufrb.edu.br.srv1inst1